Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




E0F0EE88-FF5E-4E3F-B36C-24BC35D76857.jpeg

 

Já ouviram falar da iniciativa “Fast Track Cities”. São“cidades na via rápida para acabar com a epidemia VIH”.

Esta iniciativa, lançada pela Declaração de Paris em 2014, no dia mundial da luta contra a SIDA, é uma rede de parceria mundial de cidades com quatro entidades principais: Associação Internacional de Prestadores de Cuidados no Âmbito da SIDA (IAPAC), Programa Conjunto das Nações Unidas para o VIH/SIDA (ONUSIDA), Programa específico das Nações Unidas para a Habitação e Desenvolvimento Urbano Sustentável (UN-HABITAT) e a cidade de Paris, entre outros parceiros técnicos locais, nacionais e internacionais, responsáveis pela sua execução.

Em 29 de maio de 2017, Lisboa, Porto e Cascais assinaram a Declaração de Paris através dos Presidentes das respetivas Câmaras Municipais. No passado dia 10 de outubro, mais Sete municípios portugueses – Almada, Amadora, Loures, Odivelas, Oeiras, Sintra e Portimão – assinaram na Assembleia da República, a Declaração de Paris, juntando-se à iniciativa internacional Fast Track Cities

Portugal passa a contar com 10 municípios aderentes, tornando-se o primeiro «Fast Track Country».


Ao assinarem a declaração, estas cidades comprometem-se a atingir as metas 90-90-90 até 2020, segundo as quais 90% das pessoas que vivem com VIH sejam conhecedoras do seu diagnóstico, 90% dos diagnosticados estejam em tratamento antirretrovírico e 90% das pessoas em tratamento apresentem, sustentadamente, carga vírica suprimida.

As cidades envolvidas terão ainda como objetivos, remover as barreiras de acesso aos serviços de prevenção, seguimento e tratamento das pessoas infetadas por VIH, para eliminar o estigma e a discriminação em complementaridade com os organismos governamentais, a sociedade civil, a academia e as pessoas infetadas e afetadas por VIH.

 

Dispensa de testes rápidos para rastreio de infeções por HIV nas farmácias portuguesas

A dispensa de testes rápidos para rastreio de infeções por VIH nas nossas farmácias já começou. Primeiro em Cascais, mas rapidamente alargada a todo o país: Lisboa, Porto, Almada, Amadora, Loures, Oeiras, Odivelas, Portimão e Sintra.

A execução destes testes na farmácia não requer prescrição médica e a confidencialidade e privacidade dos doentes devem ser sempre salvaguardadas. A importância da execução destes testes num espaço de tão fácil acesso é a possibilidade de ter o diagnóstico precoce da infeção, o que se revela o primeiro passo para o sucesso do tratamento. A decisão de fazer o teste é muitas vezes adiada por medo, vergonha e estigmas, que podem ser atenuados pela confidencialidade que se impõe quando se dispensa este teste nas farmácias.

Em todo o circuito, se o utente não se quiser identificar não se identifica, portanto pode fazer o teste sem ser necessário nunca dar os seus dados pessoais. Só se for reativo, aquando do contacto com a linha SNS 24 para marcar a consulta (hospitalar) aí é que tem de se identificar.

Um teste reativo não significa necessariamente um teste positivo e, portanto, há que explicar muito bem ao utente o que está aqui em causa e depois, naturalmente, orientá-lo através da linha SNS 24 para a instituição hospitalar onde se vai confirmar ou não o diagnóstico e depois fazer o seguimento.

As farmácias envolvidas já tiveram formação, pois não só a execução do teste é importante, mas também o aconselhamento pré e pós teste, pois trata-se de um assunto que tem que ser tratado de uma maneira rigorosa e uniforme em todo o país.



O secretário de Estado Adjunto da Saúde lembrou ainda o compromisso do Governo de, até ao final do ano, passar a disponibilizar testes que podem ser vendidos nas farmácias e feitos em casa. 

A proposta legislativa que avança com a possibilidade dos testes em casa já foi aprovada em Conselho de Ministros e promulgada pelo Presidente da República.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:52

Imagens

Algumas das imagens presentes no blog são retiradas da Web. Na impossibilidade de as creditar corretamente agradeço que, caso alguns dos autores não autorize a sua publicação, entre em contato, para que as mesmas sejam retiradas de imediato.

Termo de responsabilidade

A informação contida neste blog não substitui o aconselhamento médico ou farmacêutico. O objetivo do blog, é informar sobre vários assuntos ligados à saúde em geral, e à farmácia em particular. Os vários temas são abordados de uma forma não exaustiva, acessível ao público em geral.



Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Outubro 2018

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

Pesquisar

  Pesquisar no Blog