Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




O "Testamento Vital" ou "Diretiva antecipada de vontade" é um documento, cujo objetivo é deixar expressa a vontade em relação aos cuidados de saúde que se quer ou não receber, em fim de vida, caso se esteja impossibilitado de expressar de forma autónoma. Isto aplica-se em situações clínicas que os médicos considerem irreversíveis ou terminais.

 

A partir de amanhã, vai ser possível registar um testamento vital em 50 balcões do Serviço Nacional de Saúde (SNS) criados para esse efeito.

Dois anos após a legalização deste instrumento, qualquer pessoa pode deixar escrito, com força legal e de forma gratuita, como quer ser tratado nos últimos dias da sua vida.

 

Vai passar a existir uma plataforma informática a que os médicos podem aceder para conhecer a vontade dos doentes.

 

Os utentes devem procurar aconselhamento, caso desejem fazer o referido documento. Médicos de família e vários profissionais do sector estão a ter formação para poderem prestar as devidas informações.

 

Trata-se de um assunto demasiado sério e as opiniões divergem mas, como dizia um amigo: "será correto manter a vida biológica humana a todo o custo, por tempo às vezes demasiado longo, quando é a mão humana a impedir o que a natureza já teria decidido há muito?" Quem somos nós para julgar familiares e amigos, cuja tendência é querer sempre fazer mais? Mas, na realidade, e é disso que se trata, a opinião do doente perante a realidade, pode ser diferente.

 

Se há pessoas que nem querem falar neste assunto, outros querem pensar em como vão ser os últimos tempos de vida, sobretudo quando lhes é diagnosticada alguma doença fatal e incurável. Neste caso, antecipar o futuro, não deixando essa difícil tarefa para os familiares mais próximos, não é nenhum testamento de morte...

 

Saiba AQUI mais informações.

 

Faça AQUI o download da diretiva antecipada de vontade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:42

Está Grávida? Duas aplicações (Apps) indispensáveis

por dicasdefarmaceutica, em 28.06.14

Toda a grávida sente necessidade de muita informação sobre a sua "barriguinha", sobretudo quando se trata do primeiro bebé. Felizmente, já existem aplicações gratuitas para as futuras mamãs seguirem, durante os noves meses.

Consultei várias, mas duas pareceram-me de bastante qualidade, são em português e ambas foram desenvolvidas a partir de conteúdos certificados por médicos especialistas e outros profissionais de saúde.

 

App "A MINHA BARRIGA"

Esta aplicação Barral é dedicada à futura mamã, dando-lhe todas as informações importantes sobre o desenvolvimento do bebé durante as 40 semanas de gestação.

Dá também conselhos diários de saúde e bem-estar para a grávida.

"A minha barriga" permite à futura mamã fazer uma gestão das suas consultas e exames, de modo a nada falhar durante este tempo.

Dá também muitas dicas importantes, como a lista de tudo aquilo que é necessário levar para a maternidade, de modo a ter tudo pronto quando chegar a hora do parto.

Nesta aplicação, achei piada poder fazer-se um registo fotográfico do desenvolvimento da barriga da grávida.

 

Esta aplicação está disponível para IOS e Android. É compatível com iPhone, iPad e IPod touch.

 

App "A MINHA GRAVIDEZ"

A Bial lançou este mês esta aplicação gratuita de grande qualidade.

Na "minha gravidez", a futura mãe pode fazer um acompanhamento personalizado da sua gravidez, acompanhando mês a mês, a evolução e crescimento do bebé.

O sistema de dicas diárias permite à grávida acompanhar as alterações do seu corpo e tirar muitas dúvidas, que não cessam de aparecer durante estes nove meses.

Também achei muito útil o sistema de lembretes diários para a toma de medicação e para a marcação de exames e consultas.

A concepção desta aplicação reuniu médicos, enfermeiros, psicólogos e outros profissionais de saúde, com o objetivo de dar à grávida mais uma ferramenta para acompanhamento da sua gravidez com toda a segurança.

 

Esta aplicação está disponível para IOS e Android. A versão computador está disponível no site www.novemeses.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:23

Utilização prolongada de Omeprazol pode ser prejudicial

por dicasdefarmaceutica, em 27.06.14

Segundo a bula do medicamento, o Omeprazol "é utilizado para o tratamento de curta duração em adultos, da azia, perturbações da digestão, enfartamento, indigestão ácida e hiperacidez ou prevenção destes sintomas quando associados ao consumo de alimentos e bebidas". Diz ainda que "o tratamento não deverá ultrapassar as duas semanas"...

Este medicamento é muito utilizado para o tratamento da úlcera gástrica e da doença do refluxo gastro-esofágico.

 

O que se passa é que, este "é um medicamento seguro, mas está a ser sobreutilizado", palavras do gastroenterologista Hermano Gouveia, dirigente da Sociedade Portuguesa de Gastroenterologia (SPG). Em 2013, os portugueses consumiram quase três milhões de unidades de omeprazol.

Muitas pessoas estão a utilizar o Omeprazol como protetor gástrico, por exemplo quando estão a tomar outros fármacos e, na grande maioria das vezes é desnecessário, pois nem todos os medicamentos são lesivos para a mucosa do estômago.

 

Riscos associados à toma prolongada de Omeprazol:

 

1 - Pode reduzir a absorção de Vitamina B12 (cianocabalamina) que tem um importante papel na formação de novas células.

 

2 - Pode provocar ou agravar a deficiência de Magnésio, um dos mais importantes minerais do nosso organismo.

 

3 - Pode originar um aumento de infeções gastrointestinais.

 

Em conclusão, o Omeprazol pode e deve ser utilizado, mas deve ser prescrito pelo médico após avaliação clínica. As doses mais baixas, que podem ser vendidas sem receita médica, não estão isentas de risco; devem ser aconselhadas pelo farmacêutico e respeitar rigorosamente o tempo máximo de tratamento inscrito na bula do medicamento (normalmente duas semanas).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:00

Consulta do Viajante - 4 semanas antes das férias

por dicasdefarmaceutica, em 26.06.14

É tempo de pensar em viajar...falta pouco para os aeroportos começarem a encher-se de gente desejosa de novas aventuras.

Com o entusiasmo, nem sempre nos lembramos que viajar para determinados países, requer alguma preparação, nomeadamente relativamente à saúde. Quem pretende viajar para fora da Europa, deve dirigir-se a uma consulta de saúde do viajante.

 

Esta consulta é feita por médicos especialistas em doenças infecciosas e deve ser feita quatro semanas antes da viagem.

A consulta é importante, sobretudo, para informar medidas preventivas antes, durante e após a viagem, de modo a prevenir situações de risco.

 

Para que serve a consulta de saúde do viajante?

 

1 - Serve para avaliar a saúde do viajante antes da viagem, nomeadamente grávidas, crianças, idosos e doentes crónicos com medicação.

 

2 - Serve para informar sobre a assistência médica e segurança no país do destino.

 

3 - Serve para informar sobre os cuidados a ter no pais do destino, nomeadamente, ao nível da alimentação e higiene.

Alguns cuidados básicos:

- Dar preferência aos alimentos cozinhados.

- Comer fruta descascada.

- Comer os alimentos imediatamente após a confecção.

- Beber água engarrafada. Se tal não for possível, ferver a água ou utilizar desinfetante.

 

4 - Serve para aconselhar a "farmácia" que o viajante deve levar.

 

5 - Serve para administrar vacinas e passar o respetivo certificado internacional.

 

"O Regulamento Sanitário Internacional em vigor estipula que a única vacina que poderá ser exigida aos viajantes na travessia das fronteiras é a vacina contra a febre amarela. Nesse sentido, os Centros de Vacinação Internacional devem administrar a vacina contra a febre amarela a todos os utentes que a eles se dirijam, desde que portadores de prescrição médica.

No entanto, alguns países não autorizam a entrada no seu território sem o comprovativo de vacinação contra outras doenças. É o que acontece com a vacina contra a doença meningocócica, imposta pela Arábia Saudita aos peregrinos que se dirigem a Meca. A Arábia Saudita exige ainda, como outros países, a vacina contra a poliomielite, a quem é proveniente de um dos quatro países onde o vírus é endémico (Afeganistão, Nigéria, Paquistão e Índia)."

Depende sempre para onde pretende viajar, mas as vacinas mais pedidas são contra as seguintes doenças: cólera, difteria, hepatite A, hepatite B, gripe, raiva, tétano e febre tifóide.

 

6 - Serve para prestar assistência médica após o regresso.

 

Como "mais vale prevenir do que remediar", se vai viajar para um país "diferente"da Europa, informe-se e, se necessário, vá a uma consulta de saúde do viajante. Veja aqui os locais das consultas.

 

BOA VIAGEM!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:42

Aplicações (Apps) úteis - "Poupe na Receita"

por dicasdefarmaceutica, em 25.06.14

Existem já muitas aplicações na área da saúde, mas na prática, são poucas as que utilizamos no nosso dia a dia. A aplicação "Poupe na Receita" pode revelar-se muito útil, sobretudo para os doentes crónicos.

O Infarmed, Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, disponibiliza desde Janeiro a Aplicação gratuita "Poupe na Receita", que ajuda a poupar na compra de medicamentos.

A identificação de um determinado medicamento pode ser realizada pela leitura do código de barras disponível na embalagem do medicamento ou na receita médica, recorrendo à câmara fotográfica do telemóvel, ou através da pesquisa do nome do medicamento.
Simples de utilizar, a aplicação permite aceder ao preço dos medicamentos, facilitando a identificação das opções menos dispendiosas, bem como a visualização do folheto informativo do mesmo.

O utilizador pode ainda criar o seu plano de tomas com um sistema de alertas, consultar as novidades sobre medicamentos e produtos de saúde e localizar as farmácias mais próximas.

Aplicação disponível para iPhone, iPad e Android.

Só um alerta: pode acontecer que a farmácia não disponibilize de imediato a opção mais económica apresentada na aplicação, pois é impossível terem todos os medicamentos em stock.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:59

Um em cada cinco portugueses tem Anemia

por dicasdefarmaceutica, em 24.06.14

A Associação Portuguesa para o estudo da Anemia realizou o primeiro estudo epidemiológico feito em Portugal sobre a anemia.

De acordo com este estudo, um em cada cinco portugueses tem anemia; revelou ainda que 84% das pessoas com anemia desconhecem que têm este problema.

Todos já ouviram falar de anemia, mas trata-se de uma doença que tende a ser banalizada, o que pode levar a consequências graves. O cansaço é o principal sintoma. Na realidade, há sempre um motivo para justificar o cansaço e quase nunca se admite a hipótese de ter anemia.

 

PRINCIPAIS SINTOMAS:

- Fadiga generalizada.

- Falta de apetite.

- Palidez da pele e mucosas (parte interna do olho e gengivas).

- Apatia e alteração de humor.

- Falta de memória e de capacidade para pensar.

- Queda de cabelo e unhas frágeis.

 

O grande problema é que, muitas vezes, quando aparecem os sintomas, já a anemia está num estado avançado.

É crucial o médico detetar a anemia num estado precoce. Para tal, as análises de rotina revelam-se de particular importância, pois níveis baixos de Hemoglobina (parâmetro pedido nas análises de rotina), indicam anemia.

A anemia ocorre quando existe uma diminuição de glóbulos vermelhos e por conseguinte, "o oxigénio não é transportado até aos tecidos nas melhores condições". As anemias podem ser causadas por deficiência de vários nutrientes, como o Ferro, o Zinco, a Vitamina B12 e Proteínas; a grande maioria das anemias são devidas à falta de Ferro.

As anemias podem também surgir no contexto de outras patologias (neoplasias, doenças crónicas, etc).

 

As anemias revelam-se de particular importância nas crianças e nas grávidas.

 

Uma Dica importante:

PEÇA ANÁLISES DE ROTINA AO SEU MÉDICO, antes que apareçam os primeiros sintomas. Grande parte das anemias, nomeadamente as mais frequentes (ferropénicas) já podem ser tratadas com bons resultados.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:05

Leis radicais do tabaco

por dicasdefarmaceutica, em 23.06.14

Li hoje duas notícias sobre as novas leis do tabaco, melhor dizendo, sobre a perspectiva de duas novas leis, uma em Inglaterra e outra da Organização Mundial de Saúde (OMS).

 

Em 2011, os britânicos aprovaram a lei que proíbe fumar em carros que estejam a transportar crianças, o que eu concordo em absoluto; deveria ser uma lei a aplicar em todo o mundo.

 

Amanhã a "British Medical Association" irá votar uma moção que quer proibir a venda de tabaco a todos aqueles que nasceram depois do ano 2000. O objetivo desta lei, e deste grupo de médicos britânicos, é que a geração do século XXI não sofra os milhões de mortes provocados pelo tabaco, que a geração anterior sofreu.

 

Por outro lado, a OMS defendeu hoje o aumento dos impostos sobre o tabaco, estimando que aumentá-los em 50%, permitiria reduzir o número de fumadores em 49 milhões e salvar 11 milhões de vidas em três anos.

A OMS argumenta que os preços elevados são eficazes para desencorajar toda a gente a deixar de fumar, mais particularmente os jovens que, de um modo geral, têm menos recursos do que os adultos.

 

Parece muito radical tudo isto mas, na realidade, se nada for feito, as perspectivas são de que o tabaco vai matar mais de 8 milhões de pessoas por ano, até 2030.

 

Vamos ficar a aguardar o desenvolvimento destas notícias...e não fique a aguardar que as leis mandem nos seus hábitos:

DEIXE DE FUMAR!

VAI SENTIR-SE MUITO MELHOR! COM O DINHEIRO QUE POUPAR, FAÇA UM MEALHEIRO E VÁ DE FÉRIAS!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:19

10 Dicas para a higiene íntima feminina

por dicasdefarmaceutica, em 21.06.14

Este é um assunto que suscita constantemente dúvidas nalgumas mulheres.

É fundamental conhecermos bem o nosso corpo, para que possamos fazer uma higiene íntima isenta de riscos de infeção e para escolhermos os produtos mais adequados para essa higiene.

Todas sabemos que a zona genital da mulher é muito sensível, por isso, há que ter determinados cuidados.

 

Já ouviram falar dos bacilos de Döderlein? São eles os responsáveis pela manutenção do pH ácido, saudável da vagina. O pH ideal situa-se entre 3,5 e 4,5. Quando esse número é alterado por várias razões (uso de antibióticos, stress, menstruação, utilização de determinados produtos), alguns microorganismos proliferam-se, causando infeções vaginais.

 

É por esta razão que os produtos de higiene íntima com ácido láctico são os mais indicados para esta higiene, pois eles mantêm a acidez necessária para evitar infeções. Além de prevenirem a proliferação de bactérias, os sabonetes íntimos mantêm a região externa da vagina protegida e livre de odores.

 

Existem outros cuidados a ter quando falamos de higiene íntima feminina.

Aqui ficam 10 DICAS:

 

1. Não utilizar sabonetes alcalinos (a grande maioria) para a higiene da zona íntima, pois alteram o pH habitual da mucosa vaginal.

 

2. Não utilizar sprays íntimos e duches vaginais, pois estes também podem alterar a flora natural da vagina, afetando os microorganismos da flora vaginal normal, necessários à sua proteção.

 

3. Limpar-se de frente para trás, de forma a evitar contaminação.

 

4. Evitar a utilização de papel higiénico com fragrância. Dar preferência ao papel branco, sem perfume.

 

5. Tomar duche e não abusar dos banhos de imersão. Não utilizar esponjas de limpeza.

 

6. Evitar o uso de pensinhos diários, pois estes prejudicam a transpiração natural, provocam calor e humidade, favorecendo assim o desenvolvimentos bacteriano.

 

7. Ter atenção especial à higiene nos dias de menstruação. O sangue, por si só, é um "meio de cultura", além de alterar o pH vaginal. Aconselha-se o uso de tampões apenas nos dias de maior fluxo menstrual.

 

8. Utilizar roupa interior constituída por fibras naturais, de algodão e evitar que seja demasiado justa.

 

9. Beber muita água, reduzir o consumo de alimentos muito condimentados (picante) e o café.

 

10. Fazer a higiene íntima duas vezes ao dia (de manhã e à noite). A higiene em excesso também pode provocar alterações na mucosa vaginal.

 

Na sua farmácia, vai encontrar aconselhamento nesta área e poder comprar os produtos mais adequados à sua higiene íntima.

 

Em caso de incómodo e irritação persistente, não hesite e consulte o ginecologista!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:02

Uma nova droga: o Sol

por dicasdefarmaceutica, em 20.06.14

"Investigadores norte-americanos descobriram um mecanismo no tecido da pele que responde aos raios ultravioleta com a produção de um químico que induz bem-estar".

Foi esta a notícia de hoje do Diário de Notícias. Afinal frases como "sou viciado em sol" ou "sou viciado em praia" já fazem todo o sentido. Os que passam o dia na praia a "trabalhar para o bronze" têm agora uma desculpa: são viciados em sol...

Estes cientistas provaram que a exposição aos raios ultravioleta provoca a libertação de endorfinas, moléculas responsáveis pela sensação de prazer e bem-estar. Por isso saímos da praia todos tão bem dispostos...há sempre uma razão para tudo. Quem se expõe aos raios ultravioleta, sente-se mais descontraído e de melhor humor.

Não é só por estarmos de férias ou fim-de-semana, a praia e principalmente o sol, são um vício, do qual nos custa a "ressacar" quando chegam os dias de Outono.
Por falar nisso, parece que este fim-de-semana, os viciados têm que arranjar outra "droga"porque o sol vai-se esconder e dar lugar à chuva, deve ter um efeito contrário, pois põe-nos de mau-humor.

Por serem viciados, por se sentirem felizes e "libertos" quando estão a apanhar sol, nada de abusos...como qualquer droga, em excesso e em determinadas horas, faz muito mal e até pode matar...
Respeitem integralmente as regras de exposição solar!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:02

"Menos Sal Mais Sabor a Vida"

por dicasdefarmaceutica, em 19.06.14

A Organização Mundial se Saúde (OMS) recomenda a ingestão máxima de 5g de sal por dia, o que corresponde a 2g de sódio. A população portuguesa consome cerca de 10,7g de sal e 4,3G de sódio por dia, ou seja, o dobro do limite máximo recomendado.

 

Se isto é a realidade para a população em geral, estima-se que as nossas crianças estejam a consumir quatro vezes mais sal do que o recomendado pela OMS, dado o consumo exagerado de produtos pré-cozinhados e sumos embalados.

E como, "de pequenino é que se torce o pepino", hoje o programa "Menos Sal Mais Sabor a Vida" iniciou uma experiência piloto no agrupamento de escolas Roque Gameiro, na Amadora; duas turmas do pré-escolar aprenderam, através de jogos e materiais didáticos, o que é uma alimentação saudável, o risco do sal e algumas dicas para reduzir o consumo do sal.

 

 

Esta iniciativa conta com a colaboração da Jaba genéricos e da Sociedade Portuguesa de Hipertensão.

 

Este assunto é particularmente importante porque sabe-se que, uma pequena redução na quantidade de sal ingerida diariamente, evitaria milhares de mortes e de Acidentes vasculares cerebrais( AVC). Está provada a relação direta entre o consumo de sal, o aumento da pressão arterial e, consequentemente, o risco aumentado de AVC.

 

Como sabemos que o mais importante é a prevenção, aqui ficam algumas DICAS PARA REDUZIR O CONSUMO DE SAL:

 

- Leia os rótulos (pode vir teor de sal, sódio, glutamato monossódico ou bicarbonato de sódio).

- Evite o sal (1colher de sobremesa é a dose diária) nos cozinhados.

- Não leve o saleiro para a mesa.

- Prefira os alimentos frescos, evitando os pré-preparados.

- Utilize sumo de limão para temperar, noz moscada, pimenta e ervas aromáticas (hortelã, salsa, hortelã, coentros, etc...)

- Cozinhe a vapor.

- Utilize bacalhau sempre bem demolhado.

- Prefira os sumos naturais; alguns dos embalados têm sódio.

Fiquei algo surpreendida com o facto dos sumos naturais terem sódio mas, na realidade, este é algumas vezes adicionado como conservante.

 

Em resumo previna-se: MENOS SAL MAIS SABOR A VIDA

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:50

Imagens

Algumas das imagens presentes no blog são retiradas da Web. Na impossibilidade de as creditar corretamente agradeço que, caso alguns dos autores não autorize a sua publicação, entre em contato, para que as mesmas sejam retiradas de imediato.

Termo de responsabilidade

A informação contida neste blog não substitui o aconselhamento médico ou farmacêutico. O objetivo do blog, é informar sobre vários assuntos ligados à saúde em geral, e à farmácia em particular. Os vários temas são abordados de uma forma não exaustiva, acessível ao público em geral.

Pág. 1/3



Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Junho 2014

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930

Pesquisar

  Pesquisar no Blog