Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O que já mudou na nova Lei do Tabaco

por dicasdefarmaceutica, em 05.01.18

9EA55F18-D19F-4ED1-9913-F627E8C1CFDE.jpeg

 

Já entraram em vigor as novas normas referentes à Lei do Tabaco. Sempre a pensar na saúde de todos, as regras começam a ser mais duras para quem fuma, mas ainda não suficientemente severas para proteger toda a gente deste grande mal que é o cigarrinho.

 

Podemos falar de 5 alterações relevantes:

 

1 - Proibição de fumar em locais frequentados por crianças, mesmo que ao ar livre, nomeadamente “infantários, creches e outros estabelecimentos de assistência infantil, lares de infância e juventude, centros de ocupação de tempos livres, colónias e campos de férias, parques infantis, e demais estabelecimentos similares".Esta é a principal alteração à Lei do Tabaco.

 

2 - Equiparação dos cigarros eletrónicos aos cigarros tradicionais, pelo que o seu uso vai ser proibido em espaços públicos fechados. São os cigarros da moda, os chamados e-cigarros. Como todas as modas, há muita gente a querer segui-las e esta é muitas vezes a forma de iniciar o hábito de fumar. Nos EUA os números de crianças e adolescentes a utilizar este método são assustadores. 

Além disso, segundo dizem os entendidos na matéria, apesar de serem potencialmente menos perigosos do que o cigarro convencional, “os e-cigarros podem causar dependência e não são isentos de risco para a saúde, pois contêm substâncias aditivas, tóxicas, irritantes e cancerígenas embora em menor quantidade que os cigarros convencionais”.

 

3 - Obrigatoriedade da existência de espaços para fumar no exterior de estabelecimentos de saúde, como hospitais ou clínicas, e instituições de ensino, qualquer que seja a idade dos alunos e o grau de escolaridade.

 

4 - Dever dos serviços de saúde ocupacional para “promover nos locais de trabalho ações e programas de prevenção e controlo tabágico e devem apoiar ou referenciar os trabalhadores que pretendam iniciar o tratamento de cessação tabágica para o médico de família ou para as consultas de cessação tabágica".

Também estes serviços ficam incumbidos da monitorização da "salubridade dos locais de trabalho, em particular no que refere à qualidade do ar, evitando a sua contaminação com fumo de tabaco, garantindo assim as condições de saúde, higiene e segurança adequadas".

 

5 - Proibição de "qualquer discriminação dos fumadores no âmbito das relações laborais, designadamente no que se refere à seleção e admissão, à cessação da relação laboral, ao salário ou a outros direitos e regalias". 

Esta medida não é uma alteração, pelo menos é isso que eu acho. Descriminar trabalhadores por fumarem é algo que nem deveria ser abordado, pois proibir de fumar em determinados locais é uma coisa, descriminar quem fuma é outra bem diferente...


Mantêm-se os avisos nos maços de tabaco, mas vão passar a cobrir 50% da embalagem.

 

O consumo de tabaco é, hoje, nos Países desenvolvidos, a principal causa de doença e de mortes evitáveis, sendo responsável por cerca de 20% do total de mortes verificadas anualmente nos países desenvolvidos.

 

De nada servem todas estas alterações à lei se não apostarmos fortemente na prevenção. As medidas de prevenção do tabagismo devem ser dirigidas primeiro às crianças e aos jovens. Os próprios fumadores devem ser conscientes e incutir nas crianças que fumar faz mal e cria dependência. Esta educação deveria iniciar-se no seio da família. O exemplo dos pais é fundamental, pelo que os pais fumadores devem ser alertados para não fumarem junto das crianças ou para deixarem de fumar.

 

Aos poucos, com sucessivas alterações à Lei do Tabaco, com respeito por quem é fumador e, sobretudo com maior consciência do que representa o acto de fumar, conseguiremos criar um clima social em que não fumar seja a norma

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:06

Vida Saudável para 2018

por dicasdefarmaceutica, em 02.01.18

E29CD44E-DF24-45EB-B357-C3EDC8A08B02.jpeg

Primeiro post do ano: vamos reflectir sobre aquilo que nos faz bem à saúde, aquilo que é verdadeiramente importante para a nossa saúde.

 

Falo sempre de três pilares para conseguirmos ter uma vida saudável, mas para este ano novo, vou acrescentar um quarto pilar:

1 - Fazer uma alimentação saudável

2 - Praticar exercício físico

3 - Dormir bem

4 - Ser feliz

 

1 - Fazer uma alimentação saudável

B4B72709-86EF-4F60-8100-917EC9CB1532.jpeg

A ligação entre a alimentação e as doenças está muito bem documentada e sabemos que o que comemos tem um impacto muito grande na forma como nos sentimos.

Comer bem dá trabalho, mas é um grande investimento em termos de saúde e bem-estar. O ideal é não começarmos o ano a fazer dietas radicais, muitas vezes difíceis de prolongar no tempo e que fazem perder os quilinhos ganhos nas festas, mas não são a solução de nada em termos de saúde. Comer bem é cuidar da alimentação todos os dias do ano, comer de forma equilibrada e deixar os excessos para os dias de festa.

As regras básicas já todos sabem: cortar no açúcar, abusar das frutas e legumes, não esquecer das proteínas, reduzir o consumo de sal, beber muita água, etc...

 

2 - Praticar exercício físico

6E6EE0C3-AEF5-4C32-B599-06AEEA5EFC63.jpeg

Fazer exercício na dose certa é uma receita de todas as especialidades médicas. Para prevenir doenças, já não restam dúvidas, é necessário exercício físico regular.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda 150 minutos de atividade física por semana para os adultos e 60 minutos por dia para as crianças e jovens. 

Procure a atividade física que mais gosta, o local ideal para a praticar e sózinho ou acompanhado, “mexa-se pela sua saúde”!

 

 3 - Dormir bem

C0576A34-1415-440A-AC04-1EB91DE81FAE.jpeg

Dormir, em quantidade e com qualidade, é essencial para a saúde.

O sono possui uma função biológica crucial e os distúrbios de sono preocupam muitas áreas da medicina. A falta de sono pode conduzir a várias doenças, como a hipertensão arterial, o aumento do risco de enfarte e de Acidente Vascular Cerebral (AVC), a diabetes e muitas outras.

Cada pessoa deve dormir entre 7 e 9 horas por dia para garantir uma boa saúde, mas estas horas estão indicadas para os adultos, devendo ser adaptadas de acordo com a idade de cada um.

Quando alguém dorme permanentemente mal, acha sempre que vai passar, que é uma fase e demora a pedir ajuda. Se sente que alguma coisa estás mal com o seu sono, fale com o seu médico e tente dormir bem! Dormir é reparador e ajuda nas várias tarefas do dia-a-dia.

 

 4 - Ser feliz

25D1BDF0-F0C6-45FC-A27F-1329E0FE51AD.jpeg

“Pessoas felizes adoecem menos!" Quando as nossas emoções são positivas, deixamos de nos desgastar e achar que tudo de mau nos acontece e que o mundo é verdadeiramente hostil. Pessoas felizes, não só adoecem menos, como, quando estão doentes, têm uma recuperação muito mais rápida. Sabemos que isto é evidente em muitas doenças e existem vários estudos a comprová-lo.

Deixei este pilar para último para vos dar um conselho para 2018: Sejam felizes e tenham muita saúde!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:24

Terei gripe ou estarei só constipado?

por dicasdefarmaceutica, em 19.12.17

IMG_6569 (1).JPG

Escrevi um artigo para a revista Inominável que vou partilhar aqui convosco, pois está a ser a pergunta da semana nos balcões das nossas farmácias.

 

Chegou o frio e com ele as tão temíveis doenças de inverno. Nunca sabemos bem, terei gripe ou estarei só constipado? Vamos lá tirar umas dúvidas.

A constipação é normalmente uma situação mais comum e menos grave do que a gripe.

 

A constipação é uma doença infecciosa viral do aparelho respiratório superior, que afeta sobretudo a cavidade nasal. Existem mais de 200 vírus associados às causas da constipação, sendo os mais comuns os rinovírus.

Quais são os sintomas da constipação?

- Fadiga ligeira

- Dores de cabeça ligeiras

- Tosse ligeira

- Nariz entupido

- Garganta irritada

- Espirros

- Raramente dá febre

- Normalmente dura 3 ou 4 dias

 

A gripe é uma doença causado por um vírus (Influenza)  que é transmitido através de partículas de saliva de uma pessoa infectada, expelidas sobretudo através da tosse e  espirros, mas também por contacto direto, por exemplo, através das mãos.

Quais são os sintomas da gripe?

- Cansaço

- Febre elevada

- Dores de cabeça fortes

- Tosse persistente

- Dores musculares e articulares

- Nariz entupido

- Garganta inflamada

- Espirros

- Pode durar 3 ou 4 semanas

 

Como podem observar, muitos dos sintomas são semelhantes, daí a confusão entre estas duas doenças de inverno. Convém sempre desconfiar de uma constipação muito prolongada no tempo...

Quase toda a gente já teve constipada mas felizmente, muitos de nós nunca tiveram gripe. 

 

A grande vantagem da gripe é que pode ser prevenida através da vacina. Esta é aconselhada a pessoas com idade igual ou superior a 65 anos, a doentes crónicos e imunodeprimidos, a grávidas, aos profissionais de saúde e a crianças e jovens internados em instituições. Se pertence a algum destes grupos, ainda vai a tempo: até ao final do ano, pode levar a vacina da gripe. Lembre-se que a vacinação é a melhor prevenção!

IMG_2687.JPG

 Existem também algumas medidas muito simples para prevenir estas duas doenças:

- Lavar as mãos frequentemente

- Tocar o menos possível em objetos públicos (puxadores de portas, corrimões, transportes públicos, etc...)

- Evitar tocar com as mãos sujas nos olhos, nariz e boca

- Beber muita água (1,5 litros por dia)

- Fazer uma alimentação saudável, ingerindo alimentos ricos em proteínas e vitaminas

- Fazer exercício físico

- Dormir bem

- Evitar mudanças bruscas de temperatura

- Evitar grandes ajuntamentos, sobretudo em recintos fechados (centros comercias, inclusive)

- Melhorar a circulação de ar, abrindo as janelas

- Proteger o nariz e a boca enquanto espirra ou tosse

- Usar lenços descartáveis. 

- Evitar bebidas alcóolicas

- Não fumar 

 

Parece uma lista muito grande de conselhos, mas todos são importantes para passar um inverno com saúde e para aproveitar esta época do ano da melhor forma. Também há muita coisa boa para fazer no inverno: passear, conviver à volta da fogueira com os amigos, fazer desportos de inverno e ter um Feliz Natal, cheio de Saúde!

 

IMG_8190.JPG

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:34

Farmácias Holon no Mercado de Natal de Almada

por dicasdefarmaceutica, em 13.12.17

FDC502FF-EFD0-4246-9F4A-C50E8BC84247.png

É na minha zona e eu tenho que divulgar. Mercado de Natal soa bem, mas normalmente, não estão associados à saúde.

Já é pela segunda vez que as farmácias Holon da zona de Almada se juntam a esta iniciativa para “avaliarem a saúde” de quem por ali passa.

O objetivo é sensibilizar a população para a importância da adoção de estilos de vida saudáveis, sobretudo nesta época do ano que se cometem mais excessos alimentares. Vai até haver um workshop-Showcooking, com ideias para umas refeições de Natal mais saudáveis.

 

8C033ACD-BED5-4A7C-8F22-0ACFF47DF2C3.png

Por mim, se nos “portarmos mal”, em termos de alimentação, só no Natal, acho que não faz mal. Ficam, no entanto, as ideias para os restantes dias desta época festiva, que tem tendência a prolongar-se por vários dias. 

 

Além da cozinha, os visitantes poderão realizar avaliações gratuitas de Podologia, Risco Cardiovascular e Nutrição.

Apareçam na Praça S. João Batista, em Almada! Os farmacêuticos estarão por lá para o ajudar e com mais algumas surpresas neste Natal...

 

 


 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:22

Tenha à mão o Kit de Farmácia de Inverno!

por dicasdefarmaceutica, em 07.12.17

C16CC718-D4B7-4672-9723-9ACBCBA473C0.jpeg

 

Conforme prometido no post anterior (Cuidado com o frio!), além das medidas para nos protegermos do frio, convém ter em casa um kit de farmácia básico, muito útil em caso de aparecerem os primeiros sintomas relacionados com as chamadas doenças de inverno.

 

Kit Farmácia Inverno:

 

- Termómetro (o que gostar mais, digital ou de infravermelhos, desde que o utilize segundo as instruções do referido aparelho)

- Antipirético (para baixar a febre, por exemplo paracetamol)

- Anti-histamínico (particularmente importante para as pessoas com tendência para alergias nesta época do ano ou que tenham frequentemente o nariz a pingar)

- Antigripal (são muitos os existente no mercado, “atacando” os primeiros sintomas de gripe ou até de uma simples constipação. Atenção aos princípios activos destes antigripais, pois podem não ser os indicados para o seu caso!)

- Descongestionante nasal (pode ser um simples soro fisiológico, uma água do mar ou algum mais forte para uma descongestão mais eficaz. Pode escolher em spray ou em gotas)

- Analgésico (para as dores, sobretudo de cabeça, por exemplo, o paracetamol)

- Pastilhas para a garganta (à base de eucalipto, limão, com ou sem anti-inflamatório, são muitas as escolhas...)

- Anti-inflamatório (quando as dores de garganta não passam, um ibuprofeno, por exemplo, tomado durante três dias de acordo com as indicações, pode ser o suficiente para evitar o agravamento da doença)

- Mucolíticos e expectorantes (para facilitar a libertação de secreções, são os chamados xaropes para a tosse com expectoração)

- Antitússicos (utilizados apenas em casos pontuais, quando se trata de uma tosse seca e irritadiça)

- Hidratantes (mãos, lábios e corpo, fundamentais para evitar frieiras e lábios gretados, tão comuns nesta época do ano)

 

Todos os medicamentos devem ser tomados de acordo com a posologia.

Nesta altura de inverno, em que os sintomas muitas vezes se prolongam por vários dias, é muito importante não ultrapassar as doses recomendadas nem o tempo máximo para a toma de determinado medicamento. Por exemplo, um xarope para a tosse deve ser tomado apenas durante 5 dias.

 

O seu farmacêutico é a pessoa certa para o ajudar a ter em casa este Kit de Farmácia de Inverno. Este kit deve ser o mais personalizado possível, feito de acordo com a sua idade e com o seu estado de saúde.

 

Pode ver AQUI alguma dicas para organizar o seu armário de farmácia.

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:34

Cuidado com o Frio!

por dicasdefarmaceutica, em 04.12.17

0D81F98A-9D3B-47AD-BCA4-98E8938C5164.jpeg

 

Agora sim, o frio chegou. Está na hora de tirar os gorros, os cachecóis e as luvas do armário e usá-los como acessórios de moda. Agora, que até a moda das peles está do nosso lado, é só inventar e utilizar as várias camadas de roupa para ficarmos bem quentinhos.

 

Sabemos que a exposição ao frio intenso, sobretudo durante vários dias consecutivos, pode ter efeitos negativos na saúde. Em situações de frio intenso são produzidas alterações no organismo que facilitam o aparecimento de doenças como a gripe e outras infeções respiratórias, bem como o agravamento das doenças crónicas, nomeadamente cardíacas e respiratórias.

Atenção especial às crianças, aos mais idosos e aos portadores de doenças crónicas!

 

Assim, e em termos gerais, existem algumas recomendações básicas para nos protegermos do frio, que convém recordar:

 

1 - Agasalhe-se! Manter o corpo quente é fundamental para nos protegermos do frio. É importante proteger a cabeça, o pescoço, as mãos e os pés. É aqui que entra a moda dos acessórios e nada como aproveitar esta época do Natal para oferecer gorros, luvas, cachecóis e meias bem quentinhas. As camisolas polares, bem baratas nalgumas lojas, são uma alternativa excelente para combater o frio. A técnica das “camadas de roupa” resulta sempre.

 

2 - Mantenha a casa quente! Antes de tudo, a casa deve estar bem isolada do exterior (portas e janelas bem vedadas...), deve ser arejada todos os dias e deve estar aquecida, tendo especial cuidado ao uso de lareiras, braseiras, salamandras e aquecimentos a gás. O aquecimento deve ser feito tendo em atenção todas as normas de segurança dos vários equipamentos. Também é importante não esquecer a roupa utilizada na cama e abusar dos edredons e das mantinhas (mais uma ideia para o tal presentinho de Natal...).

 

3 - Hidrate-se! Parece que é mais importante a hidratação com o calor, mas isso não é verdade; beber pelo menos 1,5 litros de água por dia é crucial para se manter hidratado também no inverno. Pode substituir-se a água por chás, infusões ou mesmo sopas. Preferencialmente, deve optar-se por bebidas quentes. Também é importante evitar as bebidas alcoólicas, pois o álcool provoca a dilatação dos vasos sanguíneos, dificultando o aquecimento do corpo.

 

4 - Alimente-se bem e faça exercício físico! O corpo precisa de mais calorias para combater o frio, mas isso não quer dizer que se abuse e não é desculpa para os quilos que tendem em aumentar nesta época do ano. Privilegie as sopas e legumes, prefira os cereais integrais e os doces à base de frutos secos! Não se esqueça que é fundamental comer frutas frescas para um bom aporte de vitaminas! Nesta época gosto muito de maçã assada com canela, também uma excelente opção. Continue a fazer exercício físico!

 

5 - Mantenha-se atento aos sinais e sintomas! Isto é particularmente importante se tiver algum problema de saúde. Não se automedique com antibióticos! Se tiver dúvidas, consulte o seu médico ou o seu farmacêutico! Se necessário, telefone para a linha gratuita SNS 24, através do número 808 24 24 24. Evite deslocar-se para a urgência! Tenha em casa um kit básico de prevenção para o inverno!

 

6 - Esteja atento ao que o rodeia e ajude os outros! É bom olharmos à nossa volta e falarmos destes conselhos, partilharmos os nossos agasalhos com quem precisa ou mesmo oferecermos um chá ou um prato de sopa àquele vizinho idoso que vive sozinho e está a ficar constipado...atenção aos vizinhos idosos! É nesta época do ano que surgem muitos idosos nas urgências, vítimas do frio, desidratados e mal alimentados.

 

Durante o inverno e sobretudo nesta época das compras de Natal, há uma maior tendência para a concentração de pessoas em locais fechados, o que pode contribuir para a propagação de algumas doenças infecciosas. Privilegie os passeios ao ar livre!

 

Para reforçar tudo o que já foi dito, veja AQUI as recomendações da DGS (Direção Geral da Saúde) para a população se proteger do frio e esteja atento ao post de amanhã!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:35

Dia Mundial da luta contra a SIDA

por dicasdefarmaceutica, em 01.12.17

618F2DEF-B11D-44FB-99A4-68F988FF90F8.jpeg

 

Portugal é o segundo país da União Europeia com mais novos casos de HIV/SIDA e a maioria acontece através de relações sexuais desprotegidas. Em 2016 foram registados 841 novos diagnósticos de HIV e 161 casos de SIDA.

Neste Dia Mundial da luta contra a SIDA, é importante lembrar o papel crucial que o preservativo assume nesta luta e é este o meu tema escolhido para hoje.

 

Em Portugal, ao abrigo do Programa Nacional para as Infeções HIV, Sida e Tuberculose, foram distribuídos um total de 4,7 milhões de preservativos masculinos, em 2016, a maioria em estabelecimentos públicos de Saúde. Ainda assim, o relatório “A Saúde dos adolescentes Portugueses em tempos de recessão” revela que cerca de 30% dos jovens inquiridos não utilizou preservativo na primeira relação sexual, um número que sobe para perto de 55% no que se refere à utilização na última relação sexual. Destes, 42% referiram “não ter pensado nisso”, enquanto 31% confessaram não terem um preservativo consigo.

Usar preservativo não pode ser uma questão”. Usar preservativo tem que ser uma realidade.

 

Até aos anos 80, as doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) não eram faladas com muita preocupação. Parecia atingirem só grupos de risco isolados, como por exemplo, os homossexuais e as prostitutas. Foi então que a SIDA começou a assustar todos. Dizia-se ser uma doença sem cura e tirou a vida a muitos jovens naquela época. Muita gente tinha até medo de falar na doença.

 

Começaram as campanhas de prevenção e um forte apelo para o uso do preservativo, a única forma capaz de evitar a SIDA e outras doenças sexualmente transmissíveis, além de evitar uma gravidez não planeada.

 

Ao longo dos anos, o preservativo passou a fazer parte da vida sexual de jovens e adultos, as campanhas ganharam força e as marcas fizeram publicidade, tentando que a prevenção fosse o mote das suas campanhas.

Apareceram também os testes para detetar o HIV e os tratamentos tornaram-se cada vez mais acessíveis ao longo dos anos.

 

Se tudo parece ter sido bem feito, então porque é que o HIV ainda aí anda a “fazer estragos”? Agora, os grupos de risco não existem mais; mulheres e homens, casados ou não, adolescentes, e até mesmo os idosos passaram a contrair a doença. E porquê? A resposta principal é o descuido com a prevenção, daí a importância de refletirmos sobre este assunto neste Dia Mundial da luta contra a SIDA.

 

Não facilite, previna-se e use preservativo!

 

DF79F432-C8A2-44A6-8438-3C42AA597BC7.jpeg

 

Só para esclarecer: qual a diferença entre o HIV e a SIDA?

O HIV é um vírus (Vírus da Imunodeficiência Humana) e a SIDA é a doença (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) causado por esse vírus.

Pode ter-se uma infeção por HIV sem aquirir SIDA, sendo muitas as pessoas com infeção por HIV que vivem durante anos sem desenvolver SIDA.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:51

Novo Portal RAM (Reações Adversas a Medicamentos)

por dicasdefarmaceutica, em 29.11.17

01F87BFA-C7CE-47C0-8138-9E8193BBAF6F.jpeg

Já está em funcionamento o novo Portal RAM para notificação de Reações Adversas a Medicamentos.

O novo portal é da responsabilidade da Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed) e permite aos cidadãos e aos profissionais de saúde notificar reações adversas a medicamentos (RAM) em apenas cinco minutos, facilitando todo o processo.

 

Para uma notificação ser válida, basta aceder ao portal e fornecer 4 informações:

- a(s) reação(ões) adversa(s);
- o(s) medicamento(s) suspeito(s) de ter(em) causado a RAM;
- os dados do doente (como iniciais ou idade ou sexo), sendo sempre garantida a confidencialidade dos dados do notificador e do doente;
- os meios de contacto do notificador da RAM.


Para facilitar a avaliação do caso, a informação fornecida deve conter o maior número de dados possível.

Se a reação for a uma vacina ou a um medicamento biológico, pede-se ainda ao cidadão (doente ou seu representante) ou ao profissional de saúde que indiquem o lote, aconselha a Autoridade Nacional do Medicamento.

 

Relativamente às reações adversas, são muitas as dúvidas que surgem, pois muitas vezes até nem se sabe qual o medicamento que provocou tal reação. Aqui é fundamental a articulação e a ajuda de todos os profissionais de saúde, que devem ser sempre consultados pelo doente para esclarecer qualquer dúvida, inclusive no preenchimento da notificação.

 

Após receção e validação da notificação no portal, a informação é avaliada por uma equipa de farmacêuticos e médicos especialistas em segurança de medicamentos. A informação do caso, totalmente anonimizada, é enviada para as bases de dados europeia (Eudravigilance) e mundial da OMS (Vigibase) para efeito de uma avaliação permanente mais abrangente do perfil de segurança do medicamento.

 

Todas estas melhorias e inovações no “acesso a mais saúde” (apeteceu-me chamar assim...) vão contribuir para a monitorização contínua da segurança dos medicamentos e para uma avaliação permanente dos benefícios/riscos dos mesmos.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:44

Dia Europeu do Antibiótico

por dicasdefarmaceutica, em 17.11.17

 

IMG_8988.JPG

 

"Roubei" esta imagem do site da Ordem dos Farmacêuticos , pois é muito significativa do  que se passa quando falamos de antibióticos e é muito actual para esta época do ano. Com a pressa de curar em poucos dias uma constipação ou uma gripe, são muitas as pessoas a "pressionar" médicos e farmacêuticos para a prescrição e venda de antibióticos.

 

Há dez anos que o dia 18 de novembro serve para lembrar um problema de todos os dias, que passa muito por comportamentos desadequados de doentes, de farmacêuticos, de médicos e até de outros profissionais de saúde. Trata-se de um problema sério com um futuro preocupante. Prevê-se que em 2050 a resistência aos antibióticos mate mais do que o cancro.

 

Segundo um apelo lançado pela Organização Mundial de Saúde, as situações mais emergentes estão relacionadas com infeções provocadas pela Pseudomonas aeruginosa, Staphylococcus aureus e Enterobacteriaceae (por exemplo, a Escherichia coli), para as quais já começam a faltar soluções terapêuticas. Isto porque, em algumas estirpes, estas bactérias apresentam alterações genéticas que lhes permitem sobreviver a praticamente todos os antibióticos disponíveis.

Corremos o risco de que infeções que eram até agora consideradas de fácil resolução com a prescrição de antibióticos, possam tornar-se fatais.

Complicando ainda mais este panorama, observa-se também uma expressiva redução no ritmo de desenvolvimento de novos antibióticos por parte da indústria farmacêutica.

 

Vamos à prática: o que devemos fazer para prevenir este problema da resistência aos antibióticos?

- Não tomar antibióticos por iniciativa própria

- Seguir exclusivamente a recomendação do médico

- Tomar o antibiótico ao longo do tempo prescrito e respeitando os horários e dosagens

- Entregar na farmácia as eventuais sobras

 

Para saber mais sobre Antibióticos, veja AQUI no site da Ordem dos Farmacêuticos.

Para os mais “preguiçosos” que não vão ao site da Ordem, aqui fica mais uma imagem para verem com atenção e terem noção deste grave problema.

 

0E10BB64-3BF4-4124-901E-AB706A116AAF.jpeg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:36

IMG_8981.JPG

 

Já falei aqui no blog várias vezes do meu "Produto do Ano" 2016 favorito: o FreeStyle Libre da empresa Abbott.

Infelizmente, até à data, são poucos os diabéticos em Portugal que têm usufruído deste sistema, pois os acordos nunca mais chegavam e estava difícil a comparticipação. Contudo, conheço alguns doentes que têm a sorte de poder utilizá-lo e estão muito satisfeitos, com uma vida de melhor qualidade, que é o que se pretende com estas doenças crónicas.

 

Esta semana, marcada pelo Dia Mundial da Diabetes que se assinalou ontemtudo mudou: os doentes com diabetes tipo 1 vão ter disponível o FreeStyle Libre comparticipado. Ainda não é para todos, mas já é um bom avanço nas negociações.

Em comunicado, o Infarmed (Autoridade Nacional do Medicamento), revelou "ter concluído as negociações que se traduziram na comparticipação em 85% do dispositivo FreeStyle Libre num acordo com a empresa farmacêutica Abbot que prevê o tratamento no primeiro ano de 15 mil pessoas com diabetes de tipo I, uma doença autoimune que implica injeções diárias de insulina".

O comunicado refere ainda que "todas as crianças com mais de quatro anos serão beneficiadas com este dispositivo".

  

IMG_8983.PNG

 

"O FreeStyle Libre é uma ferramenta inédita na medição dos níveis de glicose para pessoas com diabetes, estando indicado essencialmente para pessoas com diabetes que necessitam de fazer diariamente várias picadas dos dedos para controlar os níveis de açúcar, incluindo crianças entre os 4 e os 17 anos.

Composto por um sensor com apenas 35mm x 5mm (semelhante a uma moeda de 2 euros) e com duração de até 14 dias, este sistema é colocado na parte posterior do braço e permite medir os níveis de glicose intersticial, de forma simples, fornecendo resultados instantâneos sobre os valores de glicose e indicadores de tendência. Após uma hora da sua colocação no braço, o FreeStyle Libre inicia a leitura da glicose, tratando a informação que recolhe e identificando tendências.

A grande inovação do FreeStyle Libre está no facto de, numa leitura sem dor e em apenas um segundo, a pessoa com diabetes obter informações relevantes sobre o presente (glicemia atual), sobre o passado e o futuro. Esta vantagem inovadora deve-se ao historial dos valores de glicose até oito horas antes da determinação e setas de tendência de glicose que são disponibilizados e que mostram se estão a subir, a descer ou constantes, o que permite que a pessoa com diabetes antecipar a tendência de evolução através desta determinação, ajudando a prevenir episódios de hipoglicemia (glicose baixa) e melhorando a sua qualidade de vida."

 

Isto sim, é um grande avanço para os milhões de diabéticos espalhadas por todo o mundo. Medir os níveis de glicose sem picar os dedos todos os dias, sem tiras de teste e sem sangue é o sonho de qualquer pessoa portadora desta doença.

 

Só para lembrar: em Portugal a doença atinge mais de 13% da população, correspondendo a mais de um milhão de portugueses, sendo que a este número acresce mais de dois milhões de pré-diabéticos. 

Vamos aguardar a comparticipação do FreeStyle Libre para todos os diabéticos!

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:43

Imagens

Algumas das imagens presentes no blog são retiradas da Web. Na impossibilidade de as creditar corretamente agradeço que, caso alguns dos autores não autorize a sua publicação, entre em contato, para que as mesmas sejam retiradas de imediato.

Termo de responsabilidade

A informação contida neste blog não substitui o aconselhamento médico ou farmacêutico. O objetivo do blog, é informar sobre vários assuntos ligados à saúde em geral, e à farmácia em particular. Os vários temas são abordados de uma forma não exaustiva, acessível ao público em geral.


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Fevereiro 2018

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728

Pesquisar

  Pesquisar no Blog