Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Farmácias dão apoio a peregrinos

por dicasdefarmaceutica, em 30.04.17

image_2017-04-30_09-07-11.png

A Cruz Vermelha Portuguesa e as Farmácias Holon vão juntar-se mais uma vez no apoio aos peregrinos que se deslocarão a Fátima.

 

Nos dias 9 e 10 de Maio, uma equipa especializada estará pronta a ajudar os peregrinos nos postos da Cruz Vermelha Portuguesa, localizados na Mealhada, Baixo Mondego e Aveiras de Cima. Nestes locais serão prestados primeiros socorros, cuidados médicos e de enfermagem, apoio psicológico, massagens e consultas de podologia. Haverá ainda espaço para descansar, tomar banho, fazer refeições e beber água potável.


As Farmácias Holon criaram um kit de oferta* (limitado ao stock existente) aos peregrinos composto por um Colete Refletor, um Boné e uma Bolsa com produtos essenciais.

image_2017-04-30_09-14-49.jpeg

Fazer com que todos os peregrinos cheguem a Fátima em segurança e com os menores danos possíveis em termos de saúde é o objetivo destas equipas.

 

Se vai a Fátima a pé, consulte AQUI a página do Santuário, que lhe dará algumas dicas para uma peregrinação segura.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:30

A "moda" da Vitamina D

por dicasdefarmaceutica, em 26.04.17

 

image_2017-04-25_13-32-36.jpeg

 

Tem-se falado muito da necessidade (ou talvez não) dos suplementos de Vitamina D. Isto porque os encargos com a prescrição de vitamina D quintuplicaram entre 2014 e 2016, passando de € 1,1 milhões para 5,7 milhões, entre medicamentos com e sem comparticipação. Também a despesa para o Serviço Nacional de Saúde aumentou e quase triplicou, passando de 779 mil euros para 2,1 milhões de euros, avançou a SIC.

 

São várias as questões que se podem colocar:

- Será "moda"?

- Apesar de termos um país com tanto sol, haverá mesmo necessidade deste suplemento?

- Estará a ser bem indicado? Seja por indicação médica ou não, deverá ser sempre uma indicação personalizada, adequada a cada caso.

 

 

Vamos esclarecer uns pontos para podermos julgar melhor a situação.

Existem 3 fontes de produção de Vitamina D:

1 - Sol: por exposição solar os raios UVB são capazes de activar a síntese desta substância. O sol é o responsável por 80 a 90% desta produção.

2 - Alguns alimentos, especialmente os peixes gordos.

3 - Suplementos.

 

Apesar de sermos um país com muito sol, são vários os estudos que indicam que grande parte da população tem défice de Vitamina D. O que se passa é que os números destes estudos parece que são bem diferentes, e esta é a verdadeira polémica. Como poderemos saber qual é o que está certo, e chegar às verdadeiras conclusões? 

Existem dois estudos em Portugal, um da Universidade Nova de Lisboa (Epireuma) e outro do Centro Hospitalar de Coimbra, com resultados muito diferentes. Os dois incidiram sobre as mesmas amostras de sangue, mas utilizaram métodos e aparelhos diferentes. O da Nova constatou um défice de vitamina D de 15,7% em mulheres com mais de 65 anos, e o de Coimbra um valor (71,7%) que equivale a quase cinco vezes mais.

 

Apesar de tudo, não há dúvidas quanto aos benefícios e usos da Vitamina D:

- Fortalece os ossos. Esta hormona é necessária para a absorção do cálcio pelos ossos. Pode ser responsável pelo raquitismo na infância e pela osteoporose nos adultos.

- Fortalece os músculos. A fraqueza muscular nos idosos e as quedas frequentes estão muitas vezes associadas à deficiência de Vitamina D.

- Importante na gravidez: a sua falta, no primeiro trimestre da gravidez pode levar a abortos e no final da gravidez pode ser responsável por pré-eclâmpsia.

- Para controlar e prevenir a diabetes. A produção de insulina pelo pâncreas requer Vitamina D. Alguns estudos mostram que, em crianças, o risco de desenvolverem diabetes tipo1 pode ser muito reduzido com um suplemento desta vitamina.

- Protege o coração, diminuindo o risco de doenças cardiovasculares e permite um maior controle da Hipertensão arterial.

- Ajuda no tratamento de doenças autoimunes, como por exemplo o Lúpus ou a Artrite reumatóide. A vitamina D é um imunoregulador que inibe seletivamente o tipo de resposta imunológica que provoca a reação contra o próprio organismo. O tratamento de doenças autoimunes com vitamina D é algo recente, mas é visto por especialistas como um grande avanço da medicina. Esta substância mostra mesmo um efeito anti-inflamatório nestas doenças.

- Prevenção e tratamento de alguns tipos de cancro. A falta de Vitamina D favorece o aparecimento do cancro da mama e próstata, entre outros.

 

Isto são só alguns exemplos. Parece mesmo que a Vitamina D faz bem a quase tudo, mas na realidade, quando em excesso, pode também ser prejudicial. Quando em quantidades acima das necessidades, pode desenvolver alguma toxicidade e o excesso de cálcio pode acumular-se no organismo, especialmente nos rins, nos vasos sanguíneos, nos pulmões e no coração. Normalmente, este excesso manifesta-se primeiro nos rins, que podem apresentar um mau funcionamento, resultando em insuficiência renal.

 

Assim, como com todos os suplementos, é fundamental o aconselhamento médico. Só o médico pode mandar fazer as análises necessárias para avaliar a necessidade de Vitamina D e para monitorizar a quantidade a administrar. Não é por a "vizinha" ter ficado sem dores desde que toma o tal suplemento, que "eu" também tenho que tomar...

 

Contudo, convém realçar que na grande maioria das vezes, a Vitamina D é muito bem tolerada e muito segura. A toxicidade é muito rara.

Está na altura de apanhar sol, pois este, no que se refere à Vitamina D, nunca é tóxico e faz bem a muitos males!

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:08

image_2017-04-22_22-08-02.jpeg

 

Nasceu um novo site, muito útil na área da Saúde e dos medicamentos. Trata-se de um site de farmacêuticos, da responsabilidade da serFarma e chama-se MedicamentoCerto.pt

 

Este site permite aos utilizadores, obter de forma simples e rápida, conselhos para tratar pequenos problemas de saúde.

Agora que fazemos tanta coisa através da internet, também podemos recolher neste site, informação resumida sobre determinado problema de saúde, sua prevenção e tratamento. Podemos estar no escritório ou na praia e, no tablet ou smartphone, tirarmos alguma dúvida sobre determinada patologia ou sobre algum sintoma "de última hora". 

 

Convém salientar que o MedicamentoCerto.pt não tem como objetivo substituir consultas  ou intervir em problemas graves de saúde; pretende sim, ser mais uma ajuda de profissionais competentes, no aconselhamento de pequenos problemas nessa área. 

A procura de conselhos e informações sobre problemas de saúde na internet é uma constante e todos sabemos que, muitas vezes, não só são recolhidas informações erradas, como são tiradas conclusões, que podem agravar ainda mais determinado problema.

 

No site, os utilizadores escolhem de uma lista de sintomas aqueles que sofrem, introduzem os seus dados, género, idade, peso, medicamentos que estão a tomar e doenças crónicas que possam sofrer e de seguida é-lhes indicado um medicamento adequado a tomar. Nos casos em que os sintomas são de risco de um problema grave, o site avisa o utilizador para procurar ajuda de um profissional de Saúde.

 

Já sabe, se tem mais de 18 anos, tem AQUI mais uma ferramenta para ajudar a resolver os pequenos problemas de saúde que vão aparecendo e para o encaminhar para um profissional de saúde, quando é esse o caso.

image_2017-04-24_17-36-32.png

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:48

Hospital da Bonecada regressa ao Colombo

por dicasdefarmaceutica, em 20.04.17

image_2017-04-20_17-46-56.jpeg

A Faculdade de Ciências Médicas de Lisboa (FCML) e a Bepanthene Plus associam-se mais uma vez para realizar o XVI Hospital da Bonecada.

A iniciativa é dirigida a crianças entre os 3 e os 10 anos e vai decorrer entre os dias 24 e 30 de abril, das 9h00 às 21h00, na Praça Central do Centro Colombo, em Lisboa.

Durante a semana serão muitas as escolas a visitar este espaço, enquanto que o fim de semana será mais dedicado às famílias.

 

O objetivo desta iniciativa é desmistificar o medo pela bata branca e familiarizar as crianças com as diferentes áreas da saúde. Estão envolvidos neste projeto mais de 500 voluntários, dispostos a ajudar a criançada e contribuindo assim para melhorar a formação na área da saúde. Neste assunto, como em muitos outros, "de pequenino se torce o pepino".

 

Se a sua criança tiver algum "filho" (boneco) doente, poderá levá-lo ao Hospital da Bonecada durante estes dias.

Aguarda na sala de espera pela triagem e será encaminhado para exames de diagnóstico ou consultas de especialidade, consoante a avaliação do médico que estiver na triagem.

Se for necessária alguma cirurgia, terá só que aguardar a sua vez, mas poderá ser operado no próprio dia na sala de cirurgia; o seu papá ou mamã poderá assistir.

Pode ainda fazer algum tratamento de fisioterapia ou algum curativo na sala de enfermagem. Os conselhos de nutrição e de psicologia também não serão esquecidos.

Antes de sair do Hospital, pode passar na farmácia e levar logo os medicamentos receitados, pois uma equipa de jovens farmacêuticos estão lá para prestar o melhor serviço. A “Sala Farmácia, by Farmácias Holon” tem várias surpresas e atividades didáticas, nomeadamente o tradicional Jogo da Glória, onde as crianças serão desafiadas a conhecer o papel do farmacêutico, na prevenção das doenças e na promoção da Saúde.
 

Uma coisa é certa, o "doente" será bem atendido e os seus papás sairão deste Hospital satisfeitos e sem medo daqueles senhores de bata branca.

 

Pode acompanhar esta iniciativa no Facebook do Hospital da Bonecada.

 

image_2017-04-20_18-34-52.jpeg

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:34

Mais sobre as Vacinas e o Sarampo...

por dicasdefarmaceutica, em 18.04.17

image_2017-04-18_15-14-44.jpeg

Já falei tantas vezes das vacinas e da "moda" anti-vacinas, que estava a ver se conseguia não abordar mais este assunto mas, como vêem, não consigo. A revolta é tanta e estou tão aborrecida de, passados tantos anos, voltarmos a ouvir falar de crianças gravemente doentes com Sarampo, que tive mesmo que voltar ao assunto.

A semana passada fiz um post sobre isto (ver AQUI) mas não pensava que hoje ainda fosse tema de todas as notícias...é mau sinal!

E os comentários nas redes sociais? Francamente, mesmo perante a situação, tanta gente a dizer disparates...

 

Vou só deixar-vos com o comunicado emitido ontem pela Direção Geral de Saúde (DGS), destinado a toda a população portuguesa, esclarecendo a situação desta epidemia em Portugal.

 

"Em relação à atividade epidémica de sarampo, a Direção-Geral da Saúde esclarece:

1. Em Portugal, desde janeiro de 2017 e até à data, foram registados 21 casos confirmados de sarampo pelo Instituto Ricardo Jorge;

2. A descrição detalhada, no plano epidemiológico, ainda está em curso;

3. A ocorrência de surtos de sarampo em alguns países europeus, devido à existência de comunidades não vacinadas, colocou Portugal em elevado risco;

4. Não há razões para temer uma epidemia de grande magnitude, uma vez que a larga maioria das pessoas está protegida porque foi vacinada ou teve anteriormente a doença;

5. A vacinação é a principal medida de prevenção, é gratuita e está disponível para todas as pessoas presentes em Portugal;

6. O Programa Nacional de Vacinação recomenda a vacinação com duas doses, aos 12 meses e aos 5 anos de idade;

7. Em pessoas vacinadas a doença pode, eventualmente, surgir mas com um quadro clínico mais ligeiro e menos contagioso;

8. Os serviços da DGS, do Instituto Ricardo Jorge, do INFARMED, dos Centros de Saúde e dos Hospitais de todas as regiões do País continuam a acompanhar a evolução das iniciativas que visam controlar o problema ora identificado."

 

Pais, por favor vacinem as vossas crianças!

Como disse o pediatra Mário Cordeiro numa entrevista ao Diário de Notícias, "dizer mal das vacinas é um luxo de um país que já não tem, como há bem pouco tempo tinha, casos diários de meningite ou mortes por sarampo, como [aconteceu] em 1994. A memória é demasiado curta e a arrogância demasiado grande".

Vamos fazer com que isto tenha sido um acidente, para continuarmos a ser um exemplo para o resto da Europa, no que às vacinas diz respeito!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:20

"Ter saúde é um caso sério e dá muito trabalho!"

por dicasdefarmaceutica, em 15.04.17

image_2017-03-02_22-17-25.jpeg

 

Conhecem a Inominável? É uma revista on-line feita por bloggers, com artigos muito variados e que é um prazer para quem gosta de se deliciar com umas boas leituras. Convidaram-me para ser parceira desta revista e brindei-os com este primeiro artigo, que partilho hoje convosco:

 

Pois é, estar doente é péssimo, mas ter saúde é um caso sério! Quem está doente, segue os conselhos do médico e dos outros profissionais de saúde, mas quem está saudável, tem que se manter assim e isso é difícil e dá muito trabalho!

 

Parece que há uns com mais sorte do que outros e vivem até bem velhinhos sem grandes problemas de saúde; outros há, que nascem já frágeis e parece que, em termos de saúde, todas as doenças lhes são mais próximas. Será obra do acaso? 

Na realidade, a carga genética tem um grande peso na nossa vida e na nossa saúde. Por isso mesmo, prevenir o que aí pode vir, é a chave de sucesso para uma vida saudável.

 

Vamos então a umas dicas do que podemos fazer para manter a nossa saúde. Todas estas 12 dicas devem ser contemplados na nossa agenda anual, sem desculpas para faltas, pois qualquer delas é prioridade marcada com estrelinha, no tal dia do mês.

 

Ter saúde é:

 

1 - Comer bem

A educação alimentar é primordial para ter uma vida saudável. Felizmente, as pessoas estão mais conscientes da importância de fazerem escolhas alimentares equilibradas e saudáveis, privilegiando o consumo de legumes e frutas e reduzindo o consumo de açúcares, sal e gorduras.

A ligação entre a alimentação e as doenças está muito bem documentada e sabemos que o que comemos tem um impacto muito grande na forma como nos sentimos. Comer bem pode dar trabalho, mas é um grande investimento em termos de saúde e bem-estar.

 

2 - Fazer exercício físico

Fazer exercício na dose certa é uma receita de todas as especialidades médicas. Para prevenir doenças, já não restam dúvidas, é necessário exercício físico regular.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda 150 minutos de atividade física por semana para os adultos e 60 minutos por dia para as crianças e jovens. 

 

3 - Dormir bem

Quase um terço da população europeia tem problemas de sono. Dormir, em quantidade e com qualidade, é essencial para a saúde.

Os distúrbios de sono preocupam muitas áreas da medicina. Podemos falar de distúrbios de sono em quantidade (número de horas) ou em qualidade. Em quantidade, referimo-nos às insónias (número de horas a menos) e à hipersonolência ( número de horas a mais). Quanto à qualidade, falamos muito da apneia obstrutiva do sono, mas também do sindroma das pernas inquietas e da noctúria (vontade de urinar à noite).

É fundamental sabermos como vai o nosso sono!

 

4 - Estar atento aos sintomas

Cada pessoa deve conhecer muito bem o seu organismo e estar sempre atento a todas as alterações que possam aparecer. Estar atento aos primeiros sinais, pode ser a chave de sucesso de uma cura que, alongada no tempo, poderia não ser bem sucedida. 

Todos nós sabemos a importância que o "olhar atento" pode ter, por exemplo, para a deteção precoce de determinadas doenças, como o cancro.

 

5 - Fazer consultas de rotina

Esta dica vem muito na sequência da anterior, pois não basta estar atento aos sintomas, há que reportar aos especialistas (médicos) tudo o que de estranho (ou não!) vai aparecendo no nosso corpo.

As consultas de rotina, sejam de clínica geral, de dentista ou de outra qualquer especialidade, devem estar contempladas na agenda como outro qualquer compromisso.

 

6 - Não faltar aos rastreios

Isto é particularmente importante a partir de determinada idade e existem alguns rastreios que deveriam mesmo ser obrigatórios, como o do cancro colo-retal (homens e mulheres), o do cancro da mama (mulheres) e o do cancro do colo do útero (mulheres).

Aqui está mais uma dica que ocupa parte de um dia, por ano ou de dois em dois anos, e pode salvar uma vida.

 

 7 - Não fumar

Para quem fuma, este assunto é mesmo um caso sério e parar com ele pode dar muito trabalho. 

O tabaco é considerado pela Organização Mundial da Saúde, a principal causa de morte evitável em todo o mundo. Os números não enganam e mostram que 20 por cento dos fumadores têm cancro do pulmão. Além disso, o tabagismo é também um dos grande fatores de risco cardiovascular. Vamos parar com este vício, para bem de todos!

 

8 - Limitar o consumo de bebidas alcoólicas

Portugal é o segundo país da União Europeia onde mais se bebe. Segundo a Organização Mundial de Saúde, o álcool está no top 5 dos factores de risco de morte ou doença.

Por tudo isto, é bom limitar as bebidas aos dias das jantaradas e das festas, desde que a nossa vida não seja só festas!

 

9 - Manter um peso saudável

Existe uma relação clara entre o excesso de peso e determinadas doenças.

A obesidade é um dos maiores problemas de saúde pública mundiais e há até quem lhe chame a "epidemia do século XXI".

É importante sabermos quais os nossos números, em termos de saúde. Saber qual o IMC (Índice de Massa Corporal) e qual a medida do perímetro abdominal, é fundamental para avaliarmos o nosso bem-estar e tentarmos manter um peso saudável.

 

10 - Vacinar as crianças e fazer as vacinas recomendadas nas várias ocasiões

Como dizia Nelson Mandela, "através da vacinação milhões de crianças foram salvas e tiveram a possibilidade de viverem com mais saúde, mais tempo e melhor, uma vez que foram maiores as hipóteses para aprender, brincar, ler e escrever, sem sofrimento."

Através da vacinação já foram erradicadas muitas doenças no mundo e através dela também são salvas muitas vidas todos os anos. Não podemos hesitar e temos todos que seguir à risca os planos de vacinação. Felizmente, neste campo, Portugal está no bom caminho.

 

11 - Evitar a exposição excessiva ao sol

Aproveitar o sol é tão bom, mas não há dúvidas: temos que nos proteger dos raios solares, pois podem causar danos irreversíveis na nossa saúde.

Na praia, no desporto, no passeio ou no trabalho, quando estamos ao ar livre, a proteção e o uso de protetor solar são fundamentais. O cancro de pele é mesmo um caso muito sério!

 

12 - Rodear-se de Amigos e ser Feliz!

Esta é a dica que eu mais gosto, mas também ela é um caso sério e dá muito trabalho.

 

 

                 Boa Páscoa para todos os leitores das "Dicas de Farmacêutica"! 

image_2017-04-15_14-59-09.jpeg

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:58

O Cancro também aparece a quem faz tudo certinho...

por dicasdefarmaceutica, em 13.04.17

image_2017-04-10_06-53-53.jpeg

 

Ontem ouvi uma conversa entre dois doentes. Um deles dizia: "afinal, não vale a pena deixar de fumar; ainda a semana passada li que o cancro não tem nada a ver com isso; ter ou não ter, é uma questão de sorte..."

Este diálogo tem a ver com a notícia que veio nalguns meios de comunicação social que relatava que "a causa da maioria dos cancros é o acaso."

 

Fala-se sempre que os factores externos e o estilo de vida são os principais responsáveis pelo cancro, mas a verdade é que existem já vários estudos a "pôr a culpa" no ADN.

Esses últimos estudos dizem que cerca de dois terços dos cancros são causados por erros aleatórios no ADN, que ocorrem quando as células normais fazem cópias de si mesmas, ou seja, o processo de replicação acontece por acaso.

Parece que, por mais perfeito que seja o ambiente e por mais "certinha" que seja a pessoa, estes cancros aparecem na mesma.

 

Mesmos assim, como "mais vale prevenir do que remediar" e como está provado que são muitos os factores que podem potenciar o aparecimento desta temível doença, é preferível continuarmos a pensar que podemos prevenir, "afastando" os factores de risco.

 

Relembro mais uma vez, o Código Europeu Contra o Cancro, um conjunto de medidas de prevenção a seguir:

1 - Não fume. Não use qualquer forma de tabaco.

2 - Faça da sua casa uma casa sem fumo. Apoie regras anti-tabágicas no seu local de trabalho.

3 - Tome medidas para ter um peso saudável.

4 - Mantenha-se fisicamente ativo no dia a dia. Limite o tempo que passa sentado.

5 - Tenha uma dieta saudável:
• Coma bastantes cereais integrais, leguminosas, vegetais e frutas.
• Limite os alimentos muito calóricos (com muito açúcar ou gordura) e evite as bebidas açucaradas.
• Evite as carnes processadas (enchidos, carnes fumadas, etc.), as carnes vermelhas e os alimentos com elevado teor de sal.

6 - Se consumir álcool, limite o seu consumo. Não consumir bebidas alcoólicas é benéfico para a prevenção do cancro.

7 - Evite a exposição excessiva ao sol, especialmente para as crianças. Use protetor solar. Não use solários.

8 - No seu local de trabalho, proteja-se de substâncias cancerígenas seguindo as instruções de segurança e saúde.

9 - Verifique se está exposto a radiação derivada de altos níveis de rádon natural em casa. Tome medidas para reduzir os níveis elevados de rádon.

10 - Para as mulheres:
• A amamentação reduz o risco de cancro da mama. Se puder, amamente o seu bebé.
• A terapêutica hormonal de substituição (THS) aumenta o risco de determinados cancros. Limite o recurso à THS.

11 - Assegure-se de que os seus filhos estão vacinados contra:
• Hepatite B (recém-nascidos).
• Vírus do papiloma humano (HPV) (raparigas).

12 - Participe em programas organizados de rastreio do cancro para:
• Cancro colo-retal (homens e mulheres).
• Cancro da mama (mulheres).
• Cancro do colo do útero (mulheres).

 

Apesar das notícias, o Cancro não é só obra do acaso!

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:07

Eu tive Sarampo porque no meu tempo não havia Vacina

por dicasdefarmaceutica, em 11.04.17

image_2017-04-11_07-48-54.jpeg

É verdade, eu tive sarampo, porque há 50 anos não havia vacina e muitos de nós contraiam esta doença altamente contagiosa e que, dadas as consequências (às vezes, graves), assustava muito os pais. Nesta altura, era uma doença de fácil diagnóstico, pois todos os pediatras estavam habituados a reconhecer os seus sintomas. Agora, muitos dos médicos, nunca viram um caso de sarampo.

 

Com o aparecimento da vacina, há 35 anos, os casos de sarampo foram desaparecendo e a doença parecia estar erradicada no nosso país, de tal modo que nem se pensava que uma criança pudesse ter sarampo. 

 

A verdade é que este ano já apareceu um caso no Norte e no passado mês de março, foram diagnosticados quatro casos no Algarve. Será possível? Após alguns casos de difteria e poliomielite na Europa nos últimos anos, vem agora o sarampo "visitar" as nossas criancinhas. Grave é que as crianças não têm culpa nenhuma; são os paizinhos "anti-vacinação" que causam esta triste realidade e que nos fazem recuar tantos anos.

 

Em Portugal, o Programa Nacional de Vacinação infantil é cumprido e tem-se mostrado eficaz. Não estraguem o que tem sido bem feito!

A vacina do sarampo deve ser administrada aos doze meses de idade, com um reforço aos cinco anos, sendo muito eficaz na proteção do sarampo. Os responsáveis pela saúde no nosso país estão preocupados e a DGS (Direção Geral da Saúde) alerta para "o perigo que o sarampo representa, sendo uma das infeções virais mais contagiosas, cuja transmissão é feita à distância, por via aérea através de gotículas ou aerossóis. Os sintomas passam por exantema (uma vermelhidão na pele), expetoração, olhos pegados, entre outros."

 

Vacinar-se é uma opção individual, mas com muito peso na sociedade, pois todos os anos as vacinas salvam milhões de pessoas no mundo inteiro. Pense nisso e vacine os seus filhos! 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:09

"Tudo o que é demais, cheira mal!"

por dicasdefarmaceutica, em 10.04.17

image_2017-04-09_14-53-03.jpeg

Já ouviu esta expressão? É verdade em quase tudo, e na saúde também. Vamos a três situações que nunca parecem demais, mas que também exigem algum equilíbrio e bom senso. São elas: alimentação, higiene e exercício físico.

 

1. Alimentação

Já em vários posts falei dos exageros e da terrível obsessão por uma "alimentação saudável". Ainda há dias partilhei no Facebook um artigo sobre este assunto (ver AQUI) e as opiniões são unânimes: equilíbrio é a palavra-chave.

Vou dar dois exemplos: o exagero no consumo de sementes e achar que a fruta se pode comer à vontade.

As sementes são importantes para o organismo, sobretudo devido à quantidade de fibras que contêm, mas não somos "pássaros" e não devemos abusar pois, quando consumidas em excesso, pode causar mal-estar, como flatulência ou até mesmo oclusão intestinal (nos casos mais graves). Normalmente, uma ou duas colheres de sementes por dia são suficientes, havendo sempre necessidade de saber se quem as consome não tem problemas intestinais.

A fruta? Vem o verão e as mesas enchem-se de frutas apetitosas. A fruta é um excelente alimento, rico em vitaminas, fibra, antioxidantes e frutose (açúcar da fruta). O problema é que a frutose, quando consumida em excesso, é transformado em gordura (pelo fígado)  e armazena-se, sobretudo, na região abdominal. Se a pessoa tiver problemas intestinais, por exemplo, a frutose não é eliminada e pode até causar obstrução das artérias. Pode também alterar o equilíbrio dos eletrólitos, sobrecarregando os rins. Existem algumas frutas que têm mais açúcar do que outras, mas o ideal é sempre não exagerar e ter como regra, comer cerca de cinco porções diárias de fruta e legumes...aí está o equilíbrio. Não é por ser fruta que se pode encher uma taça de uvas ou melão e comer até "encher o bandulho".

 

2. Higiene

Agora é que é pior: será que higiene a mais também pode fazer mal? E não é que faz mesmo? Vou também falar de mais dois exemplos: os chamados sabonetes antibacterianos e escovar os dentes com força para tirar melhor a sujidade acumulada.

Os sabonetes antibacterianos não devem ser usados diariamente porque, além de afastarem as bactérias más, também afastam as boas, muitas delas necessárias para o equilíbrio da flora normal da pele. Estes sabonetes e geles de lavagem devem ser aconselhados apenas a quem trabalha nas áreas da saúde e a quem viaja para destinos com deficientes condições sanitárias.

Relativamente aos dentes, lavar "com toda a força" e com escovas rijas, pode provocar desgaste dentário, hemorragia gengival e, ainda por cima, não ficam mais bem lavados por isso. O ideal é usar uma escova de cerdas suaves, uma pasta pouco abrasiva, não fazer força durante a lavagem e também não vale a pena usar muita pasta. O tempo médio de escovagem recomendado é de dois minutos.

 

3. Exercício físico

O exercício físico passou a ser "receita" de todas as especialidades médicas e, segundo a minha opinião, muito bem: "Mexa-se pela sua saúde!"

Mesmo assim, também este, só é saudável se a sua prática for controlada e adaptada a cada pessoa. Estudos recentes apontam, por exemplo, para maior risco cardíaco para quem faz ultramaratonas. Andar e correr faz muito bem, mas com moderação, adaptado à idade e à condição física.

Normalmente, aconselha-se um treino de 45 a 60 minutos para quem treina duas a três vezes por semana; já quem o faz todos os dias, é melhor reduzir para 20 ou 30 minutos. Claro que isto depende de caso para caso, mas a "moda" do exercício físico pode não dar bom resultado, quando é feito sem nenhum controle.

 

Como já dizia a minha avó: "Tudo o que é demais, cheira mal!"

- Coma de forma saudável e equilibrada! Coma (quase) de tudo em pequenas quantidades!

- Tome banho todos os dias, mas deixe-se de querer tirar todas as bactérias do seu corpo!

- Faça exercício físico de forma moderada e divertida! Mexa-se todos os dias e a sua saúde agradece!

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:44

E se a Televisão o ajudasse a gerir a sua Saúde?

por dicasdefarmaceutica, em 08.04.17

image_2017-04-08_17-48-13.jpeg

 

Decorreu esta semana em Lisboa, o Portugal eHealth Summit, um evento de dimensão internacional, cujo tema se centralizou no processo de transformação digital da Saúde.

Foram três dias de debates, conferências e entrevistas sobre diversos temas relacionados com a inovação de sistemas de informação, interoperabilidade, telesaúde, segurança e proteção de dados, big-data, apps e mobilidade, e-procurement, e-commerce, literacia em saúde, robótica, cloud, entre outros.

 

Um dos temas abordados foi o aproveitamento da televisão, como meio privilegiado para chegar aos mais idosos, àqueles que não usam nem nunca vão usar o telemóvel e que não têm acesso à internet. Para estes, a televisão é, muitas vezes, a sua única companhia. Vamos aproveitar isso para os ajudar em temos de acompanhamento da sua Saúde!

A este respeito, Henrique Martins, presidente da Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, adiantou: “A televisão é muito abrangente e mais indutora de comportamentos. E sabe quando as pessoas estão a olhar para ela, porque ou mudam o canal ou sobem o som. Nós temos muitas pessoas sozinhas em casa e o nosso objetivo é levar a rede de saúde a casa das pessoas e potenciar soluções digitais para que possam estar mais acompanhadas. O concurso é complexo, demorará seis a nove meses, porque são empresas de grande volume. O que queremos é que as três operadoras de televisão concorram todas para terem este serviço: ligar a box da TV aos serviços de saúde e mais tarde ter um canal do Serviço Nacional de Saúde [SNS]”.

 

Se a televisão estiver ligada ao número de utente, será fácil esta comunicação através de mensagens, perguntas, lembretes e muitas outras utilidades em termos de saúde. A televisão pode, por exemplo, lembrar a hora da medicação ou o horário da próxima consulta; pode até registar os sinais vitais, em que as pessoas podem responder com o comando.

 

Estou a escrever isto e estou a lembrar-me de uma situação que me surpreendeu no ano passado numa visita a São Tomé. Num plano totalmente diferente, sabem que existem umas horas do dia em que a televisão é um autêntico serviço público? Olhamos para o écran e o que vemos são listas de nomes de pessoas, avisando de consultas, cirurgias, exames médicos, idas a tratamentos, etc...Fiquei surpreendida e pensei: porque não? Através desta "caixinha mágica" pode mesmo fazer-se muita coisa e chegar a muita gente. 

 

Estes projetos são de extrema importância e utilidade para quem vive fora dos grandes centros, em zonas rurais, onde muitas vezes só chega mesmo a televisão. A Telemedicina pretende acompanhar os doentes (sobretudo os portadores de doenças crónica) em casa, à distância e tornar o Serviço Nacional de Saúde acessível a todos.

 

Como é que isto pode funcionar? O doente está ligado ao SNS, através da box da televisão. Os dados inseridos pelo doente seguem para o call center clínico, composto por uma equipa de técnicos de saúde (médicos, enfermeiros, farmacêuticos) que fazem a gestão dos dados em tempo real e, em função do estado de saúde do doente, é emitido um alerta no sistema de monitorização e analisado o encaminhamento necessário. O médico especialista faz a avaliação dos dados e, em casos graves, pode marcar consulta ou direcionar para as urgências.

Este sistema pode, além de manter mais controlados os doentes, evitar idas desnecessárias às urgências ou, pelo contrário, atuar em tempo real, quando é necessário.

 

Parabéns a todos que estão a tornar este projeto possível!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:00

Imagens

Algumas das imagens presentes no blog são retiradas da Web. Na impossibilidade de as creditar corretamente agradeço que, caso alguns dos autores não autorize a sua publicação, entre em contato, para que as mesmas sejam retiradas de imediato.

Termo de responsabilidade

A informação contida neste blog não substitui o aconselhamento médico ou farmacêutico. O objetivo do blog, é informar sobre vários assuntos ligados à saúde em geral, e à farmácia em particular. Os vários temas são abordados de uma forma não exaustiva, acessível ao público em geral.

Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Abril 2017

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30

Pesquisar

  Pesquisar no Blog