Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



9F951A16-DEFB-4CDA-A5BC-E7DC6E4810AC.jpeg

Foi ontem aprovada a inclusão de mais três vacinas no Plano Nacional de Vacinação: Meningite B, Rotavírus e Vírus do Papiloma Humano (HPV) para rapazes.

Meningite B

O meningococo B é o mais predominante em Portugal; mais de 70% das meningites no nosso país são provocadas pelo meningococo B. Transmitida por secreções respiratórias, a bactéria atinge crianças com menos de cinco anos, com um pico aos seis meses, levando à morte 5% a 14% delas e deixando 11% a 19% com sequelas, como danos neurológicos, perda de audição ou amputações. Há também risco de infeção entre os adolescentes. Apesar dos encargos (cerca de 300€ no total das doses), a grande maioria dos pais tem seguido as indicações dos pediatras e temos muitas crianças já vacinadas. Agora, vamos poder vacinar todos, os que podem e os que não podem pagar.

Rotavírus

O Rotavírus é a causa mais comum de diarreia grave com desidratação em crianças pequenas, entre os três e os quinze meses de idade. Trata-se de um dos vírus causador da tão conhecida gastroenterite. Muitos médicos questionam a importância desta vacina no Plano Nacional de Vacinação.

HPV para rapazes

A vacina contra o HPV foi incluída no Plano Nacional de Vacinação em outubro de 2008, mas apenas para raparigas, pois este vírus é responsável por 90% dos cancros do colo do útero. Ontem esta imunização foi também alargada a rapazes, pois o Vírus do Papiloma Humano pode ser transmitido através de qualquer contacto sexual/genital ou oral, não escolhendo idade e não sendo um problema exclusivamente feminino.  

 

Convém salientar que esta introdução das vacinas no Plano Nacional de Vacinação foi feita pela Assembleia da República, sem o aval da comissão técnica que trata deste assunto e da Direção Geral da Saúde. Apesar de tudo e de ser uma boa notícia,  algo vai mal quando “quem manda não ouve quem sabe.”

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:09

9856B477-8752-46E4-93FF-C171FAF17A72.jpeg 

As notícias do dia relativamente a saúde, são sobre os casos de sarampo que apareceram nos últimos dias no nosso país. Como muitas pessoas estão com dúvidas, aqui fica o comunicado muito esclarecedor da DGS.

Comunicado da Direção-Geral da Saúde

"A Direção-Geral da Saúde informa:

1. Entre os dias 8 e 21 de novembro de 2018, foram notificados na Região de Lisboa e Vale do Tejo 14 casos de sarampo, 10 dos quais confirmados laboratorialmente pelo Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge;

2. Estes casos configuram a existência de dois surtos distintos, ambos com origem em casos de doença importados de países europeus;

3. Até à data, todos os casos confirmados são em adultos, um dos quais se encontra internado e clinicamente estável;

4. Está em curso a investigação epidemiológica detalhada da situação, que inclui a investigação laboratorial de todos os casos;

5. O vírus do sarampo é transmitido por contacto direto com as gotículas infeciosas ou por propagação no ar quando a pessoa infetada tosse ou espirra. Os doentes são considerados contagiosos desde 4 dias antes até 4 dias depois do aparecimento da erupção cutânea;

6. Os sintomas de sarampo aparecem geralmente entre 10 a 12 dias depois da pessoa ser infetada e começam habitualmente com febre, erupção cutânea (progride da cabeça para o tronco e para as extremidades inferiores), tosse, conjuntivite e corrimento nasal;

7. A Direção-Geral da Saúde e a rede de Autoridades de Saúde, em colaboração com o Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge e com os profissionais de saúde, estão a acompanhar a evolução da situação de acordo com o previsto no Programa Nacional da Eliminação do Sarampo. Assim, recomenda-se:

• Verifique o seu boletim de vacinas; se necessário, vacine-se e vacine os seus;

• Se esteve em contacto com um caso suspeito de sarampo e tem dúvidas ligue para o SNS 24 - 808 24 24 24;

• Se tem sintomas sugestivos de sarampo evite o contacto com outros e ligue para o SNS 24 - 808 24 24 24;

8. Recorda-se que o sarampo é uma das doenças infeciosas mais contagiosas podendo provocar doença grave, principalmente em pessoas não vacinadas;

9. Em pessoas vacinadas a doença pode, eventualmente, surgir mas com um quadro clínico mais ligeiro e menos contagioso;

10. As pessoas que já tiveram sarampo estão imunizadas e não voltarão a ter a doença.”

Apesar de, desta vez, não ter começado em crianças e a culpa não ser atribuída diretamente à “brigada antivacinação”, convém lembrar que enquanto o vírus circula no mundo, é necessário continuar a vacinação.   cerca de 20 anos Portugal teve um surto de sarampo em que morreram perto de 50 crianças. Temos que continuar a vacinar para nos tornarmos um bom exemplo para a Europa e para o Mundo. Bem basta levarmos com estes casos que vêm “fazer turismo” até ao nosso país...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:26

Dia Europeu do Antibiótico

por dicasdefarmaceutica, em 19.11.18

461877D6-2704-4953-B4C1-E7AC49A5ED30.jpeg

Já partilhei esta imagem na página do Facebook, mas não posso deixar passar este mês sem voltar ao assunto dos antibióticos e do seu uso, ou melhor, do seu mau uso.
 
Ontem assinalou-se o Dia Europeu do Antibiótico e os dados mais recentes não são nada animadores. Confirma-se que o número de doentes infectados pot bactérias resistentes continua a aumentar na União Europeia.
A resistência aos antibióticos constitui uma grave ameaça para a saúde pública e fala-se até que, em 2050, pode vir a matar mais do que o cancro. 
 
Manter os antibióticos eficazes para as gerações futuras é um dever de todos nós. Só o seu uso prudente pode ajudar a impedir o desenvolvimento destas bactérias resistentes. Somos todos responsáveis: médicos, farmacêuticos, enfermeiros, outros profissionais de saúde, veterinários, agricultores e decisores políticos. Só em conjunto conseguiremos combater esta ameça à nossa saúde.
 
 
Regras a seguir sobre a toma de antibióticos:
 

1. Não tomar antibióticos por iniciativa própria.

2. Seguir exclusivamente a recomendação do médico.

3. Tomar o antibiótico ao longo do tempo prescrito e respeitando os horários e dosagens.

4. Entregar na farmácia as eventuais sobras.

5. Nunca partilhar os antibióticos prescritos em seu nome com familiares ou amigos.

Já que estamos a falar de antibióticos e o frio, constipações e gripes começaram a chegar, não se esqueçam que a maioria desta doenças se Inverno não se curam com antibióticos!

Se tiverem algumas dúvidas, consultem AQUI o meu post com o título: “Antibióticos: verdadeiro ou falso?”

Aqui fica mais um cartaz do SNS que tem este assunto sempre como prioritário nos seus conselhos à população:

3291096A-8C1F-4AC5-8BB3-E0013E7C1C9E.jpeg

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:35

CAD22B42-3B5F-4339-8FEB-E46D45F6B6F8.jpeg

Foram muitas as notícias relativas ao medicamento Metamizol, mais conhecido por Nolotil, na sequência da morte de 10 britânicos que compraram este medicamento em Espanha.

O Metamizol é um medicamento utilizado para o tratamento da dor aguda e intensa e na febre alta que não responde a outras terapêuticas antipiréticas. Em Portugal é utilizado há cerca de 40 anos.

Na sequência das referidas mortes está uma reação adversa do metamizol denominada agranulocitose que, apesar de ser muito grave, é muito rara.

O Infarmed esclareceu que em “Portugal foram notificados ao sistema de farmacologia, entre 2008 e 2018, um total de 11 casos de agranulocitose potencialmente associados à utilização de metamizol, com uma frequência de um a dois casos por ano (o que se encontra dentro da frequência expectável de uma reação rara)”.

O Infarmed diz ainda que “estes medicamentos não devem ser utilizados em doentes com reações hematológicas prévias ao metamizol, em tratamento com imunossupressores ou outros medicamentos que possam causar agranulocitose. Deve ser tida particular atenção à prescrição destes medicamentos em doentes idosos”.

Quem utiliza este medicamento por indicação médica não deve entrar em pânico. O metamizol mantém uma relação benefício-risco positiva, desde que seja utilizado para o fim a que se destina e durante o tempo aconselhado pelo médico ou farmacêutico (normalmente, não deve exceder os 7 dias).

Já agora, só mais uma informação: em Portugal, com este princípio ativo, temos o genérico (Metamizol Cinfa), o Nolotil e o Dolocalma.

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:05

458875D1-739E-4D14-BC91-B88D90EB57AA.jpeg

 

Começou há 10 anos a vacinação contra o Vírus do Papiloma Humano (HPV) e Portugal é um exemplo internacional, com 750 mil jovens raparigas vacinadas, o que corresponde a 86% da população alvo para a vacina.

A vacina contra o HPV foi incluída no Plano Nacional de Vacinação em outubro de 2008.

 

Cerca de 90% dos cancros do colo do útero podem ser prevenidos pela vacinação, mas este tipo de cancro continua a ser o segundo tipo de cancro mais comum em mulheres entre os 15 e os 44 anos. É muito importante continuar a prevenir, ou seja, a vacinar.

 

O Presidente da República, por altura da comemoração destes 10 anos, falou do desafio de alargar a vacinação contra o Vírus do Papiloma Humano aos rapazes. Muito bem!

O HPV pode ser transmitido através de qualquer contacto sexual/genital ou oral, não escolhendo idade e não sendo um problema exclusivamente feminino. Os rapazes também estão expostos ao vírus.  Este foi já o alerta de várias campanhas, nomeadamente a do início deste ano da Liga Portuguesa contra o Cancro.

 

C7800128-4634-43EC-945C-2E26EF610E27.jpeg

 

Tenho que acabar este apontamento com mais uma notícia que muito nos orgulha: a Ordem dos Farmacêuticos foi uma das entidades agraciadas pelo Ministério da Saúde com um louvor público pelo “trabalho meritório na vacinação contra infeções pelo vírus do papiloma humano (HPV)”. Como referiu a nossa bastonário, Ana Paula Martins, este reconhecimento é dirigido a todos os farmacêuticos que na comunidade sensibilizam e apelam à vacinação, seja a vacina do HPV, a da gripe e outras, incluídas ou não no Plano Nacional de Vacinação.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:18

Web Summit de novo em Lisboa

por dicasdefarmaceutica, em 05.11.18

347F3D0B-25CB-454F-98DC-0DAE9E2145F2.jpeg

 

A Web Summit está de volta e Lisboa está com milhares de participantes, oradores, jornalistas, estudantes e muitos curiosos desejosos de conhecer as novidades que aí vêm. Nestes dias, a nossa capital é o centro do mundo das novas tecnologias e inovação.

 

A imagem acima foi da Web Summit do ano passado, com o vencedor do concurso de startups (competição de Pitch). Falei AQUI há um ano da LifeinaBox, a empresa francesa que venceu o concurso com um minifrigorífico portátil para medicamentos.

É curioso sabermos o que aconteceu depois do concurso. Muitas vezes, ganham e parece que ficam por aí, mas felizmente não foi o caso, e a LifeinaBox continua o seu processo de implantação no mercado, apesar da morosidade de todo o processo. São milhares os que esperam pelo milagroso frigorífico, tanto particulares, como a própria indústria farmacêutica.

Todos nós sabemos a importância da temperatura nos medicamentos e essa temperatura deve ser mantida sempre que os mesmos necessitam de ser transportados. As boas práticas de transporte são parte da garantia da qualidade dos medicamentos e, consequentemente, da sua eficácia no tratamento.

 

Desde que foi apresentada em Lisboa, a LifeinaBox já sofreu algumas alterações: por fora tem a mesma aparência, mas foram alterados alguns componentes. Por ter uma bateria de Lítio que dura 36 horas, não poderá ser transportada num avião. A solução passou por permitir que a bateria possa sair e voltar a ser colocada em modelos mais pequenos, que poderão ser transportados nos aviões. Haverá modelos de vários tamanhos, para 12, 24 e 36 horas. 

 

A 6 de Janeiro de 2019 esta inovação vai ser lançada na CES de Las Vegas, a maior feira de tecnologias do mundo.

 

Uwe Diegel, o mentor deste projeto, continua a olhar para o futuro e já está a trabalhar no LifeinaHeart, desta vez,  uma caixa frigorífico para transplante de órgãos. Na Web Summit deste ano estará presente com um expositor para quem quiser saber mais sobre estas inovações na área da saúde.

Vamos aguardar o que nos espera de novidades nestes próximos dias...

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:53

F1B91B95-15A5-4F03-B5FC-C6B548ABEF2B.png

 

Seguindo o assunto do post da semana passada relativo à Diabetes (ver AQUI), vou fazer hoje um pequeno apontamento sobre um suplemento muito na moda e com cada vez mais adeptos. Trata-se dos suplementos à base de crómio

 

As funções biológicas do crómio estão intimamente relacionadas com as funções da insulina (hormona produzida pelo nosso organismo que regula os níveis de açúcar no sangue). O crómio não substitui a insulina nem estimula o organismo a produzir maiores quantidades, mas potencia a sua ação fazendo com que atue de forma mais efetiva. 

 

Várias investigações referenciam a capacidade do crómio para regular as concentrações de açúcar no sangue, ajudando a promover o controlo da diabetese a diminuir o risco de doenças crónicas em pessoas com excesso de peso.

A atestar os benefícios do crómio, a Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar (EFSA), refere que “o crómio contribui para a manutenção de níveis normais de glicose no sangue.”

 

Quando recorrer aos suplementos de Crómio?

- Como complemento da terapêutica da Diabetes

- Na situação pré-diabética, como complemento de uma alimentação adequada

- Para reduzir o apetite por alimentos ricos em açúcar;

- Para ajudar na combustão de gorduras e, consequentemente, na perda de peso.

 

Muitas pessoas chegam ao balcão da farmácia e dizem que vão desistir de tomar crómio, pois não vêem resultados. Isto acontece porque a maioria das pessoas não toma levedura de crómio orgânico. Esta é segura e com resultados após 2 a 3 semanas de toma.
O suplemento não é caro e pode ajudar muito a reduzir a ingestão de alimentos com açúcar e a estabilizar a glicemia.

Uma das vantagens de manter os níveis de açúcar no sangue estáveis, com a ajuda de levedura de crómio orgânico é que, a partir do momento que se começa a tomar este suplemento, é muito mais fácil evitar as vontades súbitas de lanches  mal elaborados entre as refeições e consequentemente, reduzir o consumo de açúcares.

 

Estes suplementos vão ajudar no controlo de açúcar do sangue e na melhoria do metabolismo. No entanto, se sofre de diabetes, apesar dos estudos que comprovam a eficácia deste mineral nos diabéticos, só deverá tomar suplementos com a supervisão do seu médico.

Não se esqueça que os suplementos nunca são os substitutos de uma alimentação equilibrada! 

 

Deixo-vos aqui dois exemplos de suplementos à base de levedura de crómio, à venda nas nossas farmácias:

 

17F54839-21B5-499D-A1BE-381A66D1F003.jpeg

 Ver AQUI as especificações do produto

 

7991F937-1CE4-4E3D-919A-AB4195F26781.jpeg

Ver AQUI as especificações do produto

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:22

B5E7EBB0-8D8C-4206-B897-C45294CBA31B.jpeg

A Diabetes é uma doença que afeta cerca de 13,3% da população portuguesa, com idade compreendida entre os 20 e os 79 anos. Trata-de uma “epidemia” a nível global, pois, segundo dados da Organização Mundial de Saúde, o número de adultos com Diabetes quadruplicou em quatro anos, chegando a 422 milhões de casos. Em Portugal e no mundo, combater a Diabetes é um dos grande desafios desta década.

 

Quando falamos de Diabetes, referimo-nos a dois tipos:

- Diabetes Tipo 1

Neste caso, o pâncreas não produz insulina. Todas as pessoas podem desenvolver este tipo de diabetes, mas ela ocorre geralmente em crianças e adultos abaixo dos 30 anos de idade. Normalmente são pessoas magras e o tratamento passa sempre por administração de insulina.

- Diabetes Tipo 2

Neste caso, a insulina produzida pelo pâncreas não é suficiente ou não age de forma adequada para diminuir o nível de açúcar no sangue. É o tipo de diabetes mais comum, aparecendo com mais frequência nos adultos (acima dos 40 anos) e em pessoas que têm familiares com diabetes tipo 2. Está muito relacionado com a obesidade, aparecendo cada vez mais em gente mais jovem. O tratamento envolve o consumo de diferentes classes de medicamentos e a mudança do estilo de vida.

 

Ser diabético não é tarefa fácil, mas ser médico de diabéticos também é uma difícil missão. A diabetes não dói, e por esse motivo, até chegarem os primeiros sintomas (geralmente relacionados com as complicações da doença), não é fácil convencer os doentes a fazer o tratamento e, sobretudo, a mudar o estilo de vida. Nesta doença em particular, o doente tem que ser um parceiro na decisão do tratamento a seguir e as diferentes decisões devem ser sempre partilhadas.

O diabético, quando lhe é diagnosticada a doença, acha sempre que é o “fim do mundo” e que está condenado até ao fim da vida a uma dieta monótona e sem sabor. Tal não corresponde à verdade, pois o segredo está em saber escolher, preparar, cozinhar e combinar os vários alimentos, de forma a ter uma alimentação equilibrada. A vida sedentária também é inimiga da diabetes e a prática de exercício físico é fundamental.

 

30147397-42A1-420F-9B95-B711065A7DDF.jpeg

 

Sabe-se que há uma relação estreita entre o consumo de açúcar e a Diabetes tipo 2 e os docinhos devem ser eliminados ou reduzidos na dieta. Segundo as recomendações, nas pessoas saudáveis, o consumo de açúcar por dia, não deve ultrapassar as 6 colheres de chá. Se pensarmos que um refrigerante pode equivaler a 10 colheres de chá de açúcar, podemos imaginar os exageros praticados neste campo...

 

Outra tarefa que os diabéticos não gostam nada é das várias picadas diárias nos dedos para saberem os seus valores de glicémia. Esta parte está já a ser resolvida e os novos sensores (FreeStyle Libre) já permitem que muitos diabéticos (sobretudo os tipo 1) saibam os seus valores sem recorrer às picadas. Medir os níveis de glicose sem picar os dedos todos os dias, sem tiras de teste e sem sangue é o sonho de qualquer pessoa portadora desta doença. Este sonho já é uma realidade.

 

C22D5562-B586-47C2-B8B0-D1D1309E89B2.jpeg

 

Quando falamos da Diabetes, temos que falar de Pré-Diabetes e de prevenção. Afinal, o que é a pré-diabetes? Não é propriamente um diagnóstico de uma doença, mas é um alerta para o risco de vir a contrair diabetes tipo 2 nos próximos anos. E quando falamos de anos, podem ser dois, cinco ou até dez anos.

Uma pessoa é considerada de alto risco para progressão à diabetes (pré-diabético) quando apresenta alterações no metabolismo da glicose, isto é, níveis elevados de glicose de jejum ou hemoglobina glicosilada (HbA1c), além de tolerância diminuída à glicose. Segundo a ADA (American Diabetes Association), valores de glicemia de jejum entre 100 e 125 mg/dL, glicemia medida 2 horas após a ingestão de 75 gramas de glicose anidra entre 140 e 199 mg/dL e hemoglobina glicosilada entre 5,7 e 6,4%, aumentam significativamente o risco de progressão para diabetes, principalmente em pessoas obesas, sedentárias e com história familiar positiva.

A carga genética e a idade não são fatores modificáveis, por isso, contra esses, nada podemos fazer. Mas mudar o estilo de vida está ao alcance de todos: exercício físico e alimentação equilibrada são fulcrais para prevenir a diabetes e fazer com que os pré-diabéticos fiquem assim apelidados toda a sua vida.

 

Combater a Diabetes, sobretudo através de programas de Prevenção, é um dos grandes desafios dos próximos anos. Saiba os seus valores e opte por um estilo de vida saudável!

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:37

E0F0EE88-FF5E-4E3F-B36C-24BC35D76857.jpeg

 

Já ouviram falar da iniciativa “Fast Track Cities”. São“cidades na via rápida para acabar com a epidemia VIH”.

Esta iniciativa, lançada pela Declaração de Paris em 2014, no dia mundial da luta contra a SIDA, é uma rede de parceria mundial de cidades com quatro entidades principais: Associação Internacional de Prestadores de Cuidados no Âmbito da SIDA (IAPAC), Programa Conjunto das Nações Unidas para o VIH/SIDA (ONUSIDA), Programa específico das Nações Unidas para a Habitação e Desenvolvimento Urbano Sustentável (UN-HABITAT) e a cidade de Paris, entre outros parceiros técnicos locais, nacionais e internacionais, responsáveis pela sua execução.

Em 29 de maio de 2017, Lisboa, Porto e Cascais assinaram a Declaração de Paris através dos Presidentes das respetivas Câmaras Municipais. No passado dia 10 de outubro, mais Sete municípios portugueses – Almada, Amadora, Loures, Odivelas, Oeiras, Sintra e Portimão – assinaram na Assembleia da República, a Declaração de Paris, juntando-se à iniciativa internacional Fast Track Cities

Portugal passa a contar com 10 municípios aderentes, tornando-se o primeiro «Fast Track Country».


Ao assinarem a declaração, estas cidades comprometem-se a atingir as metas 90-90-90 até 2020, segundo as quais 90% das pessoas que vivem com VIH sejam conhecedoras do seu diagnóstico, 90% dos diagnosticados estejam em tratamento antirretrovírico e 90% das pessoas em tratamento apresentem, sustentadamente, carga vírica suprimida.

As cidades envolvidas terão ainda como objetivos, remover as barreiras de acesso aos serviços de prevenção, seguimento e tratamento das pessoas infetadas por VIH, para eliminar o estigma e a discriminação em complementaridade com os organismos governamentais, a sociedade civil, a academia e as pessoas infetadas e afetadas por VIH.

 

Dispensa de testes rápidos para rastreio de infeções por HIV nas farmácias portuguesas

A dispensa de testes rápidos para rastreio de infeções por VIH nas nossas farmácias já começou. Primeiro em Cascais, mas rapidamente alargada a todo o país: Lisboa, Porto, Almada, Amadora, Loures, Oeiras, Odivelas, Portimão e Sintra.

A execução destes testes na farmácia não requer prescrição médica e a confidencialidade e privacidade dos doentes devem ser sempre salvaguardadas. A importância da execução destes testes num espaço de tão fácil acesso é a possibilidade de ter o diagnóstico precoce da infeção, o que se revela o primeiro passo para o sucesso do tratamento. A decisão de fazer o teste é muitas vezes adiada por medo, vergonha e estigmas, que podem ser atenuados pela confidencialidade que se impõe quando se dispensa este teste nas farmácias.

Em todo o circuito, se o utente não se quiser identificar não se identifica, portanto pode fazer o teste sem ser necessário nunca dar os seus dados pessoais. Só se for reativo, aquando do contacto com a linha SNS 24 para marcar a consulta (hospitalar) aí é que tem de se identificar.

Um teste reativo não significa necessariamente um teste positivo e, portanto, há que explicar muito bem ao utente o que está aqui em causa e depois, naturalmente, orientá-lo através da linha SNS 24 para a instituição hospitalar onde se vai confirmar ou não o diagnóstico e depois fazer o seguimento.

As farmácias envolvidas já tiveram formação, pois não só a execução do teste é importante, mas também o aconselhamento pré e pós teste, pois trata-se de um assunto que tem que ser tratado de uma maneira rigorosa e uniforme em todo o país.



O secretário de Estado Adjunto da Saúde lembrou ainda o compromisso do Governo de, até ao final do ano, passar a disponibilizar testes que podem ser vendidos nas farmácias e feitos em casa. 

A proposta legislativa que avança com a possibilidade dos testes em casa já foi aprovada em Conselho de Ministros e promulgada pelo Presidente da República.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:52

Dia Mundial dos Cuidados Paliativos

por dicasdefarmaceutica, em 13.10.18

7DB071AF-9765-414F-899A-A978C0E320AF.png

 

Assinala-se hoje o Dia Mundial dos Cuidados Paliativos. Já escrevi várias vezes sobre a importância destes Cuidados, mas não poderia deixar passar este dia sem falar das iniciativas e dos objetivos propostos para esta “História”que vai sendo escrita por tanta gente e por tantas entidades.

 

No âmbito do Mês dos Cuidados Paliativos, que se comemora em Outubro, a APCP (Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos) irá lançar uma campanha com o mote "Vamos continuar a escrever esta história" que versa sobre a desmistificação dos cuidados paliativos e dos cuidados paliativos pediátricos como cuidados de fim de vida.

“A campanha "Vamos continuar a escrever esta história" pretende elucidar sobre o verdadeiro sentido dos cuidados paliativos na prevenção e alívio do sofrimento, promovendo a melhor qualidade de vida possível para a pessoa e criança doente e sua família, e ainda reconhecer a importância dos cuidadores no processo de doença crónica, complexa e limitante. É errado pensarmos que estes cuidados só deverão ser aplicados na fase terminal de um doente. Os cuidados paliativos devem ser parte integrante no processo de cura e tratamento de uma doença, desde o seu diagnóstico.

Estes cuidados asseguram, para além do cuidado em saúde, estabilidade familiar, social e espiritual. Quando admitimos a necessidade de cuidados paliativos não estamos a desistir da pessoa nem do processo de cura, mas estamos a minimizar o sofrimento, a vários níveis, provocados pela doença”, explica Dr. Duarte Soares, Presidente da APCP.

 

A propósito desta Campanha serão realizadas várias iniciativas, entre as quais o IX Congresso Nacional de Cuidados Paliativos, a realizar entre 25 e 27 de Outubro na Fundação Dr. António Cupertino de Miranda, no Porto; um peditório público a decorrer nas Farmácias Holon (de 15 de outubro a 30 de novembro); e a venda de uma mascote, o porta-chaves Palis, por 5 euros, em vários pontos do país, nomeadamente em 124 Farmácias Holon e no Centro Comercial Dolce Vita, em Lisboa, no Espaço Solidário, entre os dias 4 e 7 de outubro, e ainda via online através do site institucional da APCP (ver AQUI).

 

As ações propostas para esta Campanha estão de acordo com o lema internacional “BECAUSE I MATTER”, ou seja, têm como principal objetivo colocar a pessoa doente no centro do cuidado.  O valor angariado com o peditório público e com a venda da mascote tem como finalidade a realização de outras ações de sensibilização, de âmbito nacional, e de formações dirigidas a profissionais de saúde”, conclui o Presidente da APCP.

 

Dados sobre os cuidados paliativos em Portugal: 

Em Portugal, por ano, cerca de 89 mil pessoas necessitam de cuidados paliativos;
Cerca de 50% das pessoas referenciadas acabam por morrer sem terem acesso aos respetivos cuidados;
O nosso país continua a ter apenas uma equipa de cuidados paliativos domiciliários por cada 590 mil habitantes, quando as recomendações internacionais apontam para a existência de uma por cada 100 mil habitantes;
Existem em Portugal pelo menos 6.000 crianças e jovens com necessidades paliativas e os centros de referenciação encontram-se essencialmente nas áreas metropolitanas de Lisboa e Porto;
Os cuidados paliativos pediátricos e as áreas de referenciação existentes são ainda insuficientes face à necessidade.
 
Aliviar o sofrimento numa fase de dor intensa e permanente é dos maiores desafios da medicina. Vamos continuar a escrever esta História para nos próximos anos não escrever aqui que 50% das pessoas necessitadas deste cuidados acabam por morrer sem terem acesso aos mesmos. Como é que isto é possível em pleno século XXI?
Os Cuidados Paliativos são um Direito Humano e um Dever do Sistema Nacional de Saúde!

 

5C849EA6-A7C3-4543-B961-8156B3B6B216.png

 

CEE056B0-6282-45DB-A3C4-AE9BBDBFF33C.png

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:49

Imagens

Algumas das imagens presentes no blog são retiradas da Web. Na impossibilidade de as creditar corretamente agradeço que, caso alguns dos autores não autorize a sua publicação, entre em contato, para que as mesmas sejam retiradas de imediato.

Termo de responsabilidade

A informação contida neste blog não substitui o aconselhamento médico ou farmacêutico. O objetivo do blog, é informar sobre vários assuntos ligados à saúde em geral, e à farmácia em particular. Os vários temas são abordados de uma forma não exaustiva, acessível ao público em geral.


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Janeiro 2019

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

Pesquisar

  Pesquisar no Blog