Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



7D822BAA-307D-45FD-9E44-567D6E6102DA.jpeg

 

A gonorreia é uma doença transmitida por via sexual. 78 milhões de pessoas são infetadas com esta doença em todo o mundo. Através de sexo oral, vaginal ou anal, a bactéria Neisseria gonorrhoeae infeta os órgãos genitais, o recto e a garganta. 

 

Um homem ficou infetado com esta superbactéria na sequência de relações sexuais não protegidas com uma mulher, durante uma viagem ao Sudeste Asiático e o tratamento tem-se mostrado ineficaz. Pela primeira vez, um paciente apresentou resistência à combinação dos antibióticos azitromicina e ceftriaxona. Seguiram-se tratamentos com outros antibióticos e o resultado foi o mesmo.

Põe-se em causa o tratamento de uma doença que, não tratada, pode levar à morte. O controlo desta doença preocupa toda a comunidade científica a nível mundial.

 

Após este trágico caso, um grupo de investigadores da universidade australiana de Monash fez novas descobertas que trazem esperança para novos tratamentos.

Este novo estudo, publicado na PLOS Pathogens, concluiu que “a versão superbactéria da gonorreia cria minúsculas vesículas revestidas por membranas que atacam as células do sistema imunitário, induzindo-as aos suicídio. Uma vez livre dessas guardiãs, a Neisseria gonorrhoeae tem caminho livre” para avançar, resistindo assim a qualquer tratamento com os usuais antibióticos.

A compreensão deste mecanismo representa uma nova esperança para um tratamento alternativo que impeça o sistema imunitário de se deixar assim ultrapassar pela superbactéria. 

 

Até que um novo tratamento seja posto no mercado, convém lembrar que a gonorreia pode ser prevenida com simples medidas de proteção e sexo seguro, como o uso de preservativo em qualquer tipo de contacto sexual, seja ele vaginal, anal ou oral.

 

5235A087-8BA6-4470-8DB3-0EC60D94B0D4.jpeg

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:56

Eutanásia, Ortotanásia e Distanásia - Significado

por dicasdefarmaceutica, em 08.02.18

C32EF4A8-3FF8-4B1A-A2F7-05E6721465D7.jpeg

A aprovação da Lei sobre “despenalização da morte assistida” está outra vez na ordem do dia e a confusão está de novo instalada.

Este é um assunto muito sensível e só quem já acompanhou o sofrimento no final da vida de familiares mais próximos é que sabe do que estou a falar.

 

Independente das leis serem ou não aprovadas, eu sei o que gostaria para a minha vida, ou melhor, para o meu fim de vida. Sei que o que é importante para mim é a qualidade e dignidade da minha vida e não a quantidade da mesma. Para quê viver mais uns meses sem qualidade? Tenho também a certeza que, quando as coisas se começam a complicar, os chamados “Cuidados Paliativos” prestados por quem realmente sabe, são cruciais para um final de vida com dignidade e sem sofrimento.

 

A Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos (APCP) merece todo o meu respeito e admiração, pelo que deixo aqui integralmente a tomada de posição desta Associação sobre as últimas declarações públicas no âmbito do tema “Eutanásia e Suicídio Medicamente Assistido”.

 

“Os corpos gerentes da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos, consideram que:

1 - Se reconhece a APCP como entidade que, desde o inicio deste debate, se tem pautado pela moderação e responsabilidade nas suas intervenções públicas;

2 - A APCP, instituição representante de profissionais em Cuidados Paliativos e firme defensora dos Doentes, Famílias e Cuidadores, não pode compactuar com declarações que, de forma mais ou menos deliberada, promovam equívocos que enviesem o debate atual;

3 - A argumentação pró legalização da eutanásia / suicídio assistido, ainda que aceitável no livre exercício da opinião de cada um não deve nunca ser utilizada como solução contra as práticas médicas e assistenciais inadequadas, artificiais e erradas no fim de vida, tal como a distanásia, contrárias aos princípios da medicina e ao interesse da pessoa assistida;

4 - A confusão entre estes dois procedimentos, por tantas vezes ser usada, parece propositada: uma coisa é executar a morte de um doente a pedido (eutanásia), outra é admitir que a sustentação artificial da vida não se deve prolongar (ortotanásia), deixando que sobrevenha a morte natural a alguém;

5 - É igualmente grave confundir a morte medicamente assistida e a verdadeira assistência médica para atenuar o sofrimento, realizada por profissionais tecnicamente habilitados. Está a primeira em clara colisão com as leis deontológicas da medicina em Portugal, assim como do ato médico;

6 - É de todo o interesse público que as suspeitas levantadas pelos intervenientes - responsáveis por instituições de alta relevância social e administradores por inerência de unidades hospitalares privadas – sejam investigadas e corrigidas por quem de direito;

Assim, reiteramos que:

1- Todos os intervenientes neste debate adotem uma posição pública responsável, de exemplar cidadania, utilizando a sua grande relevância junto da comunicação social com o objetivo de esclarecer em detrimento de confundir os nossos concidadãos;

2- As entidades responsáveis, tanto públicas como privadas, adotem medidas urgentes de reforço de formação e capacitação no fim de vida, particularmente no combate à distanásia ou outras práticas que em nada dignificam o fim de vida de cada um;

3- Os Senhores Bastonários das Ordens Profissionais indiretamente alvo destas declarações, adotem posições públicas no sentido de refutar as afirmações proferidas.

4- A APCP, no sentido de contribuir para o retomar do debate com discernimento e cidadania, solicitará ao Sr. Presidente da República uma audiência, assim como ao Sr. Bastonário da Ordem dos Médicos e à Sr.ª Bastonária da Ordem dos Enfermeiros.“

 

Só para resumir e para não haver confusões, aqui fica um pequeno dicionário:

Eutanásia - executar a morte de um doente a pedido; trata-se do chamado suicídio assistido.

Ortotanásia - admitir que a sustentação artificial da vida não se deve prolongar, permitindo ao doente uma morte digna, sem sofrimento.

Distanásia - prática para prolongar, através de meios artificiais e desproporcionais, a vida de um doente incurável.

 

Cada um é livre de ter a sua opinião, mas se tivermos bem presentes o que são os três conceitos anteriores, duvido que alguém queira sofrer ou submeter os seus entes queridos a práticas artificiais para prolongar o seu sofrimento. Se pensarmos em ortotanásia e não em eutanásia (palavra que assusta tanta gente), talvez tudo faça mais sentido...

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:15

Claro que a Cafeína faz bem!

por dicasdefarmaceutica, em 18.01.18

D3102D25-96E5-40DF-81F5-0646F4AACE37.jpeg

Não é preciso arranjar desculpas para fazer um “coffee break” para beber um cafezinho. Afinal é mesmo verdade, a cafeína faz bem à saúde.

 

Já falei AQUI num dos benefícios da cafeína no combate à depressão, mas parece que esta não é a única vantagem deste ingrediente cujo consumo nos dá tanto prazer e que é o pretexto para tantos encontros. “Vamos combinar um cafezinho” é uma frase que dizemos tantas vezes e que nos faz tão bem à saúde. Vamos lá saber por quê...

 

Está provado que a cafeína tem efeitos benéficos no nosso organismo, a curto e a longo prazo. Vamos só ver alguns deles.

 

Efeitos benéficos da cafeína a curto prazo:

- Aumenta a energia e o bem-estar.

- Ajuda a manter o ritmo circadiano. Ter o ritmo diário desregulado pode levar a perturbações do sono, a aumento de peso e a problemas do foro mental. A cafeína, quando consumida sobretudo da parte da manhã, ajuda a regular este ritmo.

- Melhora a concentração.

 

Efeitos benéficos da cafeína a longo prazo:

- Diminui a probabilidade de contrair doenças degenerativas, como Alzheimer ou Parkinson.

- Protege as células da retina. A isquemia da retina é uma complicação associada às doenças degenerativas da retina, que pode levar à perda de visão ou até mesmo à cegueira. Atualmente esta patologia não tem cura, mas segundo a investigadora Ana Raquel Santiago da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, os resultados da sua investigação são promissores neste campo e a cafeína, como antagonista dos receptores de adenosina, pode dar uma ajuda nestes casos (estudo publicado no jornal online Cell Death and Disease). O fármaco envolvido neste estudo chama-se istradefilina.

 

Há cientistas que defendem que o ideal é o consumo de 3 a 4 chávenas de café por dia, ainda que o efeito da cafeína varie de pessoa para pessoa.

 

Não há dúvidas, a cafeína faz bem! Cuidado ao consumi-la juntamente com álcool ou bebidas energéticas, pois aí sim, pode ser prejudicial!

Como tudo o que é em excesso, também a cafeína faz mal. Se beber 100 chávenas de café num dia (o equivalente a 10 gramas de cafeína) pode até morrer por causa do “cafézinho”!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:28

A cadelinha Lia vai ajudar um menino autista em África

por dicasdefarmaceutica, em 15.01.18

4DDF213F-77BC-479A-98B3-3DA79301B453.jpeg

A Lia é o primeiro cão de assistência certificado pela Associação Portuguesa de Cães de Assistência (APCA) a ser entregue em território africano. 

A APCA é a única associação portuguesa que certifica cães de assistência para pessoas com determinadas doenças. Já falei AQUI de cães de assistência para diabéticos, mas estes nossos amigos podem ajudar noutras patologias, e o autismo é uma delas.

 

Provavelmente já ouviram falar do livro que relata a vida primeiro cão de assistência entregue a uma criança autista em Portugal. Chama-se Sinatra o cão que mudou a vida do pequeno Miguel.

E1479B2E-B57A-4FE1-A16B-614D13637E57.jpeg

“O Autismo, também conhecido como Transtornos do Espectro Autista (TEA), são transtornos que causam problemas no desenvolvimento da linguagem, nos processos de comunicação, na interação e comportamento social da criança.” É sobretudo nesta interação e comportamento social da criança que estes cães de assistência podem ajudar. A criança, com o seu amigo por perto, irá sentir-se mais confiante e seguro para enfrentar o mundo com um olhar diferente.

 

Neste momento, a Lia já está em Luanda com o seu novo amigo, um menino de 5 anos que é autista. Foi a família que solicitou à APCA o treino de um cão para acompanhar o menino. Assim como o Sinatra, a Lia vai ter a sorte de poder ajudar um menino a crescer de uma forma mais confiante, mais autónoma e mais feliz.

A Lia tem apenas 5 meses, mas já aprendeu muita coisa. Vão poder crescer os dois e ajudarem-se mutuamente.

 

Foi Rui Relvas, o presidente da APCA, que foi a Angola entregar a Lia à sua nova família. Que sorte! Vou tentar seguir  a APCA e esta família, para vos poder contar como está a evoluir esta amizade.

 

05FFB3EE-AD41-481F-9CBF-7E21D6951ADC.jpeg

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:04

Terei gripe ou estarei só constipado?

por dicasdefarmaceutica, em 19.12.17

IMG_6569 (1).JPG

Escrevi um artigo para a revista Inominável que vou partilhar aqui convosco, pois está a ser a pergunta da semana nos balcões das nossas farmácias.

 

Chegou o frio e com ele as tão temíveis doenças de inverno. Nunca sabemos bem, terei gripe ou estarei só constipado? Vamos lá tirar umas dúvidas.

A constipação é normalmente uma situação mais comum e menos grave do que a gripe.

 

A constipação é uma doença infecciosa viral do aparelho respiratório superior, que afeta sobretudo a cavidade nasal. Existem mais de 200 vírus associados às causas da constipação, sendo os mais comuns os rinovírus.

Quais são os sintomas da constipação?

- Fadiga ligeira

- Dores de cabeça ligeiras

- Tosse ligeira

- Nariz entupido

- Garganta irritada

- Espirros

- Raramente dá febre

- Normalmente dura 3 ou 4 dias

 

A gripe é uma doença causado por um vírus (Influenza)  que é transmitido através de partículas de saliva de uma pessoa infectada, expelidas sobretudo através da tosse e  espirros, mas também por contacto direto, por exemplo, através das mãos.

Quais são os sintomas da gripe?

- Cansaço

- Febre elevada

- Dores de cabeça fortes

- Tosse persistente

- Dores musculares e articulares

- Nariz entupido

- Garganta inflamada

- Espirros

- Pode durar 3 ou 4 semanas

 

Como podem observar, muitos dos sintomas são semelhantes, daí a confusão entre estas duas doenças de inverno. Convém sempre desconfiar de uma constipação muito prolongada no tempo...

Quase toda a gente já teve constipada mas felizmente, muitos de nós nunca tiveram gripe. 

 

A grande vantagem da gripe é que pode ser prevenida através da vacina. Esta é aconselhada a pessoas com idade igual ou superior a 65 anos, a doentes crónicos e imunodeprimidos, a grávidas, aos profissionais de saúde e a crianças e jovens internados em instituições. Se pertence a algum destes grupos, ainda vai a tempo: até ao final do ano, pode levar a vacina da gripe. Lembre-se que a vacinação é a melhor prevenção!

IMG_2687.JPG

 Existem também algumas medidas muito simples para prevenir estas duas doenças:

- Lavar as mãos frequentemente

- Tocar o menos possível em objetos públicos (puxadores de portas, corrimões, transportes públicos, etc...)

- Evitar tocar com as mãos sujas nos olhos, nariz e boca

- Beber muita água (1,5 litros por dia)

- Fazer uma alimentação saudável, ingerindo alimentos ricos em proteínas e vitaminas

- Fazer exercício físico

- Dormir bem

- Evitar mudanças bruscas de temperatura

- Evitar grandes ajuntamentos, sobretudo em recintos fechados (centros comercias, inclusive)

- Melhorar a circulação de ar, abrindo as janelas

- Proteger o nariz e a boca enquanto espirra ou tosse

- Usar lenços descartáveis. 

- Evitar bebidas alcóolicas

- Não fumar 

 

Parece uma lista muito grande de conselhos, mas todos são importantes para passar um inverno com saúde e para aproveitar esta época do ano da melhor forma. Também há muita coisa boa para fazer no inverno: passear, conviver à volta da fogueira com os amigos, fazer desportos de inverno e ter um Feliz Natal, cheio de Saúde!

 

IMG_8190.JPG

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:34

Mês de Novembro alerta para a Saúde do Homem

por dicasdefarmaceutica, em 07.11.17

IMG_8959.JPG

 

Já começa a estar nas nossas cabeças: a seguir ao Outubro Rosa, vem o Novembro Azul.

A primeira vez que ouvi falar na “moda do bigode” durante o mês de Novembro, foi no mundo do rugby, em que várias equipas se apresentam em campo, durante este mês, exibindo os seus bigodes. Este movimento nasceu na Austrália, em 1999, e na época era chamado de Movember (a união das palavras moustache+november). 

A iniciativa desafia os homens a deixar crescer o bigode durante o mês de Novembro num alerta para as questões da saúde física e mental masculina. É um movimento que existe em todo o mundo, e Portugal não é excepção.

 

Este ano, mais de 150 médicas e médicos urologistas de praticamente todos os hospitais de Portugal vão deixar crescer o bigode ou usar um pin com um bigode durante o mês de novembro. A iniciativa é promovida pela Associação Portuguesa de Urologia (APU) e conta com o apoio da Janssen Portugal.

 

Em Portugal, o cancro da próstata é o mais frequente entre os homens, mas é importante alertar também para o cancro do testículo e do pénis, para as várias disfunções sexuais masculinas e para as depressões dos homens.

 

Pretende-se que todos os homens pensem na sua saúde de uma forma consciente, conhecendo o histórico da família e fazendo um check up anual, de forma a saberem os riscos a que estão expostos.

 

Para tratar da saúde dos homens, o movimento Movember faz também um alerta para os hábitos de vida saudáveis, nomeadamente para importância da alimentação e do exercício físico.

 

Feliz mês Azul para todos os homens!

IMG_8960.JPG

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:05

"Descomplicar o Tromoboembolismo"

por dicasdefarmaceutica, em 13.10.17

IMG_8852.JPG

 

Assinala-se hoje o Dia Mundial da Trombose (World Thrombosis Day) e o Grupo de Estudos de Cancro e Trombose (GESCAT) volta a associar-se à comemoração deste dia que foi reconhecido pela primeira vez em 2014 pela Sociedade Internacional de Trombose e Hemostase (ISTH).

Para assinalar a data, o GESCAT acaba de lançar a campanha de sensibilização “DESCOMPLICAR O TROMBOEMBOLISMO. CONHECER É A MELHOR FORMA DE PREVENIR!” com foco nas suas causas, fatores de risco, sinais e sintomas e evidência científica na prevenção e tratamento.

 

O Tromboembolismo Venoso (TEV) inclui a Trombose Venosa Profunda (TVP) e a sua maior complicação, a Embolia Pulmonar (EP). 

Na trombose venosa profunda forma-se um trombo (coágulo de sangue) numa veia localizada profundamente que dificulta ou impede o fluxo normal de sangue. A maioria dos trombos ocorre na coxa ou na perna, mas também podem acontecer no braço ou noutras partes do corpo. Um trombo numa veia profunda pode-se soltar e circular na corrente sanguínea. Quando se desloca para o pulmão e impede o fluxo sanguíneo, designa-se de tromboembolismo pulmonar. Este constitui uma complicação grave e potencialmente fatal.

 

FATORES DE RISCO

- Traumatismos e fracturas ósseas

- Cirurgia e internamento de longa duração

- Quimioterapia para o tratamento de cancro

- Estar muito tempo sentado ou na mesma posição

 

SINAIS E SINTOMAS

TVP

- Dor na perna que pode ser apenas de pé ou ao caminhar

- Endurecimento da perna com aumento da temperatura local

- Alteração de coloração da pele com rubor (cor avermelhada) ou cianose (cor azulada)

EP

- Falta de ar inexplicável

- Dor no peito

- Tosse violenta que pode ter sangue

- Alteração do ritmo cardíaco

 

PREVENÇÃO E TRATAMENTO

- Ter uma alimentação saudável e controlar o excesso de peso

- Beber água e evitar o consumo de bebidas alcóolicas 

- Praticar exercício físico com regularidade

- Em determinadas situações (cirurgias, por exemplo) são necessárias medidas preventivas adicionais. Deve ser sempre feita por um médico uma avaliação individual de risco de TEV e só depois disso são aplicadas as medidas de prevenção (por exemplo, utilização de meias de compressão elásticas, mobilização adequada ou administração de anticoagulantes).

 

Como se trata de uma doença de difícil diagnóstico, é muito importante estar atento e procurar ajuda se tiver dúvidas ou se tiver algum dos sintomas acima descritos. Siga as medidas de prevenção e os conselhos do seu médico e do seu farmacêutico!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:18

Dicas para prevenir a Osteoporose

por dicasdefarmaceutica, em 21.09.17

IMG_8805.JPG

A osteoporose é uma doença que vai fragilizando os ossos, na grande maioria das vezes, de uma forma silenciosa.

Como em muitas doenças, as mulheres são o sexo mais afetado: uma em cada três mulheres sofre fracturas, contra um em cada cinco homens, a partir dos 50 anos.

 

O QUE PROVOCA A OSTEOPOROSE?

 

- Fatores genéticos

Contra estes, pouco podemos fazer (fatores não modificáveis). Ter na família familiares diretos que sofreram fracturas, ser magra e de baixa estatura são alguns dos fatores que podem provocar esta doença.

 

- A perda de massa óssea

Começa a partir dos 35 anos. É um processo fisiológico natural, mas que é influenciado pelo estilo de vida, pelo que adoptar um estilo de vida saudável deve ser a prioridade, não só a  partir de uma determinada idade, mas desde a infância e ao longo de toda a vida.

 

4 DICAS PARA PREVENIR A OSTEOPOROSE

 

1 - Ingerir níveis adequados de Cálcio

Isto é muito importante porque o organismo não fabrica este elemento, pelo que tem que ser fornecido pela alimentação. Alternativas de alimentos ricos em Cálcio não faltam: leite e derivados, amêndoas, tofu, vegetais (bróculos, espinafres, agrião, couve), ovos, feijão branco, sardinhas, aveia, linhaça, açaí e muitos outros.

De qualquer modo, engana-se quem pensa que basta consumir a quantidade diária recomendada de Cálcio para ter uns ossos saudáveís. Para que este mineral seja bem utilizado pelo organismo, também é preciso garantir o fornecimento apropriado de vitamina D, tendo em vista que é ela a substância responsável pela entrada do Cálcio na corrente sanguínea e permitir a sua absorção.

 

2 - Assegurar o fornecimento de Vitamina D

Existem 3 fontes de produção de Vitamina D: sol (responsável por 80 a 90% desta produção), alguns alimentos (especialmente os peixes gordos) e suplementos.

Atenção aos suplementos de cálcio e de vitamina D! Quando em excesso podem ser prejudiciais, por isso, só deverão ser tomados mediante indicação médica.

A principal forma de obtenção de vitamina D é a exposição solar. Expor o rosto, as mãos ou os braços durante 10 a 15 minutos por dia é quanto basta!

 

3 - Fazer exercício físico (com carga)

Os melhores tipos de exercício para quem sofre de osteoporose são os que envolvem carga (marcha, dança e aeróbica de baixo impacto) e exercícios com resistência (usando pesos livres, aparelhos ou fitas de borracha). Apesar dos exercícios aquáticos serem recomendados, não são, por si só, suficientes para quem pretende aumentar a massa óssea.

 

4 - Deixar de fumar

É verdade, o tabaco também faz mal à osteoporose. O fumo pode atuar diretamente na matriz óssea, reduzindo a atividade de renovação do osso (atividade osteoblástica).

 

Estas 4 dicas de prevenção da osteoporose servem para muitas outras doenças, por isso, é melhor adoptá-las desde a infância e para toda a vida!

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:06

Mês do Cancro Infantil

por dicasdefarmaceutica, em 18.09.17

IMG_8800.JPG

 

Como sempre, estes meses disto e daquilo têm como principal objetivo sensibilizar para determinada causa. E que causa, o "monstruoso" Cancro Infantil.

 

O cartaz da campanha deste ano diz tudo, por isso não me vou alongar sobre este assunto. Destaco só que neste momento, oito em cada dez crianças podem ser curadas, se aos primeiros sinais da doença oncológica, forem encaminhadas para os serviços médicos.

 

Pais e educadores, estejam atentos! Atentos a quê? A tudo o que vos pareça estranho nas vossas crianças: alterações no comportamento, na disposição, no corpo (abdómen inchado, perda de peso, nódulos, manchas na pele), dores inexplicáveis e febre frequente. Não pensem sempre que é "mariquice" e procurem a ajuda do médico, pois só ele pode avaliar a gravidade ou não desses sintomas!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:40

 

image_2017-09-15_08-07-59.jpeg

 

Já falei várias vezes na moda das tatuagens. Apesar de ser uma moda que eu não gosto, tenho que concordar que algumas delas são verdadeiras obras de arte. Poderiam era estar numa tela e não "cravadas" no corpo de alguém.

 

Para fazer uma tatuagem, utilizam-se objetos que penetram na pele (agulhas) para aí depositarem os pigmentos, que irão fazer os contornos do desenho escolhido. Os pigmentos não ficam localizados no local do desenho e migram para várias partes do corpo.

 

Além da dor que deve causar, são vários os riscos ao fazer uma tatuagem:

- Risco de infeções, decorrentes da possibilidade das bactérias que existem na pele, entrarem no organismo durante o processo de execução da tatuagem. Os Staphylococcus aureus estão em ascensão entre pessoas tatuadas, e isto é particularmente preocupante, porque esta espécie de bactérias é altamente resistente à maior parte dos antibióticos.

- Risco de problemas de pele, como granulomas (caroços vermelhos) e quelóides.

- Risco de reações alérgicas às tintas usadas para tatuar, ou mesmo aos materiais utilizados. Algumas reações de sensibilidade podem ocorrer algum tempo após fazer a tatuagem; as toxinas de algumas tintas podem entrar nos rins, pulmões e nódulos linfáticos, através do sistema circulatório.

- Risco de contrair doenças, como Hepatite B, Hepatite C e SIDA. Este risco só existe se o material utilizado não for rigorosamente esterilizado e descartável.

- A tinta das tatuagens acumula-se nos gânglios linfáticos, podendo causar danos irreversíveis.

 

Sobre este último ponto, já se tinha falado, mas faltavam dados científicos a comprová-lo. Saíu agora um artigo na revista Scientific Reports - Nature de um estudo feito por cientistas alemães e franceses, que  demonstra que as substâncias presentes nos pigmentos infiltrados na pele se deslocam no interior do organismo, acumulando-se nos gânglios linfáticos, o que dificulta, por exemplo, os exames de diagnóstico de cancro. Quantas mais tatuagens uma pessoa tiver, mais substâncias perigosas terá acumuladas.

São vários os compostos perigosos que se podem acumular nos gânglios linfáticos: níquel, crómio, manganésio, cobalto, dióxido de titânio e outros. 

Os investigadores alertam ainda para o facto da eliminação de tatuagens através de laser não resolver o problema, pelo contrário; o laser dissemina os pigmentos pelo organismo e causa neles uma transformação química.

 

Os estudos sobre este assunto vão continuar, pois ainda são mal conhecidos os verdadeiros danos causados por esta moda presente em todo o mundo. Pelo sim, pelo não, é melhor reflectir bem antes de fazer uma tatuagem!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:14

Imagens

Algumas das imagens presentes no blog são retiradas da Web. Na impossibilidade de as creditar corretamente agradeço que, caso alguns dos autores não autorize a sua publicação, entre em contato, para que as mesmas sejam retiradas de imediato.

Termo de responsabilidade

A informação contida neste blog não substitui o aconselhamento médico ou farmacêutico. O objetivo do blog, é informar sobre vários assuntos ligados à saúde em geral, e à farmácia em particular. Os vários temas são abordados de uma forma não exaustiva, acessível ao público em geral.


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Abril 2018

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930

Pesquisar

  Pesquisar no Blog