Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Neste Inverno, diga Stop às Frieiras!

por dicasdefarmaceutica, em 30.01.17

image_2017-01-29_18-23-13.jpeg

As frieiras são muito comuns nesta época do ano. Não tendo normalmente muita gravidade, podem tornar-se bastante incomodativas, provocar dor e a sua permanência na pele pode prolongar-se por vários meses.

Por isso mesmo, convém saber quais os sintomas da frieiras, como preveni-las e também como tratá-las.

 

Sintomas:

- Comichão ou sensação de queimadura

- Dor

- Inchaço

- Alteração da cor (do vermelho ao azul escuro)

- Manchas na pele

- Feridas (nos casos mais graves)

 

Prevenção:

- Quando exposto ao frio, utilizar luvas, gorro, meias de lã, cachecol e calçado quente e confortável

- Evitar alterações bruscas de temperatura

- Ao entrar em espaços aquecidos, tirar os abafos

- Não se colocar muito perto de fontes de calor intenso, como aquecedores, lareiras e sacos de água quente

- Manter a pele hidratada

 

Tratamento:

- Para aliviar os sintomas, podem utilizar-se vários cremes à venda nas farmácias, normalmente cremes com açâo calmante e emoliente.

- Em casos graves podem ter utilidade fármacos com acção vasodilatadora, que melhora a circulação do sangue nas extremidades. Devem ser usados por indicação médica.

- Se as frieiras criarem bolhas ou ulcerarem, podem necessitar de cuidados especiais, por isso, neste caso, peça ajuda ao seu farnacêutico.

 

Hoje dou-vos um exemplo de um bom creme para o cuidado e prevenção das frieiras e gretas: é o Stop frieiras, um creme de Inverno, que protege a pele contra as agressões do frio e da humidade. Diminui o desconforto e a comichão, reforçando a barreira hidrolipídica da pele. Nas mãos secas, ásperas e gretadas, hidrata, repara e suaviza intensamente.

 

image_2017-01-29_18-25-53.png.

A fórmula exclusiva do Stop frieiras foi desenvolvida com elevadas quantidades de princípios ativos de origem vegetal, que garantem uma pele cuidada e livre de frieiras e gretas: o Ginkgo biloba e a Escina juntamente com a Calendula, a Boswelia serrata, o gel de Aloé (15%), a Alantoína e o Bisabolol protegem a pele contra as agressões do frio e da humidade, evitam e diminuem o prurido/comichão e o mau estar provocados pelas frieiras; o lactato de metilo exerce um efeito refrescante diminuindo a sensação de ardor.

 

 

image_2017-01-29_18-35-03.png

Mantenha a sua pele hidratada durante todo o ano! No Inverno, apesar de tudo estar escondido, a pele ainda necessita de mais cuidados para se manter saudável, livre de frieiras, gretas e outros problemas característicos desta época do ano.

 

Se tem tendência a fazer frieiras, a toma de um suplemento com Gingko Biloba pode ajudar na prevenção do aparecimento dos sintomas. Os princípios activos desta planta dilatam as artérias, veias e capilares (propriedades vasodilatadoras), ajudando até a diminuir os sintomas de mãos e pés frios. De qualquer forma, antes de tomar qualquer suplemento, aconselhe-se com o médico ou com o farmacêutico porque, apesar de serem plantinhas, não podem ser tomados por toda a gente.

 

Boa semana!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:14

Labello: uma ideia simples para o Dia dos Namorados

por dicasdefarmaceutica, em 28.01.17

image_2017-01-26_21-26-29.jpeg

Vem aí fevereiro e mais um Dia dos Namorados. Neste dia, os presentes são sobretudo simbólicos mas, já agora, podem também ser úteis...

 

Que tal um miminho para os lábios? A pensar neste dia, a Labello, marca especialista em cuidado dos lábios, vai homenagear os apaixonados com uma edição limitada do batom Labello Original, com algumas mensagens de carinho: I love you, thank you e Smile!.

 

Trata-se de um presente que dá para Ele e para Ela e é muito apropriado nesta altura do ano, para trazer no bolso, na carteira ou mesmo para ter na mesinha de cabeceira para hidratar os lábios antes de dormir.

 

Labello Original, à base de Hydra IQ e Manteiga de Carité, mantém os lábios suaves, macios e naturalmente bonitos, à prova de qualquer beijo, no Dia dos Namorados.

 

Fica aqui esta ideia simples e barata, já à venda nas nossa farmácias e parafarmácias. Como é uma edição limitada, pode esgotar, por isso, trate já dos lábios do seu AMOR!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:18

Dicas para ir para a neve com saúde

por dicasdefarmaceutica, em 25.01.17

image_2017-01-25_07-44-03.jpeg

São muitos os adeptos da neve nesta altura do ano. Começam os preparativos para o mês de fevereiro, que enche as estâncias de ski de gente que numa semana, carrega baterias para mais uns meses de trabalho.

Apesar de serem atividades físicas ao ar livre e boas para a saúde, os desportos de neve não são isentos de risco, colocando à prova músculos e articulações, bem como os sistemas circulatório e respiratório.

 

Como sempre, a prevenção é a chave do sucesso, por isso, aqui ficam 10 dicas simples para prevenir os riscos associados aos desportos praticados na neve:

 

1 - Use roupa e calçado confortável e impermiável

Leve roupa apropriada para o frio e para a neve. Não facilite e agasalhe-se! Não se esqueça das extremidades (mãos, pés, nariz e orelhas). Muita atenção às crianças! Agasalhe-as dos pés à cabeça por baixo do material impermiável!

 

2 - Mantenha o equipamento em boas condições de manutenção

Quer utilize equipamento seu ou alugado, mantenha-o em boas condições, limpo e seco para o dia seguinte. Não se esqueça do capacete!

 

3 - Mantenha-se em forma ao longo do ano

O estar em forma evita lesões musculares e articulares, devido ao esforço e evita as temíveis quedas; melhora também a sua capacidade cardíaca e pulmonar. Quanto melhor a forma física, maior a resistência. "Mexa-se pela sua saúde" é o lema para estar em forma.

 

4 - Faça exercícios de aquecimento antes de iniciar a atividade física e alongamentos no final

Este pormenor pode prevenir as dores durante toda a semana e evitar as lesões. Se necessário, proteja as articulações com pulsos elásticos e joelheiras almofadadas.

 

5 - Faça uma alimentação rica em fontes de energia

A alimentação é a melhor forma de obtermos energia para compensar o desgaste físico, por isso, acrescente mais hidratos de carbono (massas, cereais) e proteínas (carne, peixe, ovos) à sua dieta.

 

6 - Beba muitos líquidos

O esforço físico aumenta a perda de líquidos, por isso, beba líquidos durante todo o dia, preferencialmente bebidas quentes pois, além de hidratarem, também ajudam a aquecer.

 

7 - Use protetor solar e óculos de sol

A radiação ultravioleta é mais intensa em altitude, além de que é refletida na neve, incidindo na pele e nos olhos. Coloque protetor solar em toda a pele exposta e renove ao longo do dia (de 2 em 2 horas). Não se esqueça das orelhas!

 

8 - Proteja os lábios 

Existem cremes e batons para os lábios, próprios para o frio e com proteção solar, que são indispensáveis para trazer no bolso do seu blusão de neve.

 

9 - Não pratique desportos de neve sozinho

Além do convívio ser uma das muitas razões que levam tanta gente para às estâncias de ski, é uma segurança praticar estes desportos sem se afastar muito do grupo.

 

10 - Peça ajuda ao seu farmacêutico antes de ir para a neve

A sua farmácia vai ajudá-lo a preparar o kit para a neve: protetor solar, creme de lábios, pulsos elásticos, joelheiras, suplementos alimentares, cremes para as articulações,etc..

Também convém não se esquecer de levar na mala, medicamentos para as dores, para a febre, gripe ou uma possível queda. Não se esqueça dos medicamentos para as crianças e também da medicação crónica dos mais idosos!

 

Vá e divirta-se!

image_2017-01-25_09-02-13.jpeg

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:01

image_2017-01-23_16-10-27.jpeg

 

Os números falam por si e dizem que 50% dos medicamentos não são corretamente usados pelos doentes. Isto agrava-se nos doentes polimedicados, pois a não adesão à terapêutica e, muitas vezes, o cansaço de uma terapêutica que se alonga no tempo, tornam a tarefa ainda mais difícil. 

 

De forma a alertar a população para este problema, surge agora uma nova campanha intitulada "Por vezes, mais é menos", que tem como principal objetivo alertar os doentes para a importância da medicação responsável, para a sua saúde e o seu bem-estar.

 

Esta campanha realça também o importante papel das farmácias e dos farmacêuticos na ajuda prestada aos doentes para que os medicamentos sejam tomados de forma correta. Nos doentes polimedicados, esta ajuda é fundamental, evitando muitos erros e, consequentemente, mais problemas de saúde.

"O farmacêutico, enquanto profissional de saúde de proximidade e confiança, possui competências para atuar na administração da medicação, na promoção da adesão à terapêutica e no uso correto dos medicamento". 

 

Abordar o problema da Polimedicação é muito importante, sobretudo nos idosos, pois são várias as consequência de uma administração simultânea de medicamentos, feita sem cuidado. Aqui falamos não só dos medicamentos receitados pelo médico, mas também de todos aqueles que são vendidos sem receita médica e das "mezinhas" várias, que podem interferir com a medicação.

Entre outros problemas, podemos falar do aumento da frequência das reacções adversas, do risco de quedas e de interacções medicamentosas.

Também a diminuição na adesão, decorrente de tomarem tantos medicamentos, é um dos possíveis efeitos do excesso de fármacos.

 

A campanha começou em mais de 1200 farmácias em todo o país e é da responsabilidade da Cooprofar (Cooperativa dos Proprietários de Farmácia).

 

Todos estamos conscientes da importância do problema abordado nesta campanha e todos sabemos que os farmacêuticos podem e devem funcionar como "gestores da medicação" dos seus utentes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:02

E agora, como é que vou dar de mamar ao meu bebé?

por dicasdefarmaceutica, em 23.01.17

image_2017-01-22_18-55-28.jpeg

 

Parece tarefa fácil, mas de fácil não tem nada. Quem não teve dúvidas ao ter que amamentar pela primeira vez o seu bebé? Deveria ser intuitivo, mas a mãe tem mesmo que aprender a amamentar e adaptar-se a este acto logo nos primeiros dias de vida do seu bebé.

Por não ser fácil, muitas mulheres que até tinham o sonho de amamentar os seus bebés, desistem desse "pesadelo" e recorrem logo aos chamados leites artificiais.

 

Está provado que o aleitamento materno é, sem dúvida, a melhor opção para alimentar o bebé durante os primeiros meses, porém, quando este aleitamento não é possível ou desejado, existem alternativas e a mulher nunca se deve culpabilizar por isso. É muito importante a qualidade de vida do bebé e da mãe nestes primeiros meses e o aleitamento materno não deve ser nunca uma causa de stress.

 

3 Dicas:

1 - Siga o que os profissionais de saúde a aconselham e não ligue muito aos vários comentários de todas as "sabichonas" que a rodeiam.

2 - Prepare o peito para a amamentação ainda durante a gestação e siga os cuidados aconselhados na maternidade.

3 - Procure amamentar o seu bebé num local tranquilo e numa posição confortável para ambos.

 

Para amamentar com toda a segurança, é importante saber quais as características do leite materno. Como está tudo muito bem feito, o corpo da mãe vai-se adaptando ao crescimento e às necessidades do bebé e o leite materno apresenta por isso, três fases diferentes:

- Colostro: é o primeiro leite que o peito segrega, entre o primeiro e o quinto dia após o parto. Tem um aspeto cremoso e amarelado e contém tudo o que o recém-nascido precisa nestes primeiros dias de vida (minerais, vitaminas, hidratos de carbono e muito mais proteínas do que o leite maduro). A presença de imunoglobulinas e glóbulos brancos presentes no colostro permitem proteger o bebé nestes primeiros dias até que o seu próprio sistema imunitário seja capaz de o fazer.

- Leite de Transição: por volta do quarto ou quinto dia após o parto, dá-se a chamada subida do leite. O peito enche-se antes de cada toma, e fica vazio depois desta. Ao fim de mais ou menos duas semanas, tudo se adapta e as diferenças entre peito cheio e vazio já não fazem tanta confusão à mãe, que nunca sabe bem se deve ou não tirar o leite, dar mais ou dar menos, enfim, como o nome indica, é mesmo um leite de transição e uma fase de transição para todos. Este leite já tem mais o aspeto do leite a que estamos habituados.

- Leite Maduro: está tudo adaptado e por volta da segunda ou terceira semana após o parto, vem o leite definitivo, dito maduro. Este é o alimento que o seu bebé vai necessitar para crescer com saúde durante os primeiros meses de vida. É um leite rico em gorduras (55 por cento), hidratos de carbono (37 por cento) e proteínas (8 por cento).

 

Em determinadas situações ou mesmo por opção, é mais aconselhável dar ao bebé o leite artificial. De momento, isto já não constitui um grande problema, pois as novas fórmulas destes leites possuem já um enorme equilíbrio nutricional, sendo muitas delas com uma composição muito semelhante ao leite materno.

 

Seja qual for a opção, é muito importante que o bebé tenha uma alimentação equilibrada nesta primeira etapa da sua vida, pois a ausência de algum nutriente, pode comprometer um crescimento e desenvolvimento saudável. Siga os conselhos do médico (pediatra) para escolher o leite que mais se adequa ao seu bebé!

 

Aproveite o momento a dois que tem com o seu bebé na hora do leitinho! Seja com o biberão ou com a mama, fale-lhe, sorria, transmita-lhe o seu carinho! 

 

image_2017-01-22_23-28-57.jpeg

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:07

Infarmed alerta para o uso exagerado de Omeprazol

por dicasdefarmaceutica, em 19.01.17

image_2017-01-18_18-13-34.jpeg

O Omeprazol já foi tema de conversa aqui no blog várias vezes.

Em 2014 referi que "A utilização prolongada de Omeprazol pode ser prejudicial."Também neste ano, um artigo na revista científica da Associação de Médicos Americanos (JAMA), falava da associação deste medicamento à carência de Vitamina B12 nos doentes que faziam um uso prolongado do mesmo.

Em Setembro de 2016, voltei ao tema com números, pois "O consumo de Omeprazol subiu 120% em dez anos". Também em 2016, a Associação de Médicos Americanos  publica na sua edição JAMA Neurology on-line, um estudo que relaciona a toma prolongada de Omeprazol com o risco de demência em doentes idosos.

 

Apesar dos alertas, a utilização prolongada deste fármaco, sem indicação médica (MNSRM - Medicamento Não Sujeito a Receita Médica) continua, e Portugal é campeão de vendas. Em 2016, os portugueses compraram mais de 2,1 milhões de embalagens de Omeprazol.

Na sequência destes números, o Infarmed vai lançar já no mês de fevereiro, uma campanha de sensibilização que alerta para o uso exagerado do Omeprazol e para os riscos da automedicação.

 

Este fármaco pertence à classe dos inibidores da bomba de protões e tem como indicação clínica a úlcera gástrica e a doença do refluxo gastro esofágico. O seu uso exagerado deve-se sobretudo à sua utilização para situações de azia ou enfartamento, quando existem alternativas no mercado para esse fim.

 

Contudo, e penso que é importante referir, o Omeprazol é um medicamento seguro quando prescrito pelo médico, pois este pode monitorizar o seu uso, ajustando doses, fazendo medição de alguns parâmetros (como por exemplo a Vitamina B12), enfim, personalizando a utilização do medicamento a cada doente, como deveria ser feito em todos os casos.

 

Se toma Omeprazol por indicação médica e tem dúvidas, fale com o médico para confirmar o uso prolongado deste medicamento. Por vezes, a sua utilização é limitada a um certo período de tempo e convém parar, quando tal se justificar.

Se tem por hábito tomar Omeprazol para se "sentir mais bem disposto" após uma almoçarada, convém rever este hábito e encontrar uma alternativa junto do seu médico ou do seu farmacêutico.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:45

 

image_2017-01-18_09-18-48.jpeg

Hoje dirijo este post a alguns leitores dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP). A Sociedade Portuguesa de Hipertensão (SPH) criou o Programa de Formação Especializada em Doenças Cardiovasculares para os Clínicos destes países, com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian (FCG), inserido no Programa Gulbenkian Parcerias para o Desenvolvimento.

 

Caso estejam interessados, podem enviar as  candidaturas à SPH até dia 27 de Janeiro. Este programa de formação visa proporcionar estágios de três meses a médicos e/ ou investigadores clínicos dos PALOP em instituições portuguesas reconhecidas na área cardiovascular.

“Os estágios podem vir a desenvolver-se em vários domínios, nomeadamente, através da Observação da prática clínica para adquirir conhecimento de diagnóstico precoce e tratamentos das doenças cardiovasculares, Hipertensão Arterial, Diabetes e demais fatores cardiovasculares; Observação de aspetos de Educação para a Saúde e Prevenção da Doença Cardiovascular; Desenvolvimento de projetos de investigação clínica em parceria com os centros clínicos portugueses anfitriões; entre outras”, como refere o Prof. José Mesquita Bastos, Presidente da SPH.

 

O Programa de Formação Especializada em Doença Cardiovascular dirigido a clínicos dos PALOP pretende dar resposta à maior prevalência de fatores de risco cardiovascular e maior incidência da doença cardio e cerebrovascular, nestes países. Por outro lado, pretende estabelecer laços mais fortes de cooperação e desenvolvimento entre centros clínicos portugueses e dos PALOP.

Segundo ­­­­Maria Hermínia Cabral, diretora do Programa Gulbenkian Parcerias para o Desenvolvimento, “o estabelecimento desta parceria vai permitir reforçar a qualificação dos profissionais de saúde dos PALOP numa das áreas clínicas emergentes nestes contextos, criando uma base futura entre clínicos e instituições dos PALOP e Portugal que permita uma resposta mais eficaz às novas necessidades das populações”.

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:31

Farmácias e Centros de Saúde unem-se para ajudar utentes

por dicasdefarmaceutica, em 17.01.17

image_2017-01-17_15-25-28.jpeg

Até escolhi esta imagem, talvez a primeira em que me inspirei quando comecei este blog, para ilustrar o post de hoje. E porquê? Porque só quando todas as especialidades que trabalham na área da saúde falarem a mesma linguagem e colaborarem entre si, é que teremos uma saúde melhor e uma melhor prevenção da doença.

 

Neste campo, hoje é um grande dia, pois foi assinado um protocolo inédito entre a Associação Nacional das USF (Unidades de Saúde Familiar) e a ANF (Associação Nacional das Farmácias).

O objetivo deste protocolo é promover a comunicação entre farmacêuticos, médicos e enfermeiros, de forma a prevenir doenças como a Diabetes e a Obesidade e também a trabalharem em conjunto para diminuir o consumo de determinados medicamentos. Falamos sobretudo de diminuir o consumo de benzodiazepinas (ansiolíticos) e de inibidores da bomba de protões (para a acidez gástrica).

Todos sabemos que, além dos pontos mencionados anteriormente, evitar a sobremedicação, deve ser uma prioridade de todos os que trabalham na área da saúde. A revisão da medicação de que falamos há tanto tempo, é muitas vezes deixada para segundo plano, pois esta só será bem feita quantos farmacêuticos e médicos das várias especialidades falarem a mesma linguagem.

 

Apesar deste protocolo ser assinado hoje, vai começar primeiro com a colaboração de algumas farmácias e centros de saúde em projetos piloto. Temos mesmo que ficar satisfeitos, pois é um grande início de ano para todos, mas sobretudo para os doentes, pois serão os grandes beneficiários deste protocolo.

 

Em Julho do ano passado falei AQUI do reconhecimento da importância dos farmacêuticos para a sustentabilidade do SNS (Serviço Nacional de Saúde). Parece que, finalmente, estamos no bom caminho...

 

image_2017-01-17_16-03-50.jpeg

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:02

Efeitos positivos das árvores na nossa saúde

por dicasdefarmaceutica, em 13.01.17

image_2017-01-13_13-55-09.jpeg

Hoje vou fazer este post para todos aqueles que, por um motivo ou por outro, se insurgem contra determinada árvore e resolvem abatê-la. É bom refletir sobre este assunto antes de tomar uma decisão drástica como esta de matar esta "fonte de saúde".

 

Estudos feitos em todo o mundo demonstram que as árvores têm efeitos positivos para a nossa saúde. Vamos a alguns exemplos:

 

1. Diminuem as doenças respiratórias

As árvores limpam e humidificam o ar, o que ajuda ao menor número de doenças respiratórias nas pessoas que vivem em zonas mais arborizadas. Quem não vive nessas zonas, terá que procurar jardins com muitas árvores para fazer os seus passeios.

Como todos aprendemos na escola, durante a fotossíntese, as árvores libertam oxigénio, tão importante para a saúde das nossas vias respiratórias e dos nossos pulmões.

 

2. Diminuem as doenças causados por poluentes ambientais

Sabia que uma árvore pode absorver até 1,4Kg de poluentes ambientais? Elas atuam como uma filtro natural para poluentes como o óxido de chumbo, o óxido de mercúrio ou o monóxido de carbono. O ar mais limpo é essencial para a nossa saúde.

 

3. Diminuem a incidência de cancro de pele

A sombra que as árvores promovem protege-nos dos raios solares, que podem provocar cancro de pele. Nas longas avenidas das cidades esta proteção é muito importante pois, sem ser no contexto de praia, muita gente esquece-se de colocar protetor solar.

 

4. Diminuem a depressão e o stress

Não é novidade que a natureza acalma e tranquiliza as pessoas. Quem vive em regiões mais próximas de espaços verdes e por isso com mais árvores, tem mais qualidade de vida, sofrendo menos de stress e depressão. Muitas vezes, faz parte da terapia e da "receita médica", um passeio diário perto de uma zona arborizada. 

 

5. Diminuem a dificuldade em adormecer

Isto é particularmente importante nos países mais quentes e no verão. Temperaturas muito elevadas provocam frequentemente um sono de pior qualidade e as árvores são essenciais para tornar o ambiente mais fresquinho.

 

6. As árvores diminuem os problemas auditivos

Falamos de problemas auditivos provocados pela poluição sonora, pois as árvores funcionam como "esponjas" que absorvem o barulho.

 

Estes são só alguns exemplos dos benefícios que as árvores podem ter para o nosso bem-estar e, consequentemente, para a nossa saúde. 

 

Uma curiosidade: existe uma prática no Japão, chamada "Shinrin-yoku", que quer dizer, "banho de florestas" e que tem como objetivo encorajar as pessoas a passarem mais tempo nas florestas para viverem melhor, com mais saúde. Várias zonas do mundo já seguem esta prática japonesa.

image_2017-01-13_17-09-33.jpeg

E agora um desafio: que tal plantarmos uma árvore em 2017 para "colhermos mais saúde no futuro?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:17

image_2017-01-11_16-03-11.jpeg

 

Parece ser normal estar constipado ou ter gripe (veja AQUI a diferença) nesta altura do ano, mas se os sintomas se agravam e nunca mais passam, convém estar alerta e não desvalorizar, pois pode tornar-se grave.

 

Por isso mesmo, com a chegada do pico da gripe, a Fundação Portuguesa do Pulmão, alertou para o risco agravado de pneumonia. O pneumococo é o responsável por aproximadamente 1.6 milhões de mortes por ano em todo o mundo e, apesar de não ser sazonal, gosta muito de aparecer nesta época do ano, "encostadinho" ao vírus da gripe.

 

A Pneumonia pode ser prevenida com a vacina antipneumocócica que, além da da gripe, deve ser sempre considerada, sobretudo nos grupos de maior risco (idosos e portadores de doenças crónicas). 

 

Muito importante é saber distinguir os sintomas de uma gripe dos de uma pneumonia, para não correr o risco de subvalorizar sintomas potencialmente graves. 

 

Sintomas da Pneumonia:

- Febre

- Calafrios

- Suores

- Tosse com expetoração

- Falta de ar

- Dor no peito quando se inspira fundo

- Vómitos

- Perda de apetite

- Dores no corpo

- Cansaço generalizado

 

Estes sintomas são os mais comuns mas, sobretudo nos idosos, aparecem com frequência sintomas diferentes, por exemplo, febre baixa e tosse seca, que podem ser sugestivos de outra doença e não de uma pneumonia, daí a importância de um diagnóstico correto e de não se começar a recorrer logo a alguns medicamentos que podem até ser prejudiciais, como os xaropes para a tosse, que tanta gente gosta de ter na mesa de cabeceira...

Não se automedique sem pedir ajuda ao seu farmacêutico, pois este pode ajudá-lo a perceber melhor os sintomas e a encaminhá-lo para o médico, se for caso disso.

 

Os quadros de pneumonia podem ser leves, permitindo tratamento com antibióticos por via oral em casa, ou graves, necessitando de internamento hospitalar e antibioterapia por via venosa. Cerca de 20% dos pacientes com pneumonia acabam por necessitar de tratamento no hospital, sobretudo as pessoas mais idosas.

 

Deste modo, perante uma suposta gripe que nunca mais se cura ou perante os sintomas que falei anteriormente, o melhor é procurar ajuda médica. 

De qualquer forma, já sabe, não vá a correr para o hospital. Ligue primeiro para linha Saúde 24 (808 24 24 24), que o encaminhará para o serviço de saúde mais adequado!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:53

Imagens

Algumas das imagens presentes no blog são retiradas da Web. Na impossibilidade de as creditar corretamente agradeço que, caso alguns dos autores não autorize a sua publicação, entre em contato, para que as mesmas sejam retiradas de imediato.

Termo de responsabilidade

A informação contida neste blog não substitui o aconselhamento médico ou farmacêutico. O objetivo do blog, é informar sobre vários assuntos ligados à saúde em geral, e à farmácia em particular. Os vários temas são abordados de uma forma não exaustiva, acessível ao público em geral.

Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Janeiro 2017

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Pesquisar

  Pesquisar no Blog