Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Eutanásia em debate

por dicasdefarmaceutica, em 02.02.17

image_2017-02-02_16-48-06.jpeg

 

Esta semana, além do Trump, o debate na Assembleia e nas mesas dos cafés, teve como tema principal, a eutanásia.

Após uma semana de debates e opiniões, parece que  estamos quase todos de acordo com o seguinte: "a despenalização da morte medicamente assistida é um assunto delicado e que deve ser discutido de forma séria e decidido sem pressa".

 

Sobre este assunto, quem tem muito a dizer é a Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos (APCP). Esta Associação alerta para a falta de literacia em saúde da população portuguesa e subscreve o documento “Livro Branco”, desenvolvido pela Associação Europeia de Cuidados Paliativos, que pretende promover a informação pública, e esclarecida, acerca dos cuidados paliativos, sedação paliativa, eutanásia e suicídio assistido.

image_2017-02-02_17-01-24.jpeg

"Reconhecemos que os pedidos de eutanásia e suicídio assistido exigem respeito, atenção e sobretudo cuidado. São complexos na sua natureza, estrutura e alcance e, portanto, impõem respostas diferenciadas, especializadas, numa equipa multidisciplinar preparada, numa relação aberta, de confiança e compromisso. Todos devemos ter acesso a cuidados paliativos e a sedação paliativa pode ser uma opção para muitas condições nas quais os doentes podem solicitar a eutanásia ou suicídio assistido”, defende Manuel Luís Capelas, Presidente da APCP.

 

Segundo a Associação Europeia de Cuidados Paliativos (EAPC), a “sedação paliativa” do doente terminal deve ser distinguida de eutanásia. Na sedação paliativa, o objetivo é aliviar o sofrimento, através da utilização de fármacos sedativos ministrados para controlo do sofrimento perante sintomas refratários, enquanto que na eutanásia, a intenção é tirar a vida do doente, administrando-se um fármaco letal. A Eutanásia e o Suicídio Assistido não fazem parte de nenhum guião terapêutico dos Cuidados Paliativos.

 

Deixo aqui estas considerações sobre este assunto para vossa reflexão. Independentemente das várias opiniões, todos devemos ter direito ao acesso aos Cuidados Paliativos e sabemos que tal não acontece.

Em Portugal existem entre 72 mil e 86 mil doentes a necessitar de cuidados paliativos. De acordo com um estudo apresentado pelo Observatório Português dos Cuidados Paliativos em 2016, dos cerca de 51% dos doentes internados nos hospitais com necessidades paliativas, apenas 7% foram referenciados para equipas de cuidados paliativos.

 

No debate sobre eutanásia não faz sentido haver vencedores e vencidos; o importante é chegar a acordos sobre formas de aliviar o sofrimento humano, seja ele numa fase intermédia da vida ou numa fase terminal. Uma coisa é certa, toda a gente tem direito a um fim de vida com dignidade, sem sofrimento, e isso não está a acontecer no nosso país. 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 17:32

Imagens

Algumas das imagens presentes no blog são retiradas da Web. Na impossibilidade de as creditar corretamente agradeço que, caso alguns dos autores não autorize a sua publicação, entre em contato, para que as mesmas sejam retiradas de imediato.

Termo de responsabilidade

A informação contida neste blog não substitui o aconselhamento médico ou farmacêutico. O objetivo do blog, é informar sobre vários assuntos ligados à saúde em geral, e à farmácia em particular. Os vários temas são abordados de uma forma não exaustiva, acessível ao público em geral.


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Fevereiro 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728

Pesquisar

  Pesquisar no Blog