Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Dia Mundial do Linfoma com bolas de sabão

por dicasdefarmaceutica, em 15.09.15

image.jpg

Celebra-se hoje o Dia Mundial do Linfoma, um tumor maligno que resulta do crescimento anormal de células do sistema linfático e é considerado uma das 10 principais causas de morte por cancro, na Europa.

 

A Associação Portuguesa Contra a Leucemia (APCL) desafiou os portugueses a lançarem bolas de sabão, sensibilizando assim a população para esta doença silenciosa, que afecta anualmente 1700 pessoas, em Portugal.

 

Um autocarro que percorreu as ruas de Lisboa com alguns famosos, distribuiu folhetos informativos e frascos de bolas de sabão. Esta iniciativa foi adiada no Norte, devido às condições meteorológicas.

 

Muito ilucidativo é este vídeo, que vos desafio a ver, da responsabilidade da empresa Roche:

 

 

publicado às 18:05

Uriage dá vida a quartos na maternidade do SAMS

por dicasdefarmaceutica, em 14.09.15

image.jpg

 

A Uriage aceitou o desafio do SAMS e, em parceria com a agência H2N e com as decoradoras Magda Alves Pereira e Lu Barradas, decorou 4 quartos da maternidade desta unidade de saúde.

 

Recém-mamãs e os seus bebés vão ter uma experiência ainda mais inesquecível nos dias desta aventura, que é ser mãe e ser bebé recém-nascido. Também os papás (que não devem ser esquecidos), vão poder acompanhá-los neste novo espaço pensado ao pormenor, para um maior conforto para a família. Deliciem-se com algumas imagens:

 

image.jpg

 

 

image.jpg

 

image.jpg

 

image.jpg

 

image.jpg

 

Além da decoração e do conforto, as recém-mamãs e os bebés, vão ter ao seu dispor os primeiros cuidados de bebé da Uriage e outros mimos e surpresas.

 

image.jpg

 

A Uriage faz parte das marcas líderes do mercado internacional de dermocosmética.

A linha de cuidados ultra-suaves e de elevada tolerância para bebés e crianças, são uma excelente escolha e estão à venda em quase todas as farmácias e parafarmácias.

 

image.jpg

 

publicado às 11:13

image.jpg

 

Arrancou esta semana uma campanha cujo objetivo é alertar o público para os perigos da compra de medicamentos pela internet, fora dos canais licenciados, e informar sobre as novas formas legais para a encomenda de medicamentos online.

 

A tendência de compras pela internet está em todos os ramos de atividade e a farmácia não é exceção, mas quando falamos de medicamentos, todos os cuidados são poucos, ainda mais sabendo que pelo menos 50% dos medicamentos comercializados na internet, são falsificados. 

Existe o problema de não serem eficazes, o que já é grave, mas pior ainda é que podem ser prejudiciais ou até fatais...

 

 Para se manter informado sobre este assunto, consulte o Fakeshare.

"Fakeshare é um projeto Europeu que trata da cooperação e informação contra a venda online de medicamentos falsificados ou ilegais, através de farmácias online não autorizadas ou outros revendedores. O seu objetivo é o desenvolvimento de ferramentas web por forma a facilitar a partilha de informação entre os Estados Membros e apoiar as atividades das Autoridades e Forças Policiais."

 

Veja também AQUI um post do blog "Dicas de FArmacêutica" sobre este assunto.

 

Quando se sentar em frente do computador para comprar um medicamento, concentre-se e siga todos os passos com calma. Lembre-se que o farmacêutico não está lá para o aconselhar e, se tiver dúvidas, não arrisque...DIRIJA-SE À FARMÁCIA!

publicado às 09:15

O que procuram os portugueses nas farmácias espanholas

por dicasdefarmaceutica, em 10.09.15

image.jpg

Já todos sabemos que as farmácias espanholas "encostadas" à fronteira têm visitas frequentes de portugueses à procura de alguns produtos.

Por vezes, parecem excursões a entrar nas farmácias e a saírem de lá com três ou quatro caixas de um único produto, normalmente, para as dores ou para a pedra no rim. Estes são, sem dúvida os mais procurados e destinam-se quase exclusivamente aos idosos portugueses.

 

Muitos espanhóis nem nunca ouviram falar nestes nomes. E os líderes de vendas para os portugueses são:

image.jpg

E digo-vos mais, pelo menos o xarope Resolutivo e o spray Reflex já os vi nas prateleiras de algumas casas...

 

Trata-se de produtos que não existem em Portugal e que, ao longo dos anos, foram ganhando fama e aliviando os males de muita gente.

 

Mais recente e agora muito vendido a portugueses, é o genérico do Daflon, cujo nome é Diosmina.

O Daflon não é comparticipado e atingiu um preço (cerca de 20€) que nem toda a gente tem possibilidade de comprar. Trata-se de um venotrópico muito recomendado pelos médicos e os nossos vizinhos espanhóis já têm o genérico, que é substancialmente mais barato (7,48€) e ainda não chegou a Portugal.

 

E foi esta a curiosidade de hoje: o que os portugueses vão comprar às farmácias espanholas.

publicado às 18:10

Dia Nacional da Natalidade

por dicasdefarmaceutica, em 09.09.15

image.jpg

Comemora-se hoje o Dia Nacional da Natalidade e podemos começar pelas boas notícias: pela primeira vez em quatro anos, Portugal regista um aumento da Natalidade. Nasceram mais 1500 bebés nos primeiros sete meses de 2015, em relação ao período homólogo do ano passado.

 

Vou aproveitar este dia para falar da instituição que mais contribuiu para que ele existisse. Trata-se de "Barrigas de Amor, uma iniciativa que nasceu da convicção de que é necessário colocar o tema da Natalidade na agenda, apostar em formação para a parentalidade e homenagear a família".

Convido-os a visitar AQUI o respectivo site.

image.jpg

 

Dou-vos também a conhecer um espaço que gosto muito, da responsabilidade da minha amiga Joana Freitas, chamado D' Barriga, que "é a âncora que todos os que querem constituir família procuram". Este espaço nasceu da necessidade de responder a todos os "porquês" que a Joana fez na altura de ser Mãe.

Visitem AQUI o site D' Barriga e deliciem-se com as novidades...

image.jpg

E agora, aproveitem esta pausa e leiam um artigo que saíu no jornal "Sol", com o tema "Natalidade na ordem do dia", da responsabilidade da Professora Lina Lopes:

 

 

"Em Portugal, o Índice Sintético de Fecundidade (ISF) desceu em 2013 para um valor alarmante de 1,21. Esta medida, que regista o número médio de nados vivos por mulher em idade fértil, encontra-se muito abaixo do referencial de 2,1 que permite a renovação de gerações.

 

Para perceber quão preocupante é aquele valor, notemos que a projecção mais pessimista do INE sobre a evolução da população, que aponta para apenas 6,3 milhões de pessoas no ano 2060, parte de um ISF mais optimista (1,3) do que o verificado em 2013. Quer dizer que, se nada fizermos, em menos de 50 anos podemos perder mais de 40% da população. Será possível?

 

Se estamos, e bem, preocupados com a competitividade da economia e com a sustentabilidade do Estado Social, devíamos estar ainda mais preocupados com a demografia. E a propósito deste assunto, existem na Europa casos de sucesso que nos podem servir de referência. Vários estados europeus gozam de um ISF de 2,1 ou próximo desse valor. Valor que, dada a desertificação de extensos territórios do país, deveria ser para nós apenas um mínimo a alcançar.

 

Duas observações emergem ao considerar estes casos. Por um lado, a natalidade não é uma questão de dinheiro nem de moralismos redutores e, por outro, a natalidade está intimamente relacionada com a organização do mercado de trabalho. Não é por acaso que os estudos sobre felicidade no mundo do trabalho dizem que existem muitas formas de nos sentirmos felizes para além do dinheiro: ambiente no trabalho, apoio à formação, segurança, conciliação do trabalho com a vida familiar.

 

No centro da natalidade está a mulher em idade fértil, a futura mãe, esteja ela no seio de uma família ou não. Assim, o financiamento pontual das famílias ou a associação da natalidade a um determinado tipo de família não solucionam o problema. Trata-se de um problema que não é conjuntural, mas que esbarra em custos e circunstâncias persistentes do contexto social e laboral.

 

Em conclusão, as mulheres têm de sentir-se confiantes e livres para terem filhos. Para tal têm de ser apoiadas de forma estrutural e não apenas em determinado momento ou durante um curto intervalo de tempo. Decisões eficazes neste domínio terão de resultar de consensos que abranjam tanto o sistema fiscal como a relação entre o mercado de trabalho, a vida familiar e particular das pessoas que têm crianças a seu cargo.

 

O problema da natalidade está na ordem do dia. Não o podemos ignorar."

 

 

publicado às 17:35

image.jpg

Arranca hoje nas Farmácias Portuguesas mais uma Campanha de Reciclagem de Radiografias.

 

Esta campanha é da responsabilidade sa AMI e realiza-se anualmente, desde 1996.

 

Se tem em casa radiografias com mais de 5 anos ou que já não tenham qualquer valor de diagnóstico, entregue-as na farmácia, sem relatórios, envelopes ou folhas de papel.

Estas serão depositadas em sacos próprios, disponibilizados pela AMI a todas as farmácias.

image.jpg

Esta campanha decorre até ao dia 29 de Setembro.

 

Cada tonelada de radiografias dá origem a cerca de 10 Kg de prata e é a venda dessa prata que vai gerar dinheiro para ajudar a AMI nas suas tão conhecidas causas.

 

Deste modo, e para que não se esqueça, colabore nesta campanha por dois motivos:

1 - Para que o volume de prata recolhido seja o maior possível e possa ser transformado em dinheiro, para ajudar a AMI.

2 - Para que o material das radiografias seja reciclado, pois quando atirado para o lixo, é poluente.

publicado às 15:32

image.jpg

Foi hoje lançado o projeto "Não à Diabetes", uma iniciativa da Fundação Calouste Gulbenkian, com o apoio de muitas Associações e empresas de Indústria Farmacêutica (Anexo 1).

 

Num país que tem das mais altas taxas de prevalência de Diabetes a nível mundial, era urgente agir na prevenção e diagnóstico desta doença.

O projeto está lançado e tem "pernas para andar", avançando já, numa primeira fase, em 15 munícipios:

 

image.jpg

 

No nosso país, os números falam por si:

13% - é a taxa de prevalência de Diabetes na população portuguesa dos 20 aos 79 anos

44% - é a percentagem de casos por diagnosticar

3,1 milhões - é o total de pessoas com Diabetes ou em situação de pré-diabetes

4545 - é o número de mortes causadas por Diabetes em 2013

 

Este mega projeto tem dois grandes objetivos:

1 - Evitar que 50.000 pré-diabéticos desenvolvam a doença nos próximos 5 anos.

2 - Identificar 50.000 diabéticos nos próximos 5 anos.

 

Como vai decorrer o projeto "Não à Diabetes"? Decorrerá em 3 fases:

Fase 1 - Começará por ser feito (nas farmácias, nesta primeira fase), um questionário de risco à população (FINDRISG - "Finnish Diabetes Risk Score")image.jpg

Fase 2 - Consoante os resultados do teste, os possíveis pré-diabéticos serão encaminhados para consulta com os médicos de família.

 

Fase 3 - Nesta fase, serão convidados a frequentar sessões de formação sobre hábitos saudáveis (nos centros de saúde), promovendo a mudança de estilos de vida.

 

Só será possível a implementação deste projeto se a articulação entre entidades promotoras, centros de saúde e médicos de família não falhar. Já há muita gente envolvida e muitos profissionais de saúde a terem formação para que tudo corra como o previsto.

Além dos benefícios óbvios para a saúde da população portuguesa, também é conveniente salientar que a implementação do projeto "Não à Diabetes" pode poupar 45 milhões de euros por ano ao Estado português.

 

Anexo 1:

Associação Nacional de Municípios Portugueses

Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal

Associação Nacional de Farmácias

Sociedade Portuguesa de Diabetologia

Merck Sharp & Dohme

Novartis

Fundação AstraZeneca

publicado às 23:37

Aspirina pode ajudar na luta contra o cancro

por dicasdefarmaceutica, em 05.09.15

image.jpg

 

A "velhinha" Aspirina de que já vos falei AQUI no blog, continua a "dar cartas" e prevê-se que venha a ajudar no tratamento do cancro.

 

Um estudo recente publicado na revista "Cell" refere que dar aspirina a pacientes com cancro, em simultâneo com imunoterapia, pode aumentar significativamente a eficácia do tratamento.

 

"Os resultados de uma série de ensaios clínicos de imunoterapia mostraram que em seres humanos verifica-se um controlo imunológico do cancro, mas que, em muitos casos, é bloqueado pelo próprio cancro. Com o objetivo de explorar os mecanismos responsáveis por esse bloqueio, os investigadores produziram culturas de células tumorais com células do sistema imunitário, nomeadamente células dentríticas e macrófagos, importantes para iniciar a resposta das células T, que normalmente destroem o tumor. O estudo foi feito usando o rato como modelo, células de cancro da pele, mama e de intestino e imunoterapia anti-PD-1".

 

O cientista português Caetano Reis e Sousa é um dos responsáveis deste estudo e sublinhou:

“Verificámos que havia uma inibição dessas células imunitárias pelas células tumorais, o que nos levou a descobrir que essas células tumorais segregavam prostaglandina E2 (PGE2) que tinha esse efeito. A partir daí mostrámos que, se a pessoa, por vias genéticas ou farmacológicas, inibir a produção de PGE2 pelas células tutorias leva a um controlo imunológico. Uma das drogas que pode ser usada para bloquear a produção da PGE2 é a aspirina, assim como outros inibidores das cicloxigenases, que são as enzimas que levam a essa produção."

 

O uso da Aspirina poderá ser uma maneira de aumentar a potência destas novas drogas,  diminuindo os efeitos secundários das mesmas.

 

Contudo, convém referir que tudo isto ainda está em investigação e que ninguém deve tomar Aspirina com base nestes resultados.

A Aspirina tem muitos efeitos secundários e por isso mesmo, nunca deve ser administrada sem o conselho médico, sobretudo em doentes com doenças como o cancro.

publicado às 13:36

image.jpg

Já em Novembro de 2014, ouvimos falar desta bactéria, devido a um surto em Vila Franca de Xira, que infectou 375 pessoas, 12 das quais não resistiram e acabaram por morrer.

 

A DGS alerta para a presença da bactéria "Legionella" na região do grande Porto, apesar do número de casos em nada se comparar com o que aconteceu em Vila Franca de Xira. Foram notificadas 12 pessoas infectadas, um número superior ao habitual, mas ainda não preocupante...

 

As investigações estão a decorrer e espera-se que, dentro de pouco tempo, se consiga chegar a alguma conclusão sobre a origem destes casos.

 

"As bactérias do género Legionella encontram-se em ambientes aquáticos naturais e também em sistemas artificiais, como redes de abastecimento/distribuição de água, redes prediais de água quente e água fria, ar condicionado e sistemas de arrefecimento (torres de refrigeração, condensadores evaporativos e humidificadores) existentes em edifícios, nomeadamente em hotéis, termas, centros comerciais e hospitais. Surgem ainda em fontes ornamentais e tanques recreativos, como por exemplo jacuzzis."

 

Deixo-vos aqui um quadro da DGS, que faz um resumo do surto desta bactéria:

image.jpg

 

publicado às 17:41

Uso contínuo de Antibióticos pode causar Diabetes tipo 2

por dicasdefarmaceutica, em 02.09.15

image.jpg

 

Já em Março deste ano tinha sido publicado um artigo (VER AQUI), que referia que o uso contínuo de antibióticos podia aumentar o risco de Diabetes tipo 2.

 

Mais recentemente, foi publicado no "Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism" outro estudo, que sublinha a probabilidade desta correlação.

Neste estudo, os investigadores constataram que as pessoas que desenvolveram Diabetes tipo 2, tomaram mais antibióticos do que as pessoas que não desenvolveram a doença.

 

Será que o uso dos antibióticos aumenta mesmo o risco de Diabetes tipo 2 ou será que as pessoas, anos antes de serem diagnosticadas com esta doença, são mais vulneráveis a infeções e por isso tomaram mais antibióticos?

Parece-me que esta segunda hipótese será a verdadeira causa, mas os estudos ainda não são conclusivos...

 

Uma coisa é certa, todos sabemos que o uso contínuo de antibióticos causa efeitos a longo prazo e que a prescrição dos mesmos deve ser da exclusiva responsabilidade dos médicos.

Será que estes medicamentos que curam tantas doenças, também são responsáveis pelo desenvolvimento do temível Diabetes tipo 2, que atinge mais de 1 milhão de portugueses? 

Aqui temos mais uma razão para racionalizar o uso dos antibióticos e reservá-los para quando o seu uso é mesmo indispensável.

publicado às 18:17

Imagens

Algumas das imagens presentes no blog são retiradas da Web. Na impossibilidade de as creditar corretamente agradeço que, caso alguns dos autores não autorize a sua publicação, entre em contato, para que as mesmas sejam retiradas de imediato.

Termo de responsabilidade

A informação contida neste blog não substitui o aconselhamento médico ou farmacêutico. O objetivo do blog, é informar sobre vários assuntos ligados à saúde em geral, e à farmácia em particular. Os vários temas são abordados de uma forma não exaustiva, acessível ao público em geral.

Pág. 2/2



Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Setembro 2015

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930

Pesquisar

  Pesquisar no Blog