Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




image.png

A Liga Portuguesa Contra a Sida (LPCS) e o Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil, E.P.E (IPO de Lisboa) assinam acordo de cooperação que permite à LPCS a realização de rastreios ao Vírus do Papiloma Humano (HPV) na unidade móvel de rastreios da Liga.

 

A Liga Portuguesa Contra a Sida (LPCS) é uma Instituição Particular de Solidariedade Social fundada em 1990, com o objetivo de apoiar as pessoas infetadas e afetadas pelo VIH/SIDA, chamando a atenção da sociedade para a gravidade desta epidemia.

 

O seu plano de ação sempre foi mais centralizado na luta contra a SIDA, mas a preocupação com todas as outras doenças infecciosas, como as hepatites víricas, o vírus do Papiloma humano (VPH) e outras infecções sexualmente transmissíveis é tão ou mais importante nesta luta de prevenção, junto da população mais vulnerável. 

 

No âmbito das comemorações da "Semana Europeia de Prevenção do Cancro do Colo do Útero" foi assinado este  protocolo entre as duas entidades. Desta forma, a LPCS poderá fazer o despiste do HPV e de lesões pré malignas na população e encaminhar os resultados positivos para o IPO de Lisboa, para acompanhamento adequado.

 

Estes rastreios podem ser feitos na unidade móvel "Saúde mais Perto" da LPCS, de forma gratuita e confidencial.

image.jpeg

Atualmente, a "Saúde mais Perto" atua nos concelhos de Lisboa, Odivelas e Loures, funcionando em articulação com centros de saúde, hospitais, autarquias e outras associações.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:17

Enfarte entre os mais jovens

por dicasdefarmaceutica, em 27.01.16

image.jpeg

Quando falamos de enfarte agudo do miocárdio, associamos sempre a doença a pessoas mais velhas, mas esta atinge cada vez gente mais nova, muitas vezes na faixa dos 30 ou 40 anos.

 

São vários os factores que podem levar à doença mas, segundo os especialistas, o tabagismo, o stress e os maus hábitos alimentares, estão no topo da lista quando falamos em enfarte nas camadas mais jovens.

 

Só para rever, e porque nunca é demais lembrar, os principais factores de risco do enfarte agudo do miocárdio são:

- Tabagismo

- Hipertensão arterial

- Colesterol elevado

- Sedentarismo

- Obesidade

- Diabetes

- Stress

- História familiar

Quando se juntam dois ou mais factores, as probabilidade de vir a sofrer da doença, aumentam.

 

É importante também referir que, nos últimos anos, o melhoramento dos tratamentos, diminuiu a taxa de mortalidade.

Ter um enfarte aos 30 ou 40 anos tem sempre um impacto muito significativo a nível psicológico e físico, que se vai reflectir durante toda a vida, por isso, o melhor mesmo é prevenir. Além da mudança de hábitos, a visita regular ao médico também deve estar na lista de prioridades, para prevenir o enfarte do miocárdio.

 

Pense nesta notícia e comece já hoje a tratar do seu coração!

 

Como as App's estão na moda, fique com esta sugestão, apoiada pela Sociedade Portuguesa de Cardiologia:

"Prevenir é o melhor remédio" - "um jogo sobre medicina preventiva que lhe irá proporcionar conhecimentos que, se forem aplicados nas suas escolhas diárias, o farão viver de forma mais ativa, sentindo-se melhor e com mais saúde."
"Este jogo ajudá-lo-á, por exemplo, a evitar a fadiga crónica, a obesidade, os hábitos tabágicos, a falta de confiança, conduzindo-o a uma vida mais saudável, mais enérgica e estimulante."

Divirta-se!

image.jpeg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:12

image.jpeg

Ainda há poucos dias falei deste malvado mosquito (VER AQUI), apelidado de aedes aegypti, responsável pela transmissão do tão falado vírus ZIKA, que está a assumir proporções de epidemia em vários países da América do Sul, principalmente no Brasil.

Começa a ser assustador, pois no Brasil, estão a ser investigados 4000 casos de bebés suspeitos de terem microcefalia, associada ao ZIKA.

 

O mosquito transmissor está presente em todo o continente Americano, com exceção do Canadá e do Chile. As autoridades estão preocupadas e o centro norte-americano de Controlo e Prevenção de Doenças (DCD) emitiu um alerta, aconselhando as mulheres grávidas a evitarem viajar para o Brasil e outros países latino-americanos afetados pelo ZIKA.

 

Por seu lado, a Organização Mundial de Saúde (OMS) está em alerta devido à realização dos Jogos Olímpicos em Agosto, no Brasil. Os cuidados de prevenção já estão a ser tomados, mas podem não ser suficientes para travar a tempo esta epidemia, já instalada.

 

A OMS alerta ainda para a possível transmissão do ZIKA por via sexual, mas sobre isto ainda não há certezas...

 

Por cá, esperamos que o ZIKA "não goste" destas zonas...no entanto, todas as grávidas que visitem países onde o mosquito está presente, devem consultar o médico.

 

Por enquanto, não há vacina nem qualquer terapia antiviral para o ZIKA.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:14

Nova rede social para doentes oncológicos

por dicasdefarmaceutica, em 25.01.16

image.png

FalarSobreCancro.org é a nova rede social que nasceu para troca de informações e experiências entre doentes oncológicos.

Pretende-se que seja "um meio privilegiado de interação entre a comunidade oncológica", nomeadamente doentes, familiares, profissionais de saúde, investigadores e voluntários.

 

É de utilização livre e gratuita e para aceder à rede, basta fazer um registo no site falarsobrecancro.org

 

FalarSobreCancro.org apresenta ainda o “Boletim Clínico”, gerido pelo IPO-Porto e que integra conteúdos clínicos e científicos que só podem ser publicados por profissionais de saúde devidamente habilitados. Pretende-se que estes conteúdos tenham uma linguagem acessível a todos e que vão respondendo diariamente à questões que são colocadas, o que exige dos profissionais de saúde um enorme esforço.

 

Após o registo, pode colocar questões e partilhar experiências e pode dirigir-se especificamente a um dos grupos que fazem parte desta plataforma:

- Grupo cancro da mama

- Grupo cancro da próstata

- Grupo cancro do cólon

- Grupo cancro do pulmão

- Grupo cancro do recto

- Grupo linfomas

- Grupo medicinas alternativas

- Grupo mieloma múltiplo

- Grupo pessoas como colostomia

- Grupo vencer o cancro

 

O IPO-Porto e investigadores do Instituto Politécnico do Cávado e do Ave (IPCA), da Universidade do Minho e do INESC TEC são parceiros neste projeto, que pretende chegar a todos aqueles que, de alguma forma, estão ligados às doenças oncológicas.

 

Todos temos de nos congratular com iniciativas como esta, pois só com uma população cada vez mais esclarecida, poderemos evoluir a todos os níveis, tanto no que diz respeito à prevenção, como ao tratamento e controle das várias doenças. 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:20

Arroz Vermelho no combate ao Colesterol

por dicasdefarmaceutica, em 22.01.16

image.jpeg

A levedura de arroz vermelho é um arroz que foi fermentado com a levedura Monascus purpureus, adquirindo uma cor púrpura avermelhada. A levedura de arroz vermelho contém uma variedade de substâncias chamadas monacolinas, cada uma identificada com sua própria letra. No entanto, apenas a monacolina K é reconhecida pela sua capacidade de manter os níveis normais de colesterol no organismo.

 

Na Ásia, a levedura de arroz vermelho é comum na culinária e, em particular na China, há registos da sua utilização há milhares de anos, nomeadamente na medicina tradicional chinesa.

 

Com base nestas evidências, começaram a surgir vários suplementos de arroz vermelho no mercado, com o principal objetivo de ajudar a reduzir colesterol.

image.png

O mecanismo de acção deste suplemento está relacionado com a tal substância chamada monacolina K, que influencia a enzima HMG-CoA redutase envolvida na produção do colesterol pelo organismo. A monacolina K tem uma estrutura molecular semelhante à lovastatina, um medicamento da família das estatinas, muito utilizado para baixar os níveis de colesterol.

Cada comprimido de BioActivo Arroz Vermelho contém 10 mg de monacolina K, a dose diária necessária para se obter o efeito benéfico. Esta caixa dá para dois meses de tratamento.

 

Contudo, o recurso a suplementos alimentares à base da levedura de arroz vermelho, não dispensa a implementação de um estilo de vida saudável, nomeadamente a implementação daqueles hábitos que ouvimos falar todos os dias:

- Modificação nos hábitos alimentares, com a diminuição da ingestão de gorduras.

- Prática de exercício físico regular.

- Parar de fumar. 

Se juntar o suplemento de arroz vermelho a estes hábitos, vai de certeza baixar o seu colesterol e sentir-se melhor, prevenindo aquelas doenças que tanto nos apavoram, como as doenças cardiovasculares.

 

Tenha em atenção que a toma de suplementos deve ser sempre feita com a opinião do médico ou do farmacêutico, pois nem tudo o que é natural é benéfico para a sua saúde, em particular.

Neste caso específico, tenha em atenção a medicação crónica que está a fazer e se já está a fazer alguma estatina para baixar o colesterol, convém não iniciar este complemento sem ir a uma consulta de aconselhamento.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:31

Fases do ensaio clínico

por dicasdefarmaceutica, em 20.01.16

image.jpeg

 

Conforme prometido ontem (ver AQUI), vou voltar ao tema dos ensaios clínicos.

Ainda em relação à notícia do acidente mortal com o ensaio clínico da empresa farmacêutica Bial, o mesmo foi suspenso, por ordem da empresa, enquanto não forem apuradas as razões do sucedido.

 

Um novo medicamento é testado primeiro em laboratório e em estudos em animais. Após estes testes pré-clínicos, pode avançar para a experimentação clínica ou ensaio clínico.

 

Um ensaio clínico tem 4 fases:

Fase 1

É nesta fase que o medicamento em ensaio é administrado pela primeira vez em seres humanos. Esta fase foca-se sobretudo na segurança e tolerância do medicamento.

Começa-se por administrar doses baixas do medicamento a um pequeno número de participantes, normalmente pessoas saudáveis e voluntárias. Aos poucos, de forma a medir a resposta clínica, a dose é aumentada, sempre com a orientação e supervisão dos investigadores.

Nesta primeira fase, tudo é medido: a absorção do medicamento, o tempo que este fica na corrente sanguínea e qual a dose segura tolerável.

 

Fase 2

Nesta fase testa-se a eficácia do medicamento experimental no tratamento de uma doença ou condição médica. 

Aumenta o número de pessoas envolvidas no ensaio clínico e os participantes já são doentes com a doença que o novo medicamento pretende tratar.

Determinam-se na fase 2 as dosagens mais eficazes e também qual o método mais apropriado de administração: comprimidos, cápsulas, injecções, etc...

 

Fase 3

Nesta fase já estão envolvidos, normalmente, milhares de participantes, em vários locais e por todo o mundo.

Testam-se os resultados dos ensaios clínicos obtidos na fase 2.

Nesta fase, os ensaios são aleatórios e em dupla ocultação, ou seja, nem o investigador nem o participante sabem quem, no ensaio, está a tomar o medicamento experimental, um placebo ou um outro medicamento comparativo. Só desta forma se pode comparar o novo tratamento com o tratamento padrão já existente.

É da fase 3 que vão sair as bases para grande parte da informação que está descrita na bula dos medicamentos.

 

É entre a fase 3 e a fase 4 que é feito o registo junto da autoridade reguladora da saúde de um país, para obter aprovação para a sua comercialização. Se essa autorização for dada, o medicamento é comercializado e segue-se a fase 4.

 

Fase 4

Os ensaios clínicos da fase 4 são feitos após a aprovação regulamentar do medicamento. 

Estes ensaios envolvem normalmente milhares de indivíduos e podem decorrer durante anos, avaliando sempre os benefícios e riscos do medicamento e optimizando o seu uso.

Esta fase serve para avaliar os efeitos dos medicamentos a longo prazo.

 

É bom realçar mais uma vez que os ensaios clínicos são benéficos para os doentes e são indispensáveis na investigação.

Sem ensaios clínicos não há novos medicamentos. 

 

Se tiver curiosidade e quiser saber mais pormenores sobre o ensaio clínico da Bial, veja AQUI o artigo da Visão, que saíu hoje.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:16

O que são e para que servem os ensaios clínicos?

por dicasdefarmaceutica, em 19.01.16

image.jpeg 

Nos últimos dias tem-se falado muito de ensaios clínicos e por uma lamentável razão, a morte de um voluntário em França, que participava num ensaio clínico de um novo medicamento da empresa portuguesa Bial. Além desta vítima mortal, outros voluntários poderão ter danos neurológicos irreversíveis.

As notícias de hoje revelam que os outros cinco voluntários que estavam internados, melhoraram consideravelmente o seu estado de saúde e um deles até já teve alta.

Esta molécula da Bilal actua no sistema nervoso central  e já tinha sido testada em 108 voluntários saudáveis, sem notificações de qualquer reação adversa moderada ou grave. 

 

Este acontecimento tão trágico está a surpreender a comunidade científica no mundo inteiro. Casos de morte por toxicidade na fase em que o ensaio de encontra, são muito raros. Tudo é salvaguardado para que voluntários e doentes sigam todas as fases em segurança.

 

Entretanto, a ministra da saúde francesa referiu que os ensaios vão continuar e que a molécula da Bial continuará o seu processo de ensaio, até se apurar o que aconteceu de facto. É muito provável que o acidente seja atribuído a um erro humano e não ao ensaio propriamente dito. 

 

 O que são e para que servem estes ensaios clínicos?

"Os ensaios clínicos são utilizados para investigar novos procedimentos clínicos ou novos medicamentos destinados a identificar, prevenir ou tratar doenças. Os promotores são geralmente laboratórios farmacêuticos que devem controlar a eficácia e a segurança dos novos medicamentos no âmbito dos ensaios clínicos antes de obterem a autorização de introdução no mercado para esses medicamentos."

 

Os ensaios clínicos são essenciais para confirmar a segurança e eficácia de novos medicamentos, bem como para testar novas utilizações de medicamentos já comercializados. É bom realçarmos que os ensaios clínicos são benéficos para os doentes e são indispensáveis na investigação. Sem ensaios clínicos não há novos medicamentos. 

 


Um novo medicamento é testado primeiro em laboratório e em estudos em animais. Após estes testes pré-clínicos, pode avançar para a experimentação clínica. 

Claro que os riscos de passar o teste de animais para humanos são conhecidos e de difícil previsão, por isso a fase que se segue à fase pré-clínica é de longe a mais arriscada. 

É nesta fase 1 que se encontra o ensaio clínico da molécula da Bial; é a fase de verificação da toxicidade, mas sobre as várias fases dos ensaios clínicos, falarei no próximo post.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:53

Virus ZIKA chega a Portugal

por dicasdefarmaceutica, em 17.01.16

image.jpeg

Zika Vírus é uma infecção causada pelo vírus ZIKV, transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, o mesmo transmissor do dengue e da febre chikungunya.

 

O vírus ZIKV não é transmitido de pessoa para pessoa. O contágio dá-se através do  mosquito que, após picar alguém contaminado, pode transportar o ZIKV durante toda a sua vida, podendo transmitir a doença a quem não possuir anticorpos.

Recentemente, alguns cientistas chegaram à conclusão que a transmissão também pode ser perinatal ou sexual, apesar destes serem um número reduzido de casos. 

 

Os sintomas da doença começam de 3 a 12 dias após a picada do mosquito e são comuns a muitas outras doenças, daí o seu difícil diagnóstico:

- Febre baixa (entre 37,8 e 38,5 graus).
- Dor nas articulações, mais frequentemente nas articulações das mãos e dos pés, com possível inchaço.
- Dor muscular. 
- Dor de cabeça e atrás dos olhos.
- Erupções cutâneas, acompanhadas de comichão. Podem afetar o rosto, o tronco e alcançar os membros periféricos, como as mãos e os pés.

 

Sintomas mais raros:

- Dor abdominal.
- Diarreia.
- Constipação.
- Fotofobia e conjuntivite.
- Pequenas úlceras na mucosa oral.

 

Normalmente, trata-se de sintomas ligeiros, que evoluem favoravelmente. Foi o que aconteceu aos quatro casos detectados recentemente em Portugal, todos eles vindos do Brasil.

Segundo a DGS, tem que haver um cuidado especial com as grávidas, pois são consideradas como um grupo de risco para este vírus, visto que “há suspeitas (ainda não inteiramente comprovadas) que a doença possa provocar alterações fetais durante a gravidez, em particular microcefalia”.

 

Como se trata de um vírus que é transmitido aos seres humanos apenas pela picada de mosquitos infectados, a prevenção consiste em adoptar as seguintes medidas:

- Utilizar repelente contra insetos, inclusive na roupa. Reaplicar a cada seis horas ou de acordo com as instruções do fabricante. São considerados eficazes e seguros repelentes à base de DEET, icaridina e EBAAP ou IR3535.

- Usar roupas claras e de preferência com mangas e calças longas.

- Evitar a acumulação de água parada (em latas, copos de plástico, vasos de plantas, garrafas de água, etc...), evitando que a água da chuva se acumule em qualquer local.

- Instalar redes de proteção nas janelas e portas das residências.

- Utilizar redes mosquiteiras nas camas.

 

Até agora foram notificados casos de doença pelo vírus Zika em vários países: Brasil, Cabo Verde, Colômbia, El Salvador, Fiji, Guatemala, México, Nova Caledónia, Panamá, Paraguai, Porto Rico, Samoa, Ilhas Salomão, Suriname, Vanuatu, Venezuela, Martinica, Guiana Francesa e Honduras.

As autoridades de saúde aconselham as grávidas que tenham estado nestes países a consultarem o médico.

 

No Brasil estima-se que o ZIka virus já tenha infectado entre 440.000 e 1.300.000 pessoas, segundo um comunicado do Instituto Pasteur, que anunciou ter sequenciado o genoma deste vírus. 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:58

"O Nosso Médico" estreia amanhã na SIC notícias

por dicasdefarmaceutica, em 15.01.16

 

image.jpeg

Estreia amanhã na SIC notícias um novo programa que vai ao encontro de muitas questões sobre vários temas ligados à saúde. "O Nosso Médico" vai esclarecer e tirar dúvidas de temas como a hipertensão, o alto colesterol, a diabetes e tantos outros. A educação em termos de saúde é tão importante, que só temos que nos congratular com um programa destes.

 

Com um olhar cuidado e conduzido pelo rigor e conhecimento científico do médico internista Dr. José Carlos Almeida Nunes, “O Nosso Médico” vai ao encontro de diferentes histórias que ajudam a desmistificar as respetivas causas e consequências das mais diversas situações clínicas.

 

Vamo-nos preparar para ir à primeira "consulta" amanhã, logo às 9h30. Serão apenas 10 minutos, mas serão com toda a certeza, 10 minutos bem aproveitados. Eu vou estar na "primeira fila" a assistir.

 

O programa é produzido e realizado pala "I'M in Motion". A emissão será repetida domingo às 7h30 e às 11h30 e segunda feira às 15h45.

 

Bom fim-de-semana, com muita saúde!

 

image.jpeg

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:02

image.jpeg

Está para breve, talvez ainda durante o primeiro trimestre de 2016, a implementação da medida proposta pela Direção Geral da Saúde (DGS), no sentido de reduzir para metade a quantidade de açúcar das embalagens individuais servidas na restauração.

Pretende-se que dos atuais 8 gramas, passem a 4 ou mesmo a 3 gramas por saquinho.

A referida proposta pretende ainda que estes pacotes de açúcar sejam disponibilizadas aos clientes apenas quando estes o solicitarem, evitando assim um desperdício, que se prevê ser da ordem dos 40%.    

 

Ainda em novembro falei dos pré-diabéticos (ver AQUI). Nada melhor do que uma medida destas para proteger estes "pré-doentes" e tratar da saúde dos cidadãos.

 

Sabe-se que há uma relação estreita entre o consumo de açúcar e a Diabetes tipo 2 e que todos os anos aparecem 60.000 novos casos de Diabetes. Os números justificam a medida, pois segundo as recomendações, o consumo de açúcar por dia não deve ultrapassar as 6 colheres de chá, incluindo o das saquetas, o dos cereais do pequeno almoço, o dos sumos, enfim, todo o açúcar que consumimos. Se pensarmos que um refrigerante pode equivaler a 10 colheres de chá de açúcar, sabemos que esta medida não chega, mas é um bom começo...

 

As estatísticas atribuem ao nosso país uma das taxas de Diabetes mais elevadas da Europa. Todos temos que fazer um esforço, para bem da nossa saúde e da saúde das nossas crianças, para que estas estatísticas nos apresentem outra realidade.

Se é muito guloso e põe o pacotinho todo de açúcar no café, comece já hoje a habituar-se e a reduzir a dose.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:20

Imagens

Algumas das imagens presentes no blog são retiradas da Web. Na impossibilidade de as creditar corretamente agradeço que, caso alguns dos autores não autorize a sua publicação, entre em contato, para que as mesmas sejam retiradas de imediato.

Termo de responsabilidade

A informação contida neste blog não substitui o aconselhamento médico ou farmacêutico. O objetivo do blog, é informar sobre vários assuntos ligados à saúde em geral, e à farmácia em particular. Os vários temas são abordados de uma forma não exaustiva, acessível ao público em geral.

Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Janeiro 2016

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Pesquisar

  Pesquisar no Blog